Comportamento

Por que seu rabo-de-cavalo te dá tanta dor de cabeça

Neurologistas explicam por que esse penteado tão comum pode fazer sua cabeça doer.
Muitas pessoas que usam rabo-de-cavalo sofrem dor de cabeça.
Muitas pessoas que usam rabo-de-cavalo sofrem dor de cabeça.

O rabo-de-cavalo sempre foi um penteado prático e estiloso. Mas ele pode provocar dor de cabeça real.

Estudos sugerem que deixar o cabelo num rabo-de-cavalo sempre pode provocar alopecia (queda de cabelo), e o penteado já deu lugar a algumas polêmicas que viralizaram, além de algumas gafes engraçadas. A cantora Ariana Grande disse em 2018 que seu rabo-de-cavalo icônico lhe provoca dor constante.

A queixa dela não é novidade, e isso traz uma pergunta: por que o rabo-de-cavalo causa dor de cabeça? O HuffPost conversou com alguns neurologistas para descobrir.

A dor de cabeça provocada pelo rabo-de-cavalo existe?

Os cientistas chegam a usar o termo “dor de cabeça de rabo-de-cavalo” em lugar do mais formal “dor de cabeça de tração externa”, disse Wade Cooper, professor adjunto e diretor da Clínica de Cefaleia e Dor Neuropática da Universidade do Michigan.

Os dois termos constam do manual diagnóstico da International Headache Society.

“Os responsáveis pela dor de cabeça de rabo-de-cavalo são os nervos sensíveis à dor que temos no couro cabeludo”, explicou Cooper. “Quando o cabelo é puxado, pode não haver dor inicialmente, mas quanto mais tempo permanece puxado, mais os nervos ficam sensibilizados. Em algum momento o sinal de dor é enviado ao cérebro.”

Um processo semelhante faz o cabelo “doer” quando é puxado para trás. Os folículos capilares podem ficar sensíveis com o tempo, devido à pressão exercida sobre as terminações nervosas.

A dor de cabeça de rabo-de-cavalo é também um exemplo de um fenômeno chamado alodinia, disse Kiran Rajneesh, professor assistente de neurologia e diretor da divisão de dor neurológica do Centro Médico Wexner da Universidade Ohio State.

“Alodinia é um termo médico que descreve quando a sensação do toque é percebida pelo cérebro como dor”, ele explicou em e-mail. “Com a dor de cabeça de rabo-de-cavalo, a tração do cabelo é apreendida pelo cérebro como dor.”

Outros exemplos de alodinia podem ser dor sentida ao passar uma escova no cabeço ou um barbeador no rosto.

“Estímulos que não deveriam ser dolorosos tornam-se dolorosos”, disse Deena Kuruvilla, professora assistente de neurologia na Escola Yale de Medicina. “Não imaginamos que a sensação de estar com o cabelo preso num rabo-de-cavalo seja dolorosa, mas isso pode acontecer. Os nervos superficiais do couro cabeludo pode ser sensíveis.”

A experiência é bastante comum

“A dor de cabeça decorrente de um rabo-de-cavalo é muito comum”, disse Kuruvilla, mencionando que isso ocorre especialmente com artistas, de modo que Ariana Grande não é a única a senti-la.

“Vemos isso com frequência com dançarinas, ginastas, cheerleaders, bailarinas, devido aos cabelos fortemente presos que são de praxe nessas atividades”, ela explicou. “Esse tipo de dor de cabeça também ocorre com nadadores, porque as toucas de natação podem ser altamente irritantes.”

Rajneesh mencionou outros acessórios que podem provocar esse tipo de dor: “Faixas de cabelo, hijab, máscara de esqui, bonés, tudo isso também pode provocar dores de cabeça externas de tipo semelhante.”

Cooper sugeriu que esse tipo de dor de cabeça é mais comum nas culturas em que as pessoas usam os cabelos presos com força. E não é nenhuma novidade. “Há referências históricas que datam dos anos 1500 de dor de cabeça decorrente de penteados”, ele destacou.

Nem todo o mundo sofre esse tipo de dor de cabeça.
Nem todo o mundo sofre esse tipo de dor de cabeça.

Algumas pessoas sentem mais dor que outras

Nem todas as pessoas que usam rabo-de-cavalo sentem dor de cabeça.

“Achamos que as pessoas que já costumam sofrer com enxaquecas têm probabilidade maior de sentir dor por terem seus cabelos presos com força”, disse Cooper. Segundo ele, pessoas que sofrem de enxaqueca frequentemente também são mais sensíveis a mudanças de temperatura e outras fontes de desconforto.

A dor de cabeça de rabo-de-cavalo também pode ocorrer com transtornos de dor como a fibromialgia, disse Kuruvilla.

Além das condições médicas especificas, disse Cooper, diferentes pessoas processam a dor de maneira distinta. Esse fator contribui para o fato de algumas terem dor de cabeça de rabo-de-cavalo e outras, não.

Existem maneiras de prevenir ou tratar a dor

Se você tem um transtorno de dor e sofre de dor de cabeça regularmente, seja por usar rabo-de-cavalo ou outro motivo, o passo mais importante talvez seja procurar tratamento para o transtorno.

Há também alguns fatores de risco mais comuns a levar em conta. Alguns estudos apontaram para uma relação entre a sensibilidade no couro cabeludo e o sono insuficiente, o ciclo menstrual e outras mudanças hormonais.

“Nem sempre podemos controlar esses fatores, mas, se você sabe que tem tal problema, pode ser o caso de tratá-lo com um anti-inflamatório”, disse Kuruvilla.

Também Rajneesh destacou que medicamentos vendidos sem receita médica, como ibuprofeno ou acetaminofeno, podem ajudar. Mas a sugestão principal dele é que as pessoas optem por um rabo-de-cavalo mais frouxo.

“Um rabo-de-cavalo muito puxado ou puxado para baixo geralmente provoca cefaleia mais frequente”, ele disse. Cabelos mais pesados ou densos também podem contribuir para a dor de cabeça, sem falar em grampos ou presilhas.

“Geralmente é possível aliviar a dor de cabeça reposicionando o rabo-de-cavalo ou soltando os cabelos por uma ou duas horas”, disse Rajneesh. “Também vale mudar o modo como você faz tranças, mudar a partição no seu cabelo ou até o corte.”

Mesmo que seja obrigatório prender o cabelo muito apertado para um evento, você pode aliviar a dor se soltar o cabelo assim que possível, mais tarde.

“Depois de um evento como um casamento ou uma apresentação de dança as pessoas às vezes querem manter o penteado apertado pelo resto do dia ou da noite, porque está todo arrumado e bonitinho”, disse Cooper. “Mas quanto antes você soltar seu cabelo, menor será a chance de doer.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.