NOTÍCIAS
05/03/2019 16:41 -03 | Atualizado 05/03/2019 18:57 -03

Cura do HIV é alcançada em 2º paciente e dá esperança à epidemia global de Aids

Caso se torna público 12 anos após a cura de Timothy Ray Brown, 1º homem livre da Aids.

Reuters
“Não existe vírus ali que consigamos medir. Não conseguimos detectar nada”, disse o cientista Ravindra Gupta à revista Nature.

Pela segunda vez, desde o início da epidemia global de Aids, um paciente soropositivo parece ter sido curado da infecção por HIV, vírus que causa a doença. Este é segundo caso de sucesso. Há 12 anos, Timothy Ray Brown, chamado de “paciente de Berlin”, foi o 1º paciente livre da doença.

Há muitos anos cientistas e pesquisadores tentam reproduzir o sucesso da cura de Brown, mas métodos são perigosos e já falharam em outros pacientes. A notícia que pode revolucionar o tratamento foi divulgada nesta terça-feira (5) pela revista científica norte-americana Nature.

O paciente, identificado apenas como “paciente de Londres”, recebeu há três anos células-tronco da medula óssea de um doador com uma mutação genética rara que resiste à infecção do HIV. O uso dos remédios retrovirais foi interrompido e cerca de 18 meses depois, exames não mostram a infecção.

“Não existe vírus ali que consigamos medir. Não conseguimos detectar nada”, disse Ravindra Gupta à revista. Ele é professor e biólogo especializado em HIV que coliderou a equipe de médicos que trata o paciente em questão.

A cura de Timothy Ray Brown

Timothy foi diagnosticado positivo para o HIV em 1995, um ano antes do surgimento do coquetel antirretroviral, quando ainda vivia em Berlim, na Alemanha.

Em 2006, foi diagnosticado com outra doença, em nada relacionada com o HIV: leucemia mielóide aguda, enquanto ainda morava em Berlim. A partir dessa doença, ele foi submetido a um tratamento e foi curado da Aids.

Leia entrevista feita com ele em 2016, pelo Jovem Soropositivo e publicada no HuffPost Brasil.

 

Mas Gupta pondera ao afirmar que ainda não é possível dizer que o paciente está curado. Segundo ele, “isso só pode ser demonstrado se o sangue do paciente permanecer livre de HIV por mais tempo”. No estudo, ele descreveu o paciente como “funcionalmente curado” e “em remissão”.

A revista Nature informa que, até agora, o organismo do paciente está respondendo de forma semelhante ao de Timothy Brown. Diagnosticado com HIV em 2003, o “paciente de Londres” desenvolveu um tipo de câncer no sangue que não respondia à quimioterapia ― assim como “paciente de Berlin”. Ambos necessitaram de um transplante, no qual células foram destruídas e substituídas por células-tronco transplantadas de um doador saudável.

Mas, ainda segundo a Nature, o novo paciente recebeu um tratamento um pouco mais leve que o feito anteriormente, para se adaptar melhor ao transplante. Junto com a quimioterapia, foi aplicada um outro tipo de droga que atinge células cancerosas. Enquanto Brown recebeu radioterapia em todo o corpo, além de um medicamento de quimioterapia.

A cura é possível?

Por mais Ravindra Gupta tenha ponderado e outros especialistas se refiram ao caso como “remissão de longo termo” e não garantem que o vírus não irá retornar, outros especialistas classificaram a notícia como “cura”. 

“Isso vai inspirar as pessoas que a cura não é um sonho”, disse Annemarie Wensing, virologista do Centro Médico da Universidade de Utrecht, na Holanda, ao NY Times. ”É alcançável. Sinto-me responsável por ajudar os médicos a entender como isso aconteceu para que eles possam desenvolver ciência.”

Os números da Aids no Brasil e no mundo

O Ministério da Saúde estima que cerca de 866 mil pessoas vivam com HIV/Aids no Brasil, sendo 731 mil já diagnosticadas. Até setembro de 2018, 585 mil estavam em tratamento e recebiam os antirretrovirais pelo SUS. O investimento destinado para o departamento de HIV/Aids em 2018 foi de R$ 1,7 bilhão. Os recursos vêm integralmente dos cofres da União.

Cerca de 37 milhões de pessoas em todo o mundo estão infectadas com HIV, e a pandemia de Aids já matou cerca de 35 milhões de pessoas em todo o mundo desde que surgiu nos anos 1980.

Pesquisas científicas sobre o vírus complexo feitas nos últimos anos levaram ao desenvolvimento de combinações de remédios que podem controlá-lo na maioria dos pacientes. O sucesso surpresa agora confirma que a cura para H.I.V. infecção é possível, mesmo que difícil.

Também no HuffPost Brasil:
Galeria de Fotos 17 doenças raras e estranhas estudadas pela ciência Veja Fotos