6 dicas de terapeutas sexuais para esquentar o sexo a sós

Seja com a ajuda de vibrador ou simplesmente explorando zonas erógenas que merecem um pouco mais atenção, vale muito a pena dedicar tempo à masturbação.

Vamos falar a verdade: a masturbação pode acabar virando uma coisa um pouco rotineira. Fechamos a cortina, encontramos algo que nos agrada numa página, por mais tempo que isso possa levar, e vamos ao que interessa. Como se diz em inglês, wham-bam, thank you, ma’am.

Mas para quê tanta pressa? Sim, o tempo é uma coisa que muitas vezes está em falta, mas neste caso vale muito a pena curtir o momento sem pressa.

Educadores e terapeutas sexuais concordam.

“Muitas pessoas encaram a masturbação como um jeito de encontrar alívio rápido, e não como uma prática celebratória do prazer”, comentou Amy Baldwin, coach de sexo e relacionamentos e coapresentadora do Shameless Sex Podcast. “Mas se você investir mais na atividade, pode sentir prazer muito mais intenso e ter mais e melhores orgasmos.”

Se você parar para pensar no pouco que nos ensinaram sobre o assunto quando estávamos crescendo, faz todo sentido que a maioria de nós opte pela masturbação rápida. Talvez você tenha sido repreendido por tocar-se quando era criança, ou talvez seus pais nunca tenham falado com você sobre o que é a masturbação e o que ela implica. O assunto é pouco mencionado nas aulas de educação sexual.

Além de tudo isso, disse Baldwin, “muita gente aprendeu a se masturbar rapidinho quando era criança, com medo de mamãe ou papai entrarem no quarto”.

Por sorte, podemos aprender a abraçar uma versão de masturbação mais consciente, mais satisfatória.

“Como o cérebro é o maior órgão sexual, as pessoas podem aprender a retreinar o cérebro e o corpo para sentir prazer de maneiras novas”, diz Baldwin. “Quando começam a aprender sobre masturbação intencional, muitas pessoas passam a ter sensações intensificadas, incluindo prazer mais intenso e mais e melhores orgasmos.”

“Isso é porque a masturbação intencional muitas leva a mais conexão com o corpo, e muita coisa pode acontecer quando estamos plenamente presentes para todas as sensações”, explica.

Soa mais gostoso do que o cenário do tipo rapidinha que descrevemos antes, não? A seguir, especialistas como Amy Baldwin, trazem suas recomendações para quem quiser levar o sexo solo ao próximo nível.

<i>Para terapeutas sexuais, a masturba&ccedil;&atilde;o merece ser celebrada tanto quanto o sexo com um parceiro.&nbsp;</i>
Para terapeutas sexuais, a masturbação merece ser celebrada tanto quanto o sexo com um parceiro. 

Entre no clima. Crie um clima sensual para você

Crie um clima propício antes de colocar mãos à obra, recomendou Baldwin. Ela própria, quando está com tempo e o desejo de entrar em sintonia com seu corpo e sua sensualidade, segue um processo longo para criar a vibe desejada e tornar a masturbação mais especial.

“Eu deixo a iluminação bem suave e indireta – curto especialmente uma iluminação vermelha. Coloco uma música sexy para tocar, danço nua na frente do espelho e deixo minhas mãos percorrer todo meu corpo, até chegarem à minha área genital. Ali, eu me demoro para curtir cada sensação. Esse processo todo pode levar de 20 minutos a uma hora.”

Preste atenção a seu corpo e explore novas zonas erógenas

Se você costuma se masturbar rapidamente, já deve ter descoberto o jeito mais fácil de se dar um orgasmo. E não há nada de errado nisso. Uma rapidinha te relaxa e te enche de endorfinas.

Mas vale muito a pena ir muito mais devagar e tentar realmente se sintonizar com seu corpo, disse Sari Cooper, terapeuta sexual e diretora do Center for Love and Sex, em Nova York.

“Ou seja, dar-se o tempo de se sintonizar com seu corpo, fazendo respirações profundas que partem do baixo ventre e conscientizando-se de cada parte de seu corpo, sentindo as sensações de cada uma”, diz. “Significa tocar seu próprio corpo em todas suas zonas erógenas, para despertar cada uma delas.”

Brinque com partes de seu corpo que você normalmente não toca, e ao mesmo tempo curta suas fantasias, assista a conteúdos pornô, leia textos eróticos ou ouça aplicativos eróticos. É preciso estimular-se para intensificar a excitação, disse Cooper.

“Note as novas sensações ou ideias que vão e vêm lentamente. Isso é normal. Nem toda experiência sexual é uma trajetória que conduz diretamente ao orgasmo”, explica. “Dê-se o tempo necessário para ir intensificando a excitação.”

<i>Brinque com partes de seu corpo que voc&ecirc; normalmente n&atilde;o toca, e ao mesmo tempo curta suas fantasias.</i>
Brinque com partes de seu corpo que você normalmente não toca, e ao mesmo tempo curta suas fantasias.

Brinque um pouco com seu vibrador

Talvez você esteja fazendo as coisas digitalmente ou com seu travesseiro. Mas se você tiver um vibrador, não o use sempre em apenas uma potência ou modo. Brinque com todos os modos – é para isso que eles existem!

“Eu também recomendo usar o vibrador em outras partes do seu corpo, além dos genitais”, diz Heather McPherson, terapeuta de casais e sexual que trabalha com grupos em Austin e Denver na Respark Therapy. “Provavelmente lhe levará um pouco mais tempo para chegar ao orgasmo. Tudo bem. Dê-se esse tempo, relaxe e curta. O objetivo é explorar todas as maneiras diferentes de sentir prazer.”

McPherson disse que para os indivíduos de identificação masculina, brincar com vibrador pode não ser uma de suas prioridades. Mas existem no mercado ótimos brinquedos sexuais também para pessoas que têm pênis.

Pense na possibilidade de usar um brinquedo sexual não vibratório.

“Pode ser um dildo de vidro, um anel peniano ou um plug anal. Tenha paciência com você mesmo ao experimentar um brinquedo novo”, recomenda. “O objetivo é explorar maneiras novas de se dar prazer.”

Não pense que tem a obrigação de ter um orgasmo

Simplesmente curta plenamente, sem julgamento nem sentimento de culpa.

Como é o caso com o sexo a dois, o orgasmo não deve ser o objetivo único e absoluto. Quando você torna o sexo a dois ou a sós tão voltado para um objetivo, acaba perdendo a alegria. Praticar masturbação com atenção consciente significa abordar a experiência com curiosidade, abertura de espírito e sem atitude julgadora, disse a psicóloga e terapeuta sexual Janet Brito, de Honolulu.

“Em vez de se deixar levar no ciclo do desempenho sexual, que tende a levar a sentimentos de ansiedade, pressão e de não estar à altura do que se espera, permita-se simplesmente curtir seu próprio prazer”, aconselha. “Fazer simplesmente por fazer é uma tarefa, algo a ser desempenhado.”

Em vez disso, ela aconselha: “Pratique uma masturbação mais atenta e consciente, que lhe permite entrar em sintonia com você mesma, aprender como se dar prazer, se tranquilizar, nutrir sua alma e seu corpo”.

Nestes tempos altamente estressantes que andamos vivendo, pode ser o caso de encarar a masturbação como uma parte necessária de sua rotina de autocuidados.

<i>Nestes tempos altamente estressantes que andamos vivendo, pode ser o caso de encarar a masturba&ccedil;&atilde;o como uma parte necess&aacute;ria de sua rotina de autocuidados.</i>
Nestes tempos altamente estressantes que andamos vivendo, pode ser o caso de encarar a masturbação como uma parte necessária de sua rotina de autocuidados.

Curta o clímax ao máximo

Se você acabar gozando, dê-se o tempo necessário para se deleitar com as sensações que vêm depois do orgasmo, disse Cooper. Simplesmente se renda ao prazer.

“Às vezes há vibrações posteriores altamente prazerosas, se relaxarmos e prestarmos atenção”, ela disse.

Lembre-se de uma coisa: se você souber se masturbar bem, o sexo a dois também ficará melhor

Em última análise, você vai se divertir muito mais com a masturbação se deixar de pensar nela como a priminha menos importante do sexo com um parceiro. No livro The Ethical Slut: A Practical Guide to Polyamory, Open Relationships, and Other Freedoms in Sex and Love, a psicoterapeuta Dossie Easton recomenda aos leitores virarem do avesso as ideias mais tradicionais sobre masturbação.

“Escreva no seu espelho: as pessoas sexualmente bem sucedidas se masturbam”, ela diz. “Você não está se masturbando porque é uma fracassada, porque não consegue encontrar ninguém com quem transar ou porque está louca para gozar. Está fazendo amor com você mesma porque você merece sentir prazer e porque brincar com você mesma lhe dá prazer.”

É uma ótima maneira de encarar a coisa, mesmo que você ache a frase “fazendo amor” sentimental demais ou repulsiva. Deixando o palavreado de lado, Easton tem toda razão no que está dizendo: o sexo solo é sobre priorizar a si mesma e a seu próprio prazer e sobre amar seu próprio corpo.

É uma oportunidade de colocar a você mesma em primeiro lugar e ser totalmente egoísta por uma vez na vida, disse Cooper.

“A ênfase em se dar o tempo necessário para se dar uma experiência sexual maravilhosa é um ato de amor”, ela disse. “Uma rapidinha pode ser uma coisa amorosa, dependendo da intenção. Se for feito apenas para você se ajudar a pegar no sono ou soltar as tensões, tudo bem também.”

E se você ainda estiver com o sexo a dois na cabeça, anime-se: o sexo a sós também é bom para isso. Se você sabe se dar prazer, conhece os tipos de toques e estímulos que você curte, terá experiências sexuais muitíssimo melhores com parceiros, disse McPherson, porque poderá lhes mostrar o que quer.

“A masturbação intencional e voltada ao prazer pode realmente lhe levar a sentir mais confiança em seu amante ou parceiro futuro”, diz. “A masturbação feita com atenção consciente te ajuda a ir com calma e se deleitar com a prática, em vez de simplesmente buscar um orgasmo a jato.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.