O novo coronavírus e alguns fatos para lembrar quando você entrar em pânico

Cuidar de você mesmo neste momento é uma prioridade e é algo que está ao seu alcance.

Os especialistas ressaltam que o bom preparo, e não o pânico, é crucial para fazermos frente à pandemia do novo coronavírus. Mais fácil dizer do que fazer, não é mesmo?

Pode ser difícil manter a calma diante da enxurrada de notícias sobre a covid-19 e os temores em relação a grupos de alto risco, licença médica e o sistema de saúde. Sem falar que qualquer sintoma de gripe, como coriza, desencadeia ansiedade, e estamos há um tempo assistindo a mudanças profundas no nosso cotidiano, trabalho e deslocamentos.

Diante de tantas incertezas, é absolutamente normal sentir-se preocupado e assustado neste momento.

Mas os especialistas têm razão quando dizem que é preciso controlar a ansiedade. E uma das melhores maneiras de administrar nossa ansiedade no momento é termos uma visão mais ampla e comedida da situação.

Relembramos a seguir algumas informações que estão sendo divulgadas por toda a imprensa desde o começo da pandemia. Salve este link e se a ansiedade for grande, dê uma olhada nestas orientações de especialistas sobre como administrá-la em torno do coronavírus.

As pessoas se recuperam da covid-19

O instituto Harvard Health, sim da Universidade de Harvard, informa que “a maioria das pessoas que adoecem com a covid-19 se recupera da doença”.

De acordo com mapa interativo da Universidade Johns Hopkins, mais de 6,7 milhões de pessoas em todo o mundo foram infectados pelo coronavírus e destas 2,9 milhões já se recuperaram.

Muitas pessoas que contraem a doença têm apenas sintomas leves

Os casos de covid-19 podem variar de leves a graves, segundo especialistas. Algumas pessoas podem contrair o vírus e ficar assintomáticas.

Sempre lembrando, os sintomas podem incluir “febre acima de 38 graus, tosse, mal-estar e, ocasionalmente, náusea e diarreia. Nos casos mais graves ocorre falta de ar, dor no peito e pneumonia”, disse ao HuffPost a Dra. Linda Anegawa, internista da plataforma de saúde virtual PlushCare.

A recomendação dos médicos desde o começo da pandemia é tratar os sintomas com remédios para baixar a febre, além de repouso e tomar muita água.

O vírus provavelmente não é transmitido por alimentos

É o que apontam os cientistas, que desde o começo da pandemia não encontraram qualquer indício de transmissão por alimentos.

“Não sabemos até agora de nenhum caso que sugira que a covid-19 possa ser transmitido por alimentos ou embalagens de alimentos”, disse ao HuffPost um porta-voz do Serviço de Segurança e Vigilância Alimentar dos EUA.

O vírus é transmitido principalmente por pessoas em contato estreito com a doença, por gotículas respiratórias, pelo contato com superfícies contaminadas seguido pelo contato das mãos com o rosto.

O vírus não é transmitido por animais de estimação

Há evidências de que cães e gatos podem ter resultados positivos em testes de coronavírus, mas é improvável que eles possam transmitir a doença a seus donos. Ou seja, você pode sempre acariciar seus pets! E isso também te ajudará a desestressar.

Cientistas estão trabalhando para produzir uma vacina

Embora ainda não saibamos quando teremos uma vacina disponível, mas os cientistas não param de trabalhar nisso. A notícia mais recente afirma que existem mais de 100 vacinas atualmente em teste para uso contra a covid-19. Como nós mostramos esta semana aqui no HuffPost Brasil, a vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford vai ser testada até no Brasil.

Não é a notícia que gostaríamos de escrever, na medida em que não existe promessa de uma solução imediata, mas existem pelo menos esperanças de que os pesquisadores desenvolvam mais medicamentos para combater a covid-19 no futuro.

Uma das melhores maneiras de prevenir a doença é simples

Lave. Suas. Mãos. Apenas isso.

Os médicos recomendam: lave as mãos com água e sabonete por 20 segundos ou mais. Use o bom senso para decidir com que frequência lavar as mãos. No mínimo depois de ir ao banheiro, antes de mexer com alimentos, depois de estar em locais públicos e depois de tocar superfícies potencialmente sujas.

Além disso, evite colocar as mãos no rosto quando elas não estiverem lavadas (veja como evitar), já que o vírus pode ser transmitido facilmente quando você toca áreas como olhos ou nariz.

Esperemos que tudo isso no mínimo incentive as pessoas a praticar hábitos higiênicos melhores – e que elas continuam a praticá-los depois que esta epidemia terminar.

Para concluir, saiba que você tem o poder de ajudar diante do que está acontecendo agora

Se isso te ajudar a canalizar o pânico para algo produtivo, tente encarar a situação sob a seguinte ótica: cuidar de você mesmo neste momento é uma prioridade e é algo que está ao seu alcance. Muitas pessoas não serão gravemente afetadas por esta doença, mas muitas outras serão, incluindo adultos mais velhos e pessoas com problemas médicos crônicos como doenças cardíacas, diabetes e doenças pulmonares.

Como humanos que dividimos este planeta, todos temos responsabilidade uns pelos outros. Uma das melhores maneiras de exercer essa responsabilidade é cuidar de sua própria saúde e seus próprios hábitos. Se você ainda não o está fazendo, agora é um ótimo momento para começar.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.