POLÍTICA
02/02/2019 20:23 -02

Novo presidente do Senado, Davi Alcolumbre salvou Aécio Neves

Apoio que aliado de Onyx Lorenzoni conseguiu fez Renan Calheiros desistir no meio da disputa.

Agência Brasil

O título de aliado do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, é uma das principais credenciais do senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), que venceu, neste sábado (2) a disputa pela presidência do Senado.

A esposa do braço-direito do presidente Jair Bolsonaro trabalhou como assessora parlamentar do democrata.

Nascido em Macapá (AP) em 19 de junho de 1977, o parlamentar iniciou o curso de Ciências Econômicas no Centro de Ensino Superior do Amapá (Ceap), mas não concluiu. Entrou para a política em 2001, como vereador em sua cidade natal, pelo PDT, partido de Ciro Gomes e integrante da oposição ao governo de Jair Bolsonaro.

Alcolumbre foi para Brasília em 2002, eleito deputado federal. Considerado do baixo clero, renovou o cargo nas duas eleições seguintes e foi escolhido para o Senado em 2014. Em 2018, foi derrotado na disputa pelo governo do Amapá.

Como senador, salvou o colega Aécio Neves (PSDB-MG) duas vezes. Em julho de 2017, votou contra a cassação do tucano no Conselho de Ética da Casa. Em outubro do mesmo ano, votou a favor da manutenção do mandato do parlamentar, derrubando decisão do STF (Supremo Tribunal Federal). 

Agência Btrasil
Davi Alcolumbre é abraçado por colegas após vitória no Senado.

Distante da cúpula do poder no Senado, o democrata usou sua posição como único remanescente da Mesa Diretora da legislatura anterior para conquistar o comando da Casa. Isso porque o regimento prevê que o senador nesse cargo presida a sessão para a eleição do próximo presidente.

Coube a Alcolumbre colocar em votação o questionamento para acabar com o voto secreto, que beneficiava seu principal opositor, o favorito Renan Calheiros. Por 50 votos contra 2, os senadores optaram pelo voto aberto.

O regimento da Casa prevê voto secreto, mas parte dos parlamentares defendeu ser possível uma interpretação para que fosse aberto. Senadores anti-Renan acreditavam que colegas ficariam constrangidos em votar em um senador alvo de inquéritos no STF (Supremo Tribunal Federal). Nas redes sociais, opositores a Renan usaram a tag #VotoAbertoSimRenanNão como forma de pressão.

A manobra foi contestada pelo alagoano e seus aliados, diante da intenção de Alcolumbre também concorrer à presidência da Casa. No momento, ele ainda não era candidato oficialmente. A senadora Kátia Abreu (PDT-TO) chegou a tomar os papéis da mão do democrata.

No fim da noite de sexta (1º), a sessão foi suspensa e a votação empurrada para este sábado (2). Na madrugada de sábado, no entanto, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, acatou reclamação do Solidariedade e o MDB e decidiu que a eleição para o Senado seria fechada

Diante da mudança, apoiadores de Alcolumbre decidiram anunciar os votos abertamente antes de depositá-los na urna. 

Renan chegou a ameaçar judicializar o processo por ser, segundo ele, a primeira vez que os senadores anunciam um voto que deveria ser fechado. O senador, contudo, optou por renunciar à candidatura, em meio à votação, ao perceber a grande adesão a Alcolumbre. 

O democrata recebeu 43 votos, Renan - que além de renunciar, não votou -, 5.