COMPORTAMENTO
11/11/2019 05:00 -03

Corrida: Praticar qualquer quantidade do esporte previne a morte precoce

Pesquisa demonstra melhorias substanciais na saúde e na longevidade da população atreladas à prática da atividade.

Caiaimage/Robert Daly via Getty Images
Praticar só um pouco de corrida leva à longevidade.

Não precisa ser muito rápido, muito menos atingir longas distâncias. O fato é: se mais pessoas começarem a correr, teremos melhorias substanciais na saúde e na longevidade da população. A conclusão é da mais recente pesquisa publicada na revista acadêmica British Journal of Sports Medicine.

Muito se fala sobre os benefícios da corrida para evitar o risco de morte precoce — principalmente por doenças cardiovasculares.

Mas para tentar compreender com mais clareza esses efeitos, os pesquisadores analisaram as pesquisas mais relevantes publicadas sobre o tema, assim como uma ampla gama de bancos de dados acadêmicos. 

Eles encontraram 14 estudos principais, que envolveram 232.149 pessoas. Elas foram acompanhadas por cerca de 35 anos e, durante esse período, 25.951 dos participantes do estudo morreram.

Após a análise dos dados, a conclusão é de que qualquer quantidade de corrida está associada a um risco 27% menor de morte para ambos os sexos.

Ainda, a corrida também foi associada a um risco 30% menor de morte por doenças cardiovasculares e a um risco 23% menor de morte por câncer.

Mas como seriam essas pequenas doses? Por exemplo, praticar a atividade uma vez por semana, com duração inferior a 50 minutos por vez e a uma velocidade menor do que 8 km por hora.

Ou seja, não é preciso ser um maratonista nem mesmo morar na academia para melhorar a sua saúde e condicionamento.

Por outro lado, aumentar a “dose” não quer dizer que você vai trazer mais benefícios a sua saúde, mostrou a análise. Para entender como anda o seu condicionamento físico, e quais são os seus limites, é preciso buscar ajuda de um profissional. 

Em resumo, os pesquisadores sugerem que qualquer quantidade de corrida é melhor do que nenhuma.

“O aumento das taxas de participação na corrida, independentemente de sua dose, provavelmente levará a melhorias substanciais na saúde e longevidade da população”, conclui o estudo.