ENTRETENIMENTO
22/06/2020 20:32 -03

'Pocahontas', 25 anos: A trágica história real que originou o desenho da Disney

O mundo mudou nessas mais de duas décadas, mas as questões subjacentes ao filme permanecem muito atuais.

Nesta terça (23), comemoramos o aniversário de 25 anos do lançamento de um dos clássicos da Disney: Pocahontas - O Encontro Entre Dois Mundos. O mundo mudou consideravelmente nessas mais de duas décadas, mas as questões subjacentes ao filme permanecem muito atuais.

O filme evoca lembranças pungentes para mim. Eu não o vi no cinema, mas assisti inúmeras vezes em VHS com meu então filho pequeno, em uma cabana remota no meio de uma charneca escocesa.

Pocahontas não foi o mais bem-sucedido dos principais lançamentos da Disney daquela época. Foi amplamente eclipsado por um filme que o estúdio considerava “menor” antes de ser lançado: O Rei Leão (1994). Mas é um dos poucos clássicos animados da Disney que tentou retratar uma história da “vida real”.

O relato da Disney sobre a história de Pocahontas foi uma mistura interessante de realidade e imaginação - tendendo muito mais a esse último em muitos aspectos. Claro que não esperamos que uma animação da Disney nos dê uma aula de história, mas o que eles dizem no filme - e como dizem - é de grande importância. Mesmo depois de todo esse tempo, não sei se me sinto à vontade com essa versão.

O enredo da protagonista feminina (a “princesa índia” Pocahontas) era bastante distinta em seu tempo, anterior a Elsa (de Frozen) e outras no seu retrato de uma jovem que optou por desafiar as expectativas dos homens ao seu redor. No entanto, ela se apaixona instantaneamente pelo primeiro europeu loiro alto (com a voz de Mel Gibson) que ela conhece.

Divulgação
Pocahontas e John Smith apaixonados na animação da Disney "Pocahontas - O Encontro Entre Dois Mundos".

O problema com o filme não era tanto o quão historicamente preciso era, mas o modo como lidava com o mais fundamental dos encontros da história americana: as primeiras interações entre o povo nativo e os colonos ingleses.

A história do capitão John Smith, Pocahontas e o assentamento de Jamestown, em 1607, não é o primeiro caso de encontro entre esses dois povos na América do Norte.

Uma colônia já havia sido tentada vinte anos antes, na Ilha Roanoke, a cerca de 150 quilômetros ao sul (no que é agora o litoral da Carolina do Norte). E é claro que os espanhóis estavam se estabelecendo no Novo Mundo há mais de um século, inclusive no continente da Flórida desde 1513. Além disso, um grupo de huguenotes [protestantes] franceses tentou, sem sucesso, criar um assentamento na Flórida na década de 1560 (que falhou devido à fome e um massacre espanhol).

O assentamento de Jamestown era distinto para os ingleses, na medida em que era sua primeira colônia de sucesso na América. O sucesso foi em grande parte devido ao apoio dado aos colonos pelos povos nativos, como havia acontecido anteriormente na Ilha Roanoke, apesar de várias tensões.

Os colonos ingleses teriam morrido de fome sem os suprimentos de comida que comercializavam da nação Powhatan. Tudo isso é anterior à ajuda nativa associada ao Dia de Ação de Graças, que geralmente está ligada ao assentamento de New England Plymouth, em 1621. De fato, o sucesso a longo prazo de Jamestown se deveu ao cultivo bem-sucedido de tabaco das Índias Ocidentais, que se tornou lucrativo. safra comercial para suprir esse novo hábito na Inglaterra e no continente.

E assim, Pocahontas (mais tarde conhecida como Rebecca, e também como Matoaka ou Matowa entre seu povo Powhatan) não foi a primeira nativa americana a entrar em contato com os ingleses, e provavelmente ela não foi a primeira a se tornar cristã ou mesmo a primeira a se relacionar com um colono inglês. Ela não se casou com John Smith, apesar das imagens populares de seu relacionamento com ele. E ela provavelmente tinha apenas dez anos quando os ingleses chegaram.

Mas ela se casou mais tarde com outro colono inglês, John Rolfe (o homem que desenvolveu o tabaco em Jamestown). Matoaka viajou para a Inglaterra com Rolfe em 1616, onde conheceu o rei James e a rainha Ana, antes de sua morte repentina, enquanto se preparava para voltar para casa.

Reprodução
Retrato de Matoaka/Rebecca feito na Inglaterra pouco antes da repentina morte da nativa americana no Reino Unido, em 1617.

Matoaka é uma das poucas mulheres nativas retratadas no início da história americana, e nesse aspecto, sua representação em um filme trouxe à tona muitas das contradições desajeitadas da fundação da América Britânica.

De fato, a animação dramatizou algumas dessas questões, dando voz (apesar de ser a Disney) às críticas, à ganância que motivou o assentamento, à destruição do meio ambiente pelos colonos, seus preconceitos em relação aos povos nativos, juntamente com os conflitos que surgiram entre eles. No entanto, sendo Disney, o filme não tentou nenhuma revisão histórica significativa e, em vez disso, tornou os negativos da colonização algo pessoal e não político.

Em suma, Pocahontas conseguiu retocar o genocídio dos índios por parte dos colonos britânicos e a apreensão de terras do povo nativo americano no interesse de uma narrativa pessoal de autodescoberta e amor mútuo. Obviamente, não foi a primeira ficção dramática do encontro europeu com o Novo Mundo a fazer isso, e não foi a última.

Dez anos após o lançamento de Pocahontas - O Encontro Entre Dois Mundos, Terrence Malick voltou a contar a história no épico O Novo Mundo (2005), estrelado por Colin Farrell (como John Smith), Q’orianka Kilcher (Matoaka) e Christian Bale (John Rolfe). Embora espetacularmente visual (e de fato filmado nas áreas originais em torno de Jamestown), este filme posterior foi narrativamente desafiador e, para mim, provou-se ser um típico caso de super valorização da estética em detrimento da substância.

Divulgação
Colin Farrell e Q’orianka Kilcher em cena de "O Novo Mundo".

Agora, 25 anos depois, o desafio lançado em Pocahontas deve ser encontrar novas maneiras de recontar essa velha história. Isso não deveria simplesmente despertar o interesse insaciável naquele período inicial, quando a terra aparentemente dócil da ‘Virgínia’ ofereceu aos ingleses (e outros europeus) maravilhosas perspectivas de expansão e desenvolvimento econômico.

Também tem de chegar a um acordo com os países e as pessoas que foram pisoteadas e saqueadas nesta colonização do Novo Mundo. Isso exige ir muito além da trivialidade dos retratos idealistas do desenho da Disney e das sobrevivências descaradamente racistas em nomes de equipes esportivas americanas como os Redskins (peles vermelhas) de Washington, Os Índios de Cleveland, os Blackhawks de Chicago e os Bravos de Atlanta.

Como argumentou o professor Cornel Pewewardy, um escritor de Comanche-Kiowa da Universidade de Portland:

“Vivemos em uma sociedade que sofre de amnésia histórica e achamos muito difícil preservar a memória daqueles que resistiram e lutaram ao longo do tempo pelas idéias de liberdade, democracia e igualdade. Os Estados Unidos sempre foram profundamente xenófobos em uma terra de relativa oportunidade.

O interesse dos brancos pelo índio americano aumenta e diminui com as marés da história dos Estados Unidos, sempre ligando os índios às florestas, campos e córregos indomáveis.

Precisamos revisar cuidadosamente nosso passado histórico para entender o presente, seguir para o futuro e não sermos apanhados e presos em velhos estereótipos negativos do passado da fronteira americana, congelados e reciclados como mitos culturais modernos - todos estabelecidos principalmente por inventores brancos sobre imagens indígenas.”

Em resumo, o conto de Pocahontas - que é da mulher Matoaka e da convertida Rebecca - não é uma história de amor, é uma tragédia de proporções épicas. Não apenas de uma jovem mulher que morreu aos 21 anos com um filho pequeno, a tragédia foi o que aconteceu nos séculos seguintes.

Para as Primeiras Nações da América, não houve final feliz ao estilo Disney.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.