NOTÍCIAS
27/02/2020 15:35 -03

Surto de coronavírus está em "ponto decisivo", diz diretor-geral da OMS

Organização pediu aos países que redobrem os esforços para conter a disseminação de maneira eficaz. Primeiro caso foi confirmado no Brasil nesta semana.

O surto do novo coronavírus atingiu um “ponto decisivo”, disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, nesta quinta-feira, pedindo aos países que redobrem os esforços para conter a disseminação de maneira eficaz.

“Este vírus tem potencial pandêmico”, disse Tedros em entrevista coletiva. “Não é hora de temer. É hora de tomar medidas para prevenir infecções e salvar vidas agora”.

O Brasil confirmou a primeira infecção da América Latina na última quarta-feira. Um empresário de 61 anos que veio da Itália apresentou os sintomas ao chegar ao Brasil e teve o diagnóstico confirmado em São Paulo. 

Autoridades da OMS disseram na mesma entrevista que estão trabalhando em estreita colaboração com os organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio, e que não acreditam que será tomada qualquer decisão em breve sobre o futuro do evento marcado para julho.

Nesta quinta-feira, governos aceleraram as medidas de combate a uma possível pandemia global de coronavírus, depois que o número de novas infecções fora da China superou pela primeira vez os casos novos no país onde o surto começou.

Francois Lenoir / Reuters
Autoridades da OMS disseram que estão trabalhando com os organizadores dos Jogos Olímpicos de Tóquio e que não acreditam que será tomada qualquer decisão em breve sobre o futuro do evento marcado para julho.

A Austrália iniciou medidas de emergência, enquanto Taiwan elevou seu nível de reação a epidemias ao grau máximo, um dia após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, colocar seu vice-presidente, Mike Pence, a cargo da reação norte-americana à crise de saúde global que se avizinha.

EUA e Coreia do Sul adiaram um exercício militar conjunto para limitar a disseminação do vírus, que já foi registrado muito além da China, onde surgiu no ano passado, aparentemente em um mercado de animais silvestres da cidade de Wuhan.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse que seu país, que tem 23 casos do vírus, trabalha pensando em uma pandemia e que os hospitais foram ordenados a garantir suprimentos médicos suficientes, equipamento de proteção pessoal e mão de obra.

“Existem todos os sinais de que o mundo entrará em breve em uma fase de pandemia do coronavírus”, disse Morrison em uma coletiva de imprensa em Canberra. “Como resultado, acertamos hoje e iniciamos o... plano de reação de emergência ao coronavírus”.

O presidente francês, Emmanuel Macron, classificou o surto como uma “crise, uma epidemia que está a caminho”.

As ações despencaram ainda mais, os preços do petróleo caíram e os títulos do Tesouro dos EUA quebraram recordes, à medida que mais sinais de proliferação global do vírus aumentavam o temor de uma pandemia. 

Os mercados globais recuaram durante seis dias seguidos, perdendo mais de 3,6 bilhões de dólares em valor.

O coronavírus já infectou mais de 80 mil pessoas e matou quase 2.800, a maioria na China. Ainda não se sabe muito sobre o vírus, mas está claro que as ramificações do isolamento da segunda maior economia do mundo durante um mês ou mais são vastas.

A proliferação rápida do vírus em locais diferentes ―especialmente Itália, Irã e Coreia do Sul― nos últimos dias cumpriu a definição de pandemia e causou alarme, mas a Organização Mundial da Saúde (OMS) não usou a palavra pandemia para descrever o surto.

Não existe cura para o vírus que pode causar pneumonia, e o desenvolvimento de uma vacina pode levar até 18 meses.

Peregrinação barrada

A Arábia Saudita suspendeu nesta quinta-feira a entrada de estrangeiros oriundos de países onde o novo coronavírus se disseminou para a peregrinação da Umrah e o turismo, já que o número crescente de casos fora da China aprofundou o temor de uma pandemia.

O reino, que abriga os dois santuários mais sagrados do islã em Meca e Medina, recebe milhões de visitantes muçulmanos ao longo do ano, com um pico na peregrinação do haj. O país adotou em outubro um novo visto de turismo para 49 países.

O Ministério das Relações Exteriores disse em um comunicado que as suspensões são temporárias, mas não informou uma data para seu vencimento. Não ficou claro se a peregrinação do haj, que está programada para começar no final de julho, será afetada.

Também foram suspensas as entradas para visitas à Mesquita do Profeta de Medina.

A Arábia Saudita não tem nenhum caso de coronavírus, mas a doença está se proliferando em alguns países vizinhos.