MULHERES
13/02/2019 08:30 -02 | Atualizado 13/02/2019 08:30 -02

Documentário 'Diários de Classe' conta história de 3 mulheres negras em busca de educação no Brasil

Tifany é uma mulher trans, Vânia está presa e Maria José é doméstica. "Tudo está interligado. O anafalbetismo com a herança escravagista", diz a diretora Maria Carolina.

Divulgação/Lanterninha Produções
"Você vive como se fosse estrangeiro dentro do próprio país", diz diretora sobre analfabetismo.

Tifany Moura é uma mulher no caminho de descoberta da transexualidade. Vânia Costa está presa e tenta aprender o Código Penal para se defender no tribunal. Maria José Santana tenta conciliar o emprego de doméstica com os estudos. Em comum, todas são mulheres negras que tiveram as histórias contadas no documentário Diários de Classe, que estreia em 7 de março no circuito comercial.

Através do cotidiano de 3 estudantes de centros de alfabetização para adultos em Salvador (BA), o filme debate temas como racismo, machismo, preconceito, desigualdade racial e qualidade da educação no Brasil. Hoje são 13 milhões de analfabetos no País.

“A gente vive numa sociedade que vem de um passado escravagista que ainda hoje é atualizado. A gente ainda não parou para revisar esse passado, para repará-lo. A gente viveu no Brasil uma pseudo-democracia racial e acho que a gente tem falar das coisas para pensar sobre elas. Senão, fica parecendo que elas não existem”, afirma a diretora do documentário, Maria Carolina da Silva, em entrevista ao HuffPost Brasil. Ela divide a direção da obra com Igor Souza.

O objetivo principal da produção é promover o debate e relacionar as diferentes questões que levam ao cenário de analfabetismo retratado. “No filme, a gente tenta estabelece que tudo está interligado. O anafalbetismo com a herança escravagista. A maioria são negros, mulheres negras”, completa a cineasta.

Após acompanhar as salas de aula, Maria Carolina destaca o impacto de não saber ler e escrever em diversas esferas da vida, da auto-estima a dificuldades no mercado de trabalho até a exclusão da vida social. “Não saber ler e escrever ainda é motivo de muita vergonha. Em sua grande maioria, elas passam muito tempo ludibriando os outros para que as pessoas não percebam que elas não sabem ler e escrever. Você vive como se fosse estrangeiro dentro do próprio país.”

Com produção da Lanterninha Produções e distribuição da Elo Company, Diários de Classe será exibido a partir do próximo mês em 20 salas de 19 cidades do Brasil pelo Projeta às 7, parceria da distribuidora com o Cinemark com foco no cinema nacional.

O filme participou do 50º Festival de Brasília, 2ª Mostra de Cinema Contemporâneo do Nordeste e 7º Olhar de Cinema - Festival Internacional de Curitiba.

Formada no Bacharelado Interdisciplinar em Artes, Maria Carolina é cineasta, produtora, montadora e roteirista e trabalha com audiovisual desde 2003. Dirigiu os os curtas metragens Santo de Casa, um documentário; a animação Entrocamento e a ficção Corte Seco.

Leia a íntegra da entrevista.

HuffPost Brasil: Como surgiu a ideia do documentário?

Maria Carolina: Surgiu de uma percepção de que no nosso entorno há mais pessoas analfabetas do que a gente poderia imaginar ou gostar. Tem uma classe social que ronda a classe média, que é de empregadas domésticas, porteiros, pessoas que foram privadas do direito de estudar e desde cedo estão trabalhando, desde criança.

Surge dessa percepção de que há muitas pessoas que não sabem ler e escrever. No Brasil são 13 milhões. Elas estão muito mais perto da gente do que essa ideia de que estão nos rincões da pobreza, no Nordeste, nos lugares que não têm estrutura, os menores IDHs do País. Elas estão aqui do nosso lado, nas grandes capitais.

Como encontraram as personagens? Como foi esse processo de aproximação?

Quando a gente começou a pesquisar, as escolas em Salvador entraram em greve. E quando a gente foi frequentar as assembleias dos professores, a gente notou que a grande maioria eram mulheres. Essa educação básica era formada por mulheres, mas quando chegava nos espaços de poder, como o secretário de Educação, o diretor da escola, sempre eram homens. Foi o primeiro momento que o documentário fez um recorte de gênero. A gente achou que não poderia repetir isso no filme, de não colocar as mulheres como protagonistas.

A gente sabia de antemão, por meio de um trabalho que a gente vinha desenvolvendo com as escolas de cineclubismo, que os professores seriam os primeiros aliados. Eles nos ajudaram a buscar esses perfis.

A gente quis trazer para o debate a questão das mulheres trans e falar sobre os recortes de raça e classe.

Uma vez que a gente está falando da educação como prática de liberdade, pensamos como se daria a educação dentro de um presídio, um lugar que encarcera.

O segundo perfil foi porque a gente notou que há um índice muito grande de empregadas domésticas que não sabem ler escrever, ainda estão em processo de pós-alfabetização. A gente queria uma sala que, em sua maioria, fosse de empregadas domésticas.

E o terceiro perfil era a mulher trans. A gente foi atrás e só encontrou em Salvador uma única menina trans. Na época ela tinha de 15 para 16 anos e frequentava uma sala de aula de alfabetização.

Filmando nas salas de aula, os alunos sabiam o que a gente queria. A gente explicou sobre o que o documentário queria falar, o que a gente pensava sobre aquelas realidades e abrimos a câmera para quem quisesse falar. Foi muito bacana porque as personagens apareceram para a gente. Foi um encontro. Foi assim que surgiu a personagem do presídio, a Vânia Lucia, e a personagem empregada doméstica, a Maria José.

A Tifany foi um processo de conquista. Ela era jovem, recém-chegada a Salvador. Mora num abrigo de menores que perderam o contato com a família. O conselho tutelar no interior tirou ela da família por causa de abuso e violência infantil. Ela era muito silenciada. Teve todo um processo de conquista, de troca, para que acontecesse o filme com ela também.

Divulgação/Lanterninha Produções
"No filme, a gente tenta estabelecer que tudo está interligado. O anafalbetismo com a herança escravagista. A maioria são negros, mulheres negras."

As 3 tinham níveis diferentes de escolaridade?

Isso é uma coisa que acontece muito dentro das salas de aula de alfabetização para adultos. Tem muita diferença de escolaridade. Desde quem não sabe pegar no lápis a quem está balbuciando algumas letras.

No nosso caso, a Vânia, que é do presídio, já sabia ler e escrever e era tipo uma assessora da professora. Estava meio que em um espaço para extravasar toda opressão que vivia dentro do presídio. A sala de aula acabava sendo um espaço para ela sair daquele lugar, ter um acolhimento da professora e uma atividade dentro do presídio para a própria saúde mental dela.

A Tifany não sabia nem pegar num lápis direito e a Maria José está no meio das duas, balbuciando algumas letras. Mas, nas salas de aula, a grande maioria não sabe ler nem escrever. Tanto que o filme abre com uma cena em que a pessoa não sabe diferenciar o “a” do “o”.

Qual impacto de não saber ler e escrever na vida dessas mulheres?

Isso causa uma total exclusão da vida social. Se você pensar que hoje o mundo é cheio de grafias, palavras, coisas escritas, são pessoas que vão ter dificuldade inclusive de se locomover na cidade, pegar um ônibus. Isso afeta profundamente a auto-estima delas, a disputa no mercado de trabalho.

Não saber ler e escrever ainda é motivo de muita vergonha. Em sua grande maioria, elas passam muito tempo ludibriando os outros para que as pessoas não percebam que elas não sabem ler e escrever. 

Você vive como se fosse estrangeiro dentro do próprio país.

E qualquer emprego hoje exige um nível mínimo de escolaridade. Quem frequenta educação de jovens e adultos (EJA) hoje são catadores de sucata, de material reciclável; empregadas domésticas, muitas sem carteira assinada; ambulantes, o mercado informal.

E elas precisam conciliar as aulas com outros aspectos da vida adulta, como emprego, filhos…

Tudo depois de um dia de trabalhar. Passa o dia inteiro trabalhando como empregada doméstica e à noite tem que ir para uma escola mal iluminada, que tem uma série de problemas estruturais e psicológicos. Os professores desgastados, com mais de 60 horas semanais de trabalho. Para mim, eles são grandes guerreiros.

E para aprender algo básico, mínimo, é uma dificuldade muito grande. Se uma criança de 6 anos se alfabetizando já é difícil, imagina quando você tem 30, 40, 50 anos? Tanto que essa alfabetização não se dá em um ano. É um período longo. Tem pessoas que estão há 5 anos na mesma sala de aula, com o mesmo professor.

Tem uma questão de dependência com o professor também porque é a confiança. Elas estabelecem uma relação muito íntima. São os professores que estão dando essa liberdade para atuar em cima de algo que as envergonha, que as diminui. Então muitas não querem sair da própria sala para mudar de professor, por exemplo. Porque é como se fosse recomeçar.

Divulgação/Lanterninha Produções
"A gente viveu no Brasil uma pseudo-democracia racial e acho que a gente tem falar das coisas para pensar sobre elas. Senão, fica parecendo que elas não existem."

O filme aborda alguns temas como racismo, desigualdades social, acesso à educação, questões de gênero. Por que falar desses temas?
A gente vive numa sociedade que vem de um passado escravagista que ainda hoje é atualizado. A gente ainda não parou para revisar esse passado, para repará-lo. A gente viveu no Brasil uma pseudo-democracia racial e acho que a gente tem falar das coisas para pensar sobre elas. Se não, fica parecendo que elas não existem.

No filme, a gente tenta estabelece que tudo está interligado. O anafalbetismo com a herança escravagista. A maioria são negros, mulheres negras.

Não vamos salvar o Brasil pela educação se não resolvermos a questão da desigualdade social, de gênero, de classe. Não é um problema que deve ser atacado. São todos juntos. É necessário que falemos isso cada vez mais, ainda mais nos tempos de hoje em que essas falas estão sendo minimizadas, desprezadas.

As novas diretrizes curriculares do Conselho Nacional de Educação permitem que até 80% do tempo dos cursos de Educação para Jovens e Adultos (EJA) seja à distância. Que impacto essa medida pode ter? 

A gente já tem evasão escolar durante o ano porque são adultos e se não tem professor em sala de aula, não têm motivação para os alunos. A presença do professor é mais do que um replicador de conhecimento. É um amigo, psicólogo. É o motivador, o incentivador. Se formos cada vez mais para dentro das nossas casas, não vamos trocar. A sala de aula é um ambiente de troca, em que as pessoas se conhecem, se ajudam naquele momento e fora da sala de aula. E os professores são pilares nessa formação.

Em uma das reuniões conversando com o secretário de educação ele falou que é uma torneira aberta porque a evasão escolar das crianças já é muito grande. Então se tornam adultos que não sabem ler e escrever e, se a gente afastar essas pessoas ainda mais da escola, vai ficar mais difícil.

Existe uma classe social inteira que não sabe lidar com a organização do estudo. A classe média aprende desde pequena a trabalhar com dinheiro, organização, disciplina, mas numa classe social em que os pais não podem estar presentes porque passam a maior parte do tempo fora, não têm uma educação qualificada, deixar à própria sorte é aprofundar ainda mais as desigualdades. 

O documentário estreia em março no circuito comercial. Onde mais as pessoas poderão assistir ao filme?

A gente tem um trabalho de cineclubismo e, inclusive, o filme traz isso. São exibidos filmes durante o filme que são provocadores de debates. A distribuição comercial pede um tempo de exclusividade, mas com certeza o filme vai ser disponibilizado para universidades e salas de aula, como a gente já vem fazendo, exibindo nos espaços onde passamos. Algumas universidades já entraram em contato. Isso com certeza é um caminho que o filme vai percorrer. É um filme feito com patrocínio público e a gente acredita que precisa dar esse retorno.