MULHERES
21/08/2019 14:34 -03

Como conversar com seu companheiro sobre fertilidade e congelamento de óvulos

Discussões sobre planejamento familiar podem ser um pouco intimidantes. Veja como encarar essa discussão com mais tranquilidade.

fizkes via Getty Images

Aos 34 anos, a jornalista e fotógrafa Liz Melchor, de San Francisco, estava solteira, mas vivia cercada por bebês. Sua irmã e seu irmão menores tinham filhinhas e seu newsfeed no Facebook vivia cheio de fotos dos bebês de suas amigas.

Preocupada com a ideia de que sua fertilidade pudesse estar diminuindo, Melchor decidiu congelar seus óvulos. Alguns dias depois de iniciado o processo ela conheceu um homem que acabaria virando seu namorado. Depois de três encontros, resolveu ter “aquela conversa” com ele –falar com ele sobre suas decisões sobre fertilidade e planejamento familiar.

“Estávamos nos beijando e então falei: ‘Posso te contar uma coisa?’, e então, sem mais nem menos, eu disse: ‘Estou no processo de congelar meus óvulos’.”

Melchor ficou surpresa com a reação dele.

“Ele não se abalou, na realidade até pareceu um pouco aliviado, porque mais tarde fiquei sabendo o quanto ele queria ter filhos. Então a gente continuou a se beijar. Não foi um jeito típico de começar um relacionamento, mas acabamos ficando juntos um ano e meio.”

Melchor e seu ex tinham as mesmas ideias e vontade de ter filhos, e isso era algo que a preocupava antes de ter essa discussão com ele. É fácil ficar imaginando os piores cenários possíveis antes de falar com seu amado sobre filhos. Você não quer passar a impressão de estar ansiosa ou preocupada com seu relógio biológico.

Considera-se normalmente que a última fase em que uma mulher pode ter filhos é entre os 40 e os 44 anos. Mas nos últimos anos o índice de fertilidade de mulheres com mais de 40 vem subindo, logo, a mulher tem mais tempo do que muita gente imagina. Isto dito, contudo, depois de chegar a determinada etapa em seu relacionamento, suas preocupações com fertilidade e planejamento familiar inteligente começam a ser válidas.

Afinal, quase um em cada oito casais nos Estados Unidos são afetados por infertilidade, e a fertilidade da mulher começa a declinar nitidamente a partir dos 35 a 39 anos. O homem também tem relógio biológico. Não são apenas as mulheres que devem se preocupar com a fertilidade.

Discutir esse tema complexo pode aproximar um casal ainda mais e ajudar a levar seu relacionamento para o próximo nível.Joshua U. Klein, médico especialista em fertilidade

Se conceber um filho é algo que será muito importante para você no futuro, é imprescindível ter essa conversa com seu companheiro, disse Joshua U. Klein, médico e diretor da clínica de fertilidade Extend Fertility, em Nova York.

“Discutir a questão da fertilidade pode ser uma ótima maneira de submeter um relacionamento positivo, que seja baseado em metas de vida compartilhadas, a uma ‘prova de realidade’”, ele comentou. “Discutir esse tema complexo pode aproximar um casal ainda mais e ajudar a levar seu relacionamento para o próximo nível.”

A seguir, especialistas em fertilidade e mulheres que já passaram por tudo isso oferecem dicas de como trazer esse assunto à tona.

Primeiro, pense em fazer uma avaliação de fertilidade para ter uma ideia mais precisa de como está sua saúde reprodutiva.

Quando tinha 30 e poucos anos e estava namorando, a escritora e defensora da saúde da mulher Jennifer Palumbo não hesitou em trazer à tona o tópico de ter filhos e possivelmente congelar seus óvulos.

“Com meu então marido, assim que comecei a sentir que ele era alguém que me interessava, perguntei se ele visualizava ter filhos no futuro”, ela contou ao HuffPost.

Mas muito tempo antes de conhecê-lo ela já havia feito uma avaliação de fertilidade (ou exame de AMH) para ter uma ideia melhor de sua saúde reprodutiva – ou seja, qual era o nível de sua reserva de óvulos e quais seriam suas chances de êxito se ela decidisse colher seus óvulos para congelá-los ou fazer fertilização in vitro.

“Se você se informa sobre toda essa questão, isso a ajudará a decidir se você precisa buscar tratamento pro-ativamente ou se vai conversar sobre isso com seu potencial companheiro mais cedo ou mais tarde”, disse Palumbo.

Vale destacar que alguns especialistas consideram que o exame de AMH traz apenas uma previsão limitada sobre sua fertilidade, dado que engravidar pode ser algo complexo, que encerra muitas nuances. Mas o exame é uma ferramenta útil para determinar suas chances de colher óvulos para fazer FIV.

Prepare-se para dar explicações 

De modo geral nos Estados Unidos o ensino público sobre saúde e reprodução é voltado à contracepção e a como evitar a gravidez indesejada, disse Klein, e não enfatiza a questão de como engravidar.

“Essa abordagem é bem intencionada e sob muitos aspectos justificada, mas criou uma falta enorme de informação do público em relação à fertilidade, infertilidade e o relógio biológico”, disse Klein. “Essa falta de conhecimento alimenta diretamente a ansiedade e o medo que muitas vezes está presente nas discussões sobre fertilidade, idade e planejamento familiar.”

A maioria das pessoas sabe pouco sobre fertilidade. Por isso, aconselhou Klein, prepare-se para explicar às pessoas o que significa congelar seus óvulos, por que você quer fazê-lo e quais são suas opções. Explique que preservar seus óvulos não significa que você queira ter filhos agora – é mais uma questão de traçar planos para o futuro.

 Seja qual for a reação, essa é uma discussão produtiva. 

Conhecimento é poder. Saber se seu companheiro compartilha suas ideias e sonhos sobre família e o que isso significa para o futuro só pode ser uma coisa boa, disse a terapeuta conjugal e familiar Andrea Bryman, especializada em reprodução assistida.

“Acredito profundamente na comunicação direta”, ela explicou. “Não sugiro que você discuta esse tópico de maneira indireta. Decidir sobre ter filhos ou não no futuro não é algo que nos deva deixar constrangidas ou envergonhadas. Acho que é totalmente aceitável dizer ‘não tenho certeza se vou querer ter filhos ou não, mas tenho certeza que vou querer saber todas as opções que tenho caso eu queira ter filhos no futuro’.”

Em última análise, as questões do planejamento familiar e da conservação de óvulos fazem parte de um diálogo mais amplo sobre ter filhos. Se você e sua cara metade têm sonhos totalmente divergentes em relação a isso, talvez seja o caso de reavaliar a relação, disse Rachel Lehmann-Haupt, autora de “In Her Own Sweet Time: Egg Freezing and the New Frontiers of Family”.

“Às vezes discutir essas questões lhe dará as respostas que você necessita para tomar uma decisão inteligente, nem que seja para aceitar o fato de que o relacionamento não dará certo”, ela comentou.

Use como ponto de partida a experiência de uma amiga ou a história de uma celebridade. 

Quanto a como abordar essa conversa, faça isso de modo casual: aproveite o caso de uma amiga que congelou seus óvulos ou a entrevista franca de uma celebridade, falando sobre fertilidade, como ponto de partida para a discussão, aconselhou Palumbo.

“Esse tema talvez surja de modo natural. Você pode dar sua opinião sobre alguma coisa da qual ouviu falar”, ela recomendou. “Acho que fertilidade e tratamentos para infertilidade estão virando temas cada vez mais comuns. Pode ser uma celebridade, uma parente ou uma amiga de uma amiga que já fez congelamento de óvulos, fertilização in vitro ou recorreu a uma barriga de aluguel.”

Aborde a questão como uma conversa sobre “nós”, não sobre “mim”

As americanas andam esperando mais tempo para ter filhos, para poderem investir na carreira profissional antes. Talvez seu companheiro tenha feito a mesma coisa. Num relacionamento genuíno de casal, cada um está interessado na carreira do outro, e a carreira do outro o afeta. Do mesmo modo, são vocês dois que precisam se interessar e tomar as decisões sobre fertilidade e planejamento familiar.

Com isso em mente, recomentou Lehmann-Haupt, aborde a questão como sendo algo que diz respeito a “nós”, não a “mim” – não diga que é algo do qual você está cuidando sozinha. Em outras palavras: “Se encaramos nosso futuro a sério, nós dois precisamos conversar sobre isso”.

“Se seu companheiro reagir com amor e respeito, isso será um bom sinal”, ela disse. “Um namorado meu me falou que eu era histérica em relação a isso. Não foi bom. E também me disse que ele não era a pessoa certa para mim.”

Além disso, como Lehmann-Haupt mencionou, a fertilidade masculina também é afetada pela idade do homem. Um estudo alemão de 2004 sugeriu que com o passar da idade, o volume, a motilidade (a mobilidade dos espermatozoides) e a estrutura dos espermatozoides declinam.

“O homem também tem relógio biológico”, ela explicou. “Como todos estamos adiando para mais tarde o momento de ter filhos, os homens precisam começar a encarar essas discussões com mais sensibilidade.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.