NOTÍCIAS
21/02/2020 15:20 -03

Ceará tem escalada de assassinatos com policiais de braços cruzados

Número de mortos em 48 horas chega a 51. Sem segurança, municípios cancelam festa de Carnaval.

A greve de policiais e bombeiros militares por aumento de salário no Ceará refletiu no número de assassinatos no estado. Em 48 horas, foram registradas 51 mortes. Dá mais de uma por hora. Segundo dados do G1, a média de homicídios no estado este ano era de 6 por dia.

Policiais estão amotinados, ocupando batalhões e esvaziando pneus de carros da PM. A segurança está nas mãos da Força Nacional e do Exército. Os manifestantes estão irredutíveis, mesmo depois de reuniões com lideranças do estado.

Eles querem aumento salarial imediato de R$ 3,2 mil para R$ 4,9 mil. O governo propõe chegar a R$ 4,5 mil, mas de forma progressiva até 2022.

A gestão do governador Camilo Santana (PT) elevou o tom e diz que não anistiará os envolvidos nos protestos. “Anistia para quem fizer motim na polícia é inegociável”, diz o governador.

De acordo com a legislação vigente, “ao militar são proibidas a sindicalização e a greve”. Uma lei federal, no entanto, os anistiou duas vezes. Uma no governo de Dilma Rousseff (PT) e outra no de Michel Temer (MDB).

A situação levou pelo menos oito municípios a cancelarem as festas de Carnaval, com o argumento de que não são capazes de manter a segurança. De acordo com o Diário do Nordeste, as cidades são: Paracuru, Milagres, Canindé, Paraipaba, General Sampaio, Horizonte, São Luís do Curu e Forquilha.

“Em virtude dos últimos acontecimentos envolvendo a Segurança Pública, onde foi deflagrado movimento grevista por parte da Polícia Militar, ainda, diversas ações criminosas contra o patrimônio público e privado, o Governo Municipal de Milagres, primando pelo bem estar e segurança da população, resolve cancelar o evento carnavalesco”, informou a prefeitura de Milagres.