MULHERES
19/10/2020 19:23 -03 | Atualizado 19/10/2020 19:48 -03

Damares defende 'cadeia imediatamente para Robinho' por condenação em caso de estupro

Jogador foi condenado por caso de violência sexual na Itália, mas recorre e diz ser inocente. Após pressão, Santos rescindiu contrato com jogador na última sexta-feira (16).

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, defendeu nesta segunda-feira (19) punição imediata ao jogador de futebol Robinho, que foi condenado em primeira instância na Itália em caso de estupro. Na última sexta-feira (16), após repercussão negativa e pressão de patrocinadores, o Santos suspendeu o contrato com o jogador.

Em conversa com jornalistas após cerimônia presidencial no Palácio do Planalto, a ​ministra afirmou que sabe que ainda cabe recurso da decisão, que é de 2017, mas disse acreditar que os áudios que foram divulgados pela imprensa no último fim de semana deixam claro o envolvimento de Robinho. Segundo ela, o cumprimento da pena para o jogador deve ser imediato.

“Cadeia, imediatamente. Eu não tenho outra palavra para falar. Ainda cabe recurso, mas o vazamento dos áudios, gente. Querem mais o quê? Cadeia. Nenhum estuprador pode ser aplaudido. O cara quer voltar para o campo para posar como herói?”, questionou Damares. 

A ministra parabenizou o Santos por ter suspendido o contrato com o atleta após repercussão negativa e reação de patrocinadores e disse que “este é um crime que não merece nenhuma consideração ao abusador.”

FABRICE COFFRINI via Getty Images
Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, pede punição imediata a Robinho.

“O clube já reviu. Parabéns ao Santos por ter rescindido. Parabéns. Eu sei que ainda cabe recurso lá, mas eu acho que está muito claro. O vazamento dos áudios está muito claro. A forma como chegou a nós”, disse.

“Para todo mundo entender: esse é um crime que não merece nenhuma consideração ao abusador, ao estuprador. A gente não tem de fazer concessão com esse tipo de crime. Tem de cumprir a pena que é estabelecida, ou lá ou aqui, imediatamente”, concluiu a ministra.

Pouco antes de rescindir o contrato com o clube brasileiro, um áudio do jogador enviado a amigos, em que ele se dizia perseguido, veio a público.

Robinho afirmou que estava sendo alvo de perseguição por parte da TV Globo, que divulgou áudios dos autos do processo da Itália que serviram de base para sua condenação, e se comparou com o presidente Jair Bolsonaro, afirmando que faria uma homenagem a ele quando entrasse em campo novamente.

“Vou meter uma camisa quando fizer gol: ‘Globo lixo, Bolsonaro tem razão’”, diz o jogador. 

Após pressão de patrocinadores, Santos suspendeu contrato

Nigel Roddis / Reuters
Robinho, 36, começou sua carreira no Santos antes de estrelar Real Madrid, Manchester City e AC Milan, entre outros clubes.

Santos e Robinho decidiram na sexta-feira (16) suspender o acordo que trouxe o ex-jogador do Real Madrid de volta ao Brasil, depois que patrocinadores ameaçaram cortar contratos com o clube por assinar com o atleta, que é condenado por estupro na Itália, em caso que ocorreu em 2014. 

“Santos e Robinho resolveram, de comum acordo, suspender o contrato assinado no dia 10 de outubro para que o jogador se concentre exclusivamente na defesa da quadra na Itália”, disse o clube em comunicado no Twitter.

Robinho, 36, começou sua carreira no Santos antes de estrelar Real Madrid, Manchester City e AC Milan, entre outros clubes. Ele assinou um contrato de curto prazo na semana passada para retornar ao Santos para uma quarta passagem que o levaria até a final da temporada do campeonato brasileiro.

No entanto, primeiro os fãs e depois os patrocinadores expressaram indignação com a assinatura por causa do caso no tribunal italiano. Robinho foi considerado culpado pelo crime de estupro em 2017 e condenado a nove anos de prisão. Ele recorreu e o caso ainda está aberto.

“Aos fãs do Santos e às pessoas que gostam de mim, tenham certeza de que vou provar minha inocência para vocês”, disse um Robinho visivelmente inquieto em uma mensagem de vídeo divulgada no Instagram na sexta-feira.

Pouco depois de rescindir o contrato, em entrevista ao UOL, Robinho disse, novamente, ser inocente, afirmou que a relação foi com o consentimento da vítima e que áudios incluídos no processo e divulgados pela imprensa foram tirados de contexto.

Em conversa divulgada pelo Globo Esporte, realizada em janeiro de 2014 e gravada com autorização da Justiça italiana, Robinho afirmou que “tentou transar” com a jovem albanesa; ao ser contestado sobre ter praticado sexo oral, Robinho rebateu, dizendo que “isso não significava transar.”

“Eles traduziram muita coisa fora de contexto. Na verdade, isso faz muito tempo. Em conversas de WhatsApp, a gente fala, mas nunca com falta de respeito, por desrespeitar as mulheres. Eles falaram que homens conversam entre si, que teve relação sexual com a mulher, com consentimento dela, porque ela quis, exatamente isso”, disse Robinho ao UOL.

O jogador também atacou o movimento feminista. “Infelizmente, existe esse movimento feminista. Muitas mulheres às vezes não são nem mulheres, para falar o português claro”, disse ao site. 

O atleta afirmou que seu único arrependimento em todo o caso foi a traição a sua esposa, Vivian, com quem está desde 2009 e tem três filhos. “Eu me arrependo de ter traído a minha esposa. Esse é meu arrependimento.”

Decisão do Tribunal de Milão, que ocorreu em novembro de 2017, ainda não é definitiva e foi contestada pelas defesas do jogador. A corte iniciará a análise do processo, em segunda instância, no próximo dia 10 de dezembro. O também jogador brasileiro Ricardo Falco, é o outro acusado no mesmo crime; sua defesa, assim como a de Robinho, também apresentou recurso.