Coronavírus pode ser transmitido por alimentos? O que você deve saber sobre isso

Especialistas dizem que não é preciso entrar em pânico em relação à segurança alimentar em restaurantes e mercearias.

Com o surto de coronavírus se espalhando em todo o mundo, as pessoas estão cada vez mais se perguntando como esse novo vírus pode afetar nosso suprimento de alimentos e nossos hábitos alimentares.

O HuffPost US entrou em contato com alguns dos principais especialistas americanos em segurança alimentar e saúde pública para saber o que devemos fazer. Se você está questionando se deve ficar em casa, longe de restaurantes, ou se algum alimento não é seguro, eis o que você precisa saber:

O coronavírus pode ser transmitido através dos alimentos?

Os pesquisadores ainda estão aprendendo as especificidades de como o novo coronavírus é transmitido, mas sabemos que a doença COVID-19 pode se espalhar através de gotículas que são liberadas pelo nariz ou pela boca quando alguém tosse, espirra ou exala.

A transmissão de doenças torna-se possível quando alguém inala essas gotículas ou toca seus olhos, boca ou nariz após entrar em contato com as superfícies onde essas gotículas caem. No momento, não há evidências de transmissão do coronavírus por meio de alimentos.

“Atualmente, não temos conhecimento de nenhum relato de doenças humanas que sugira que o coronavírus possa ser transmitido por alimentos ou embalagens de alimentos”, disse um porta-voz do Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar do USDA ao HuffPost US.

“Até o momento, não há evidências de transmissão do coronavírus por meio de alimentos.”

Benjamin Chapman, professor e especialista de segurança alimentar da Universidade Estadual da Carolina do Norte, explica que, como o modo de infecção é principalmente respiratório, a chance de pegar COVID-19 a partir dos alimentos é extremamente baixa. “De fato, não vemos evidências de vírus respiratórios transmitidos por alimentos no passado”, diz.

Existem alimentos nos supermercados que devemos evitar?

Como não há transmissão conhecida de coronavírus por meio de alimentos, você não precisa se preocupar em evitar alimentos específicos. Uma preocupação maior nas compras é o risco de transmissão do vírus de pessoa para pessoa.

“Existe a possibilidade de alguém entrar em uma área comum e transmitir”, diz Jason Kindrachuck, professor assistente do departamento de microbiologia médica e doenças infecciosas da Universidade de Manitoba, no Canadá.

Portanto, sim, existe a possibilidade de ficar doente se alguém com COVID-19 estiver ao seu lado e espirrar enquanto você estiver procurando por um abacate maduro, ou se uma gota de uma pessoa infectada cair em um pacote de cereal que você toca e depois você tocar seu rosto antes de lavar as mãos. Mas ainda não sabemos quanto do vírus precisa estar presente para que a transmissão ocorra.

"Atualmente, não temos conhecimento de nenhum relatório de doenças humanas que sugira que o COVID-19 possa ser transmitido por alimentos", diz porta-voz do Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar do USDA.
"Atualmente, não temos conhecimento de nenhum relatório de doenças humanas que sugira que o COVID-19 possa ser transmitido por alimentos", diz porta-voz do Serviço de Inspeção e Segurança Alimentar do USDA.

Isso não significa que você deva parar de fazer compras, mas deve ser cauteloso e seguir medidas simples de proteção, como lavar as mãos regularmente, não tocar o nariz e a boca se as mãos não estiverem limpas, ficar em casa se estiver doente, cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar, manter uma distância de pelo menos um metro e meio das pessoas que tossem ou espirram e consultar um médico se tiver febre, tosse e dificuldade para respirar.

“Um conselho que venho repetindo regularmente para as pessoas preocupadas é: ‘O que você está fazendo agora para gerenciar seu risco de gripe regular?’”, Disse Don Schaffner, especialista em ciência de alimentos e professor na Universidade Rutgers. Muitas das recomendações atuais para evitar a transmissão do coronavírus são semelhantes.

É seguro comer em restaurantes?

Na maioria dos casos, não há motivos para evitar visitar um restaurante devido ao receio de transmissão COVID-19. ”É exatamente o mesmo que era antes de sabermos sobre o coronavírus”, disse Schaffner. “Em outras palavras, nada é absolutamente seguro.”

Schaffner apontou que, mesmo que o coronavírus esteja presente em sua comida, ele será destruído com o cozimento adequado. Mas, como você vai ao supermercado, você deve ser cuidadoso ao tomar precauções semelhantes às recomendadas para evitar a propagação da gripe sazonal.

“Com uma estimativa de mais de 34.000 mortes por gripe em 2018-19, ainda temos um longo caminho a percorrer no gerenciamento de riscos”, disse Chapman. “O risco de vírus respiratório nos restaurantes é realmente mais sobre estar no mesmo local que muitas pessoas, algumas das quais podem estar depositando o vírus em superfícies como mesas, portas, menus e gerenciando isso com lavagem das mãos e álcool em gel. A limpeza do local é uma medida eficaz para reduzir os riscos tanto do coronavírus quanto do influenza.”

“Um conselho que venho repetindo regularmente para as pessoas preocupadas é: 'O que você está fazendo agora para se prevenir da gripe comum?'”

- DON SCHAFFNER, UNIVERSIDADE DE RUTGERS

Lembre-se de que alguém que está doente provavelmente não irá a um restaurante, disse Kindrachuk, “então sua probabilidade de ficar doente ou infectada é muito, muito baixa”.

Isso é diferente de ir a algum tipo de grande reunião pública com dezenas de milhares de pessoas quando há um conjunto de casos em uma área, ressaltou. Nesse caso, o potencial de transmissão seria maior devido ao grande número de pessoas.

Quais são as precauções ao preparar comida em casa?

As principais dicas a serem lembradas ao cozinhar em casa são lavar as mãos o máximo possível e não preparar alimentos para os outros se você estiver apresentando sintomas, a menos que seja absolutamente necessário fazê-lo.

Ao manusear ou preparar alimentos, o governo dos EUA recomenda seguir práticas padrão de segurança alimentar, como lavar as mãos e as superfícies com frequência, separar a carne crua de outros alimentos, refrigerar os alimentos e cozinhar os alimentos à temperatura adequada.

Precisamos armazenar alimentos para nos preparar para uma possível quarentena?

Alimentos e álcool em gel para as mãos voam das prateleiras dos supermercados, pois muitas pessoas ficam preocupadas com o fato de o surto de coronavírus tornar mais difícil o acesso a alimentos no futuro. Mas isso é necessário?

Nossos especialistas concordaram que, se possível, não é uma má idéia ter em mãos alimentos não perecíveis, caso ocorra uma situação que impeça você de comprar alimentos.

Não é necessário estocar sua despensa com mais de duas semanas extras de alimentos.
Não é necessário estocar sua despensa com mais de duas semanas extras de alimentos.

“Provavelmente é bom ter algumas semanas extras de suprimentos apenas para que você não precise ir e frequentar esses lugares, se houver casos que aparecerem”, disse Kindrachuk. Mas ele ressaltou que o armazenamento de suprimentos suficientes para você durar meses provavelmente está indo longe demais.

A recomendação de manter uma reserva de alimentos em casa é amplamente baseada em evitar multidões e possíveis interrupções no suprimento de alimentos devido a possíveis escassez de mão-de-obra. “Isso não tem nada a ver com o medo de o suprimento de alimentos ser contaminado”, disse Erin DiCaprio, assistente de especialista em segurança alimentar comunitária na UC Davis.

Se você decidir estocar, certifique-se de ser razoável com a quantidade de comida que compra e use seu suprimento de comida antes que ele estrague ― o desperdício de comida ainda é um problema, mesmo em um período de surto de doença. “Eu odiaria que as pessoas comprassem toda essa comida extra e depois algo vai para o lixo”, disse Dicaprio.

Enquanto você está resistindo à tentação de esvaziar as prateleiras dos mercados, lembre-se de exercitar essa restrição também com máscaras. Se você não está tossindo, espirrando ou cuidando de alguém, provavelmente não precisará usá-las.

″É imperativo para nós entender que precisamos que nossos atendentes de primeira linha, especialmente aqueles em hospitais e clínicas, tenham acesso a eles”, disse Kindrachuck. “As pessoas também precisam ter alguma restrição e entender que esses suprimentos serão necessários à comunidade médica”, diz.

Aqui está o que mais você deve saber

No momento, ainda há muitas incógnitas em torno do coronavírus, e a situação pode mudar a qualquer momento, mas você pode encontrar informações sobre o vírus, como ele se espalha e sua presença em sua área através das autoridades de saúde pública local.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.