Comida

Alimentos que fortalecem imunidade podem 'prevenir' contaminação por coronavírus?

“Não vai ser um suco de laranja que vai melhorar seu sistema imunológico”, diz infectologista.

Com casos na casa dos centenas no País, novo coronavírus tem assustado muitos brasileiros.

Até o momento, o número de pessoas infectadas pelo covid-19 atingiu 167.511 pessoas em todo o mundo. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), o vírus já causou mais de 6,6 mil óbitos desde o início da pandemia.

Mas há alguma coisa que possamos fazer para nos prevenir? Mudar a alimentação é uma opção?

Alimentação como prevenção: funciona?

Muita gente estava preocupada com eventos e locais com aglomerações se perguntam se fortalecer o sistema imunológico, principalmente através da alimentação, pode ser uma das maneiras de se prevenir contra o novo vírus. Afinal, investir em alimentos que fortalecem a imunidade, como vitamina C “evitaria” contrair a doença do coronavírus, a COVID-19?

Segundo o infectologista João Prats, da Beneficiência Portuguesa de São Paulo, nenhum alimento ou suplemento isolado é capaz de melhorar a imunidade. “Vários estudos mostram que um só alimento ou substância não tem diferença no risco de infecções virais”, diz.

Segundo o infectologista, o nosso sistema imunológico é muito complexo e requer mais que um alimento específico para se manter forte. “O que se recomenda é ter um estilo de vida saudável, consumir alimentos saudáveis, ter um sono adequado, não se estressar muito e fazer exercícios”, diz Prats. “Não vai ser um suco de laranja que vai melhorar seu sistema imunológico. É uma dieta regrada e um estilo de vida saudável.”

Como se prevenir, então?

A melhor forma de se prevenir do novo coronavírus é evitar viajar para lugares onde há surto da doença, como países da União Europeia. Por aqui, ou em outros países, outras formas de prevenção (do novo vírus e de outros) é sempre lavar as mãos, uso do álcool gel e, se estiver gripado, colocar o braço na frente do rosto ao espirrar.

“Este vírus se transmite mais por contato do que por ar. Ele fica por um tempo mais longo nas superfícies. Usar máscaras não ajuda muito, mas lavar as mãos é muito importante”, disse o especialista, acrescentando que o uso de máscaras é incentivado apenas para quem já se infectou ou está com suspeitas de ter coronavírus.