MULHERES
18/06/2019 14:57 -03 | Atualizado 18/06/2019 22:14 -03

O que o Brasil precisa para vencer a Itália e chegar às oitavas de final da Copa feminina

Resultados de outros grupos aumentam chance de o time brasileiro avançar para a próxima fase.

ASSOCIATED PRESS
Marta comemora gol ao lado de Cristiane e outras jogadoras na partida contra a Austrália na Copa feminina da França.

Nesta terça-feira (18), na cidade francesa de Valenciennes, a seleção brasileira entrará em campo na Copa do Mundo de Futebol feminino em busca de ao menos um empate contra a Itália, que não se classificava há 20 anos para o Mundial, mas promete ser forte adversária para o Brasil. A partida será transmitida a partir das 16h de Brasília.

Após vencer a Jamaica por 3 a zero e perder para a Austrália por 3 a 2, a seleção brasileira não está em posição tão confortável para passar para as oitavas de final. No entanto, uma derrota não significará desclassificação imediata - isso porque o resultado de outros grupos também influenciará.

Segundo o regulamento do Mundial, se classificam para as oitavas de final as seguintes equipes:

- As duas melhores equipes de cada grupo;

- As quatro melhores terceiras colocadas entre os seis grupos.

No último fim de semana, as goleadas da Suécia sobre a Tailândia, por 5 a 1, e dos EUA sobre o Chile, por 3 a 0, ambas no Grupo F, encerraram a segunda rodada da fase de grupos e ampliaram as chances de a seleção brasileira se classificar para as oitavas de final.

Pelos resultados até o momento, a seleção brasileira, que já acumula três pontos, precisa apenas de um empate contra a Itália, pela última rodada da fase de grupos, para garantir sua vaga.

Essa tarefa se tornou mais fácil para as brasileiras justamente devido as resultados dos grupos E e F. Em ambos os casos, os terceiros lugares fecharam a segunda rodada sem somar quatro pontos.

Uma vitória contra a Itália seria importante, contudo, para que a seleção brasileira se classificasse na segunda posição de seu grupo para as oitavas de final, o que determina as próximas adversárias.

Para que isso aconteça, além de vencer a Itália por dois gols, a equipe teria que torcer para que, também nesta terça, a favorita Austrália não vença a Jamaica ― que está na lanterna do Grupo C, e deixe o Brasil com saldo de gols favorável. O cenário, entretanto, é pouco provável.

Qual será o time desta quinta-feira

Daniela Porcelli via Getty Images
Marta em campo, antes de jogo contra a Austrália.

Para entrar com fôlego, o técnico Vadão anunciou que Marta será titular ― mas é provável que jogue só o primeiro tempo, assim como no jogo contra a Austrália. A jogadora ainda está se recuperando de uma lesão na coxa.

“Não dá para prever. (...) Esperamos que ela possa jogar um pouco mais [que 45 minutos]. No intervalo vamos conversar e saber como está. Não vamos fazer nenhum tipo de loucura”, disse Vadão segundo o Globo Esporte.

Além de Marta, o jogo terá Andressinha no lugar da veterana Formiga, que está suspensa por ter recebido dois cartões amarelos no mundial. Começam em campo também Bárbara, Letícia, Kathellen, Mônica, Tamires, Thaísa, Debinha, Ludmila e Cristiane.

Na manhã desta quinta (18), Andressa Alves foi desclassificada. Ela sofreu uma lesão na coxa no treino de ontem, foi examinada nesta manhã e afirmou que não tem mais condições de disputar a Copa. 

A Copa da visibilidade

Jean-Paul Pelissier / Reuters
Seleção fez sua estreia na Copa do Mundo da França com três gols de Cristiane.

Esta já é a maior Copa em termos de visibilidade pra o Brasil e, por isso, seria importante que o Brasil permanecesse na competição por mais tempo.

O jogo desta terça será transmitido ao vivo pela TV Globo e Bandeirantes, na TV aberta, e na SporTV e BandSports, na TV paga. Esta é a 8ª Copa no currículo da seleção brasileira.

Atualmente, sob o comando de Vadão ― que vai para a sua segunda Copa com a seleção ―, o time entra em campo com o peso de ser o 10º colocado do ranking, somando 12 vitórias, um empate e 10 derrotas acumuladas ― sendo 9 delas consecutivas. A última vitória foi em julho de 2018, contra o Japão.

Além disso, a seleção já teve quatro baixas até o momento. Primeiro, a atacante Adriana, que rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho, e a lateral-direita Fabi Simões, que sofreu uma lesão na coxa direita. Érika foi a terceira baixa da seleção, com uma lesão em um músculo da panturrilha, e Andressa Alves, a quarta, com uma lesão na coxa.