COMPORTAMENTO
24/02/2019 01:00 -03

Querida ansiedade, você não vai atrapalhar o meu relacionamento

Terapeutas compartilharam 6 orientações para manter sua ansiedade sob controle no início de um relacionamento e à medida que ele avança.

Klaus Vedfelt via Getty Images
Manter ansiedade sob controle é fundamental para o equilíbrio em uma relação.

Quando você está saindo com alguém, no começo de um relacionamento, a ansiedade pode te atrapalhar.

Ela o leva a analisar exaustivamente e excessivamente tudo que você fala nos encontros – quando você não cancela no último minuto.

Depois da fase dos encontros casuais, nem sempre as coisas melhoram: você quer se comprometer com a outra pessoa, mas teme que sua ansiedade possa sabotar um relacionamento que, tirando isso, tem tudo para ser maravilhoso.

Mas não precisa obrigatoriamente ser assim. Terapeutas compartilharam 6 orientações para manter sua ansiedade sob controle no início de um relacionamento e à medida que ele avança.

Pratique a vulnerabilidade em etapas. 

Intimidade de verdade é deixar alguém entrar em seu coração e acessar partes suas que você esconde do resto do mundo. Quando você tem ansiedade, porém, talvez receie que expor aquele seu lado complicado, verdadeiro, não tão bonitinho assim, possa fazer a pessoa amada gostar menos de você.

Não se deixe levar por esse tipo de pensamento. Se a pessoa o ama de verdade, vai amar todos seus lados.

“Além disso”, disse a psicóloga Stacey Rosenfeld, “não é preciso compartilhar seus sentimentos mais profundos e sombrios todos de uma vez. Vá se expondo aos poucos. Pratique exercícios com seu companheiro em que você se deixa vulnerável perante ele pouco a pouco; à medida que a confiança entre vocês 2 for crescendo, você pode ir aumentando a vulnerabilidade. Com a exposição crescente, seu medo de se mostrar vulnerável deve ir diminuindo.”

Comunique suas expectativas com clareza.

MoMo Productions via Getty Images
Comunicação é fundamental para um relacionamento saudável.

Você não quer ficar constantemente pedindo ao outro que o tranquilize, mas se há alguma coisa que o incomoda constantemente, não deixe de mencionar. 

Qualquer pessoa que sofre de ansiedade já teve pensamentos repetitivos indesejados, aqueles pensamentos dos quais parece que você não consegue escapar, mesmo que saiba que não têm fundamento.

Esse tipo de pensamento é especialmente prejudicial aos relacionamentos. Por exemplo, talvez sua namorada não lhe telefone algumas noites, como faz geralmente. Dominado por esses pensamentos repetitivos, você imagina que ela já esteja farta de você, quando na realidade ela está sobrecarregada, terminando um projeto no trabalho ou estudos.

Você não quer ficar constantemente pedindo que sua companheira o tranquilize, mas se há alguma coisa que o incomoda o tempo todo, não deixe de falar disso. Diga: “sei que você anda muito ocupada, mas é importante para mim que você me ligue à noite. Quando não tenho notícias suas, fico pensando que você está cansada de mim”.

“A pessoa que tem ansiedade fica repassando coisas na cabeça”, explicou a psicóloga Jenny Yip, de Los Angeles. “Geralmente as pessoas com ansiedade ficam imaginando que está acontecendo o pior. Em vez de fadar seu relacionamento ao fracasso, deixe claro desde o início quais são suas expectativas. Assim sua mente não precisará ficar sempre ocupada com as piores hipóteses.”

Diferencie seu “eu ansioso” de seu “eu verdadeiro”.

[Ele: casa comigo?

Eu: você está bravo comigo?]

Um sábio disse certa vez no Twitter: “A ansiedade não passa de teorias conspiratórias sobre você mesmo”. Não deixe que esse diálogo interno negativo sabote seus relacionamentos. Em vez de dar ouvidos à sua voz interior ansiosa, ouça sua voz verdadeira, aconselhou a psicoterapeuta Jennifer Rollin, de North Potomac, Maryland.

“Seu ‘eu ansioso’ pode lhe dizer coisas do tipo: ‘Se você se abrir com ele e lhe contar sobre sua ansiedade e o fato de estar fazendo terapia, ele vai terminar com você ou achar que você é instável’. Isso porque, quando você tem ansiedade, sua mente muitas vezes apresenta cenários que não têm base na realidade. Às vezes é útil fazer o seguinte treino: responda à voz de sua ansiedade com a voz de seu ‘eu verdadeiro’.”

Se seu eu verdadeiro falasse, provavelmente diria algo muito mais reconfortante, tipo “fazer terapia não quer dizer que você seja louca, quer dizer apenas que você está tomando medidas pró-ativas para tornar-se a melhor pessoa possível”.

“No pior cenário possível”, disse Rollin, “se seu companheiro realmente pensa que o fato de fazer terapia quer dizer que você é desequilibrado, isso revela muito sobre ele e nada sobre você. Você merece estar com uma pessoa que não a julgue”.

Aceite que você não pode controlar tudo que seu parceiro faz.

Maskot via Getty Images
Parar de controlar tudo reduz o nível de ansiedade.

Administrar sua ansiedade significa também abrir mão da necessidade de controlar coisas que estão totalmente fora de seu controle – entre elas alguns dos hábitos mais irritantes de seu companheiro.

Talvez você se aborreça porque seu namorado passa metade de seus domingos assistindo futebol com seus amigos, mas leve na esportiva: você não pode deixar que sua ansiedade ameace a autonomia da pessoa amada no relacionamento.

“As pessoas ansiosas muitas vezes querem controlar uma situação, mas isso nem sempre é possível”, comentou Yip. “Você pode comunicar à outra pessoa o que gostaria que ela fizesse, mas se seu desejo não é cumprido exatamente como você imaginava, isso não quer dizer que você tenha um companheiro insatisfatório. É preciso respeitar a individualidade de seu companheiro. Afinal, vocês não são gêmeos siameses.”

Fale de sua ansiedade e de como você geralmente a expressa. 

[Avançar etapas é ter um ataque de ansiedade diante de seu namorado pela primeira vez] 

Sua ansiedade não é algo que você precise combater sozinho. Abra-se com seu companheiro e lhe conte como a ansiedade tende a se manifestar. Por exemplo, talvez sua ansiedade social leve você a transpirar e ficar vermelho.

É você mesmo quem precisa aprender as melhores maneiras de se tranquilizar. Mas reconforte-se sabendo que seu companheiro pode ser um aliado que pode ajudá-lo a manter a calma em momentos de estresse.

“Às vezes a ansiedade se intensifica quando tentamos escondê-la, por medo de como os outros vão reagir”, disse Rosenfeld. “Explique a seu companheiro como é sua ansiedade. Isso vai aliviar o estresse adicional de tentar ocultar seus sintomas. Ser franco e direto sobre qualquer ansiedade ou inseguranças às vezes pode ajudar a desativar essas situações.”

Defina algumas regras para as discussões.

Todos os casais às vezes discutem, mas desentendimentos e o que ocorre depois deles podem ser especialmente estressantes para pessoas com ansiedade, disse Yip.

“Digamos que vocês têm uma briga e seu companheiro sai da sala. Para a maioria das pessoas isso será irritante, mas uma pessoa que sofre de ansiedade tem muita dificuldade em lidar com a incerteza provocada pelo fato de o companheiro se afastar”, explicou a psicóloga.

Pensando nisso, vocês podem definir algumas regras para as discussões, para ajudar a manter sua ansiedade sob controle. Talvez vocês possam definir que se uma discussão esquentar demais, vocês a interrompem e adiam, mas apenas se puderem retomar a discussão 24 horas mais tarde.

“Decidam juntos e com antecedência quais são as regras, para que haja uma estrutura e um plano”, falou Yip. “Isso vai ajudar as pessoas com ansiedade a saber que haverá um passo seguinte.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.