04/12/2019 18:55 -03 | Atualizado 04/12/2019 18:55 -03

Educação Física: muito além da monitoria na escola ou academia

Profissionais dessa área são importantes para a garantia da qualidade de vida.

Unsplash
Profissionais dessa área são importantes para a garantia da qualidade de vida

Apesar de muitos utilizarem constantemente o termo qualidade de vida, a verdade é que o sedentarismo no Brasil ainda é preocupante. O problema atinge até mesmo os mais novos. Tanto que uma recente pesquisa divulgada pelo Ministério da Saúde mostrou que 12,9% das crianças entre 5 e 9 anos são obesas no País. Além disso, o mesmo levantamento apontou que 18,9% dos adultos brasileiros estão acima do peso. Muito mais do que monitores de academia, os profissionais de Educação Física têm papel importante para mudar esse cenário.

Um professor capacitado jamais se limitará a trancar uma pessoa sedentária em uma academia para passar infinitas séries de exercícios que não serão cumpridos e ainda poderão causar lesões graves. Com tudo o que se aprende em uma faculdade, como os movimentos corretos do corpo, os mais variados esportes, a educação inclusiva e os conceitos de Ciências Biológicas, pode-se criar uma rotina de atividades que, aos poucos, traz a cultura esportiva a quem precisa cuidar do corpo e invariavelmente desiste por absoluta falta de estímulo.

Números

Estudo norte-americano publicado em 2013 e até hoje considerado referência na área mostra que, quanto mais atividades físicas um jovem pratica, menos gordura irá acumular em seu corpo. Isso ocorre mesmo que ele passe boa parte do dia sentado em frente à TV ou computador - definições máximas do que se entende por sedentarismo na vida moderna.

Isso só reforça a importância dos profissionais de Educação Física neste processo de inserção da qualidade de vida no dia a dia dos mais novos. No levantamento feito pela Universidade Northwestern, a amostragem levou em conta 554 crianças e jovens com idade entre 8 a 15 anos.

Outro dado, desta vez da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2015, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), resume o potencial campo de trabalho aos formados no setor. O levantamento mostrou que menos de 40% dos brasileiros fazem algum tipo de esporte ou atividade física. Foram ouvidas nada menos que 71.142 pessoas, com 15 anos ou mais, em todo o País.

Pacote

Ou seja, o negócio é se mexer, nem que seja aos poucos. De quebra, o pacote em que a Educação Física vem embalada traz diversas virtudes que ajudam a moldar a personalidade dos mais novos. Nessa lista, a busca do equilíbrio entre espírito competitivo e o respeito aos demais competidores, a necessidade de se trabalhar em equipe, eventuais frustrações que uma derrota pode causar e a satisfação de ver um trabalho esportivo render frutos, como vitórias, troféus, medalhas e o principal de todos: o pleno cuidado com a saúde.

Serviço

No Centro Universitário Senac, os alunos que sonham em ingressar na Educação Física têm duas opções no vestibular: licenciatura e bacharelado. Na primeira, o foco é a preparação para trabalho em escolas, lidando com crianças e adolescentes. Já na segunda, prioriza-se a capacitação universitária para trabalho em academias e hotéis, ideal a quem planeja se tornar preparador físico, personal trainer e pesquisador.

 Os mais sedentos pelo saber podem, ainda, abraçar as duas vertentes e ganhar uma infinidade de possibilidades no mercado. Como? Finalizando um dos cursos e, em seguida, estudando só as disciplinas pendentes do outro, em um processo que leva cerca de um ano para ser finalizado.

As aulas são ministradas no campus Santo Amaro, em São Paulo, onde há quadras de tênis, squash, futebol society e poliesportiva, pista de atletismo, sala para ginástica artística, lutas e artes circenses, laboratórios de avaliação física, sala de spinning, lutas, dança e ginástica, três piscinas para natação e duas salas de aparelhos de musculação. Sem dúvida, vida universitária é no Centro Universitário Senac.