COMPORTAMENTO
19/03/2019 07:01 -03 | Atualizado 19/03/2019 07:11 -03

Como lidar com pessoas que compartilham demais no trabalho

“Dance como se ninguém estivesse olhando. Escreva e-mails como se esses e-mails um dia fossem ser lidos num depoimento à justiça.”

fizkes via Getty Images

Para criar relacionamentos amistosos com seus colegas de trabalho, é preciso compartilhar algo a seu próprio respeito, não se limitando a falar sobre prazos e tarefas a cumprir.

Mas qualquer pessoa que já tiver aguentado uma conversa constrangedora demais com um colega de trabalho sabe que oversharing (compartilhar excessivamente) é algo bem diferente.

Uma pesquisa realizada em 2014 pela SurveyMonkey concluiu que 3 em cada 5 profissionais disseram ter conhecido pelo menos uma pessoa no trabalho que compartilha demais.

O problema é que o limite entre uma intimidade apropriada e a falta de bom senso pode variar de uma pessoa para outra.

O seriado “Silicon Valley”, da HBO, é um exemplo perfeito de oversharing: num esforço sincero para ajudar Richard, o líder de sua equipe, um funcionário chamado Jared ofereceu conselhos não solicitados sobre exercícios de Kegel (para fortalecer os músculos da região púbica), dizendo que poderiam ajudar Richard a melhorar sua saúde.

“Estou fazendo os exercícios neste instante! Contrair, relaxar, contrair, relaxar...”, Jared explica alegremente, enquanto seu chefe fica sabendo de informações que ele nunca conseguirá esquecer.

Quando é que uma história pessoal ultrapassa os limites? E o que você pode fazer para evitar isso?

No caso de acontecimentos totalmente inapropriados, muitos funcionários têm a opção de registrar uma queixa no RH. Mas para os muitos casos que não ficam perfeitamente definidos, o melhor é você traçar seus limites com gentileza, mas firmeza, para não precisar ouvir informações desnecessárias.

 

É preciso compartilhar algumas informações pessoais no trabalho

Cada vez mais empresas vêm incentivando seus funcionários a mostrarem seu lado mais autêntico no trabalho, a revelarem quem são realmente. Isso pode ser muito bom. Quando equipes de profissionais sentem segurança psicológica ou acreditam que podem conversar livremente sem o receio de serem julgados, podem ter resultados melhores no trabalho.

Sem esse contexto sadio, a comunicação entre as pessoas acaba bloqueada. Especialistas organizacionais têm estudos de caso detalhados sobre “líderes enigmáticos” que passam a impressão de serem distantes e inacessíveis e que acabam perdendo a confiança de suas equipes e seus clientes. 

 

O oversharing pode até ser bem intencionado, mas é inapropriado

Compartilhar pode virar oversharing quando deixa as pessoas constrangidas e prejudica sua capacidade de trabalho. Mas, antes de perguntar o que passou pela cabeça de seu colega para compartilhar tanta coisa indevida, reconheça que o oversharing pode nascer de um desejo positivo de construir um relacionamento.

“O oversharing nasce do desejo de uma pessoa de se conectar, se expressar e formar um relacionamento com você. É importante reconhecer isso quando você procura traçar limites”, destacou a assistente social Melody Wilding.

Quando uma pessoa usa de meios inapropriados para construir um relacionamento, isso pode apenas revelar suas inseguranças.

“As pessoas com um estilo de vínculo ansioso muitas vezes são as que cometem oversharing, porque elas receiam a distância emocional em seus relacionamentos”, comentou Julie de Azevedo Hanks, psicoterapeuta e autora do livro The Assertiveness Guide for Women.

“Para lidar com seu estilo ansioso, essas pessoas muitas vezes mostram apego excessivo. Elas geralmente querem uma proximidade maior com as outras pessoas do que as outras pessoas desejam ter com elas.”

Saber o que motiva alguém a cometer oversharing pode ajudar você a abordar a conversa sobre limites da melhor maneira possível.

 

Como frear um oversharer 

 

1. Compartilhe apenas coisas que você se sentiria à vontade em ouvir de outra pessoa. Você precisa reconhecer os seus limites

Mollie West Duffy, coautora de No Hard Feelings: The Secret Power of Embracing Emotions at Work, disse ao HuffPost que, antes de revelarem informações pessoais, gerentes e funcionários devem parar para pensar o que gostariam ou não de ouvir sobre outras pessoas.

“Pergunte-se: ‘Se meu chefe compartilhasse essa informação comigo, como eu ficaria?’. Na maior parte dos casos você responderia ‘me sinto honrada e valorizada pelo fato de a pessoa ter compartilhado isso comigo’”, falou Duffy. “Mas existem situações em que você vai pensar ‘isso é informação demais. Eu ficaria sem jeito se meu chefe compartilhasse isso comigo.’ Isso é sinal de que você mesmo não deve compartilhar algo semelhante. Acho que essa regra vale também para amigos e colegas.”

 

2. Reconheça o ambiente em seu local de trabalho. Cada local de trabalho tem suas próprias regras não verbalizadas sobre o que constitui ou não oversharing. Procure observar o que fazem seus outros colegas de trabalho

“Especialmente quando você está em um trabalho há pouco tempo, precisa esperar um pouco para ver quanto as outras pessoas compartilham sobre sua família, sua vida amorosa e outras coisas que não dizem respeito ao trabalho”, recomendou Duffy. “Quando você ingressa numa organização, siga a regra de compartilhar pouco, no começo. À medida que você for entendendo as normas dessa organização, pode passar a compartilhar mais.”

 

3. Seja franco e direto. Aja com franqueza, mas gentileza, ao definir um limite quando um colega falar demais

“Tudo bem dizer ‘estou ficando um pouco sem jeito por ter essa conversa no trabalho’”, disse a psicoterapeuta. “Ou ‘estou honrada por você confiar em mim, mas acho que prefiro não saber tanto assim’.”

Você pode ser firme mas suave nessa conversa, reconhecendo o que a outra pessoa está compartilhando. Fale de suas preocupações “de um jeito que respeite você mesmo e também o outro”, recomentou Wilding.

Ela sugeriu que você comece por validar a pessoa que está fazendo o oversharing, dizendo coisas tipo “aprecio você estar compartilhando isso comigo” ou ‘acho bacana você sentir confiança em mim para me passar esse tipo de informação’.”

Essa gentileza pode suavizar o pedido mais difícil que você terá que fazer a seguir. “É o que pode fazer a pessoa sentir que foi vista e ouvida, mas também torná-la receptiva aos comentários que virão em seguida”, disse Wilding.

Confrontar um colega de trabalho para discutir o comportamento dele pode ser incômodo, mas não precisa assinalar o fim de um relacionamento. “Geralmente equacionamos conflito com algo negativo. Mas nem sempre é o caso. O conflito é necessário para as pessoas amadurecerem”, disse Wilding.

 

4. Redirecione a conversa

Segundo Hanks, você também pode usar uma abordagem menos direta, simplesmente mudando o assunto quando conversa com alguém que comete oversharing. Ela recomendou algo como “hmmm, que interessante. O que você está pensando em fazer na apresentação da semana que vem? Estou curiosa.”

Os limites podem ficar menos nítidos no caso de colegas de quem você também se tornou amigo fora do trabalho. Se as pessoas com quem você anda no fim de semana começarem a falar de coisas muito pessoais no trabalho, será hora de trazer a conversa de volta para a relação de trabalho. Diga à pessoa: “Obrigada por compartilhar isso comigo. Mas futuramente, prefiro conversar sobre assuntos desse tipo quando estivermos tomando uma cerveja no bar, longe daqui”, sugeriu Wilding.

 

5. Não esqueça que seus chefes e a empresa poderão ler o que você diz ou posta online

E não esqueça que a internet pode nos levar a compartilhar mais do que compartilharíamos normalmente, conversando cara a cara com as pessoas.

O professor de psicologia John Suler chama isso de “efeito de desinibição online”. Para ele, muitas pessoas ficam mais desinibidas quando comentam seus pensamentos online. Elas se sentem anônimas ou invisíveis e se veem como iguais a outras pessoas no ciberespaço. Além disso, quando você não precisa encarar a reação ou o julgamento imediato de um colega quando fala com ele cara a cara, pode acabar falando mais do que queria.

Para frear esse impulso, lembre-se que o que você comunica online no trabalho pode ser visto por seus patrões. Como você se sentiria se aquela opinião que você compartilhou em um e-mail ou um canal Slack fosse do conhecimento geral? Lembrar-se das consequências de revelar demais ajudará você a reconhecer quando é preciso traçar limites com seus colegas de trabalho.

Como aconselhou Liz Fosslien, coautora de No Hard Feelings, em uma das ilustrações que criou para o livro: “Dance como se ninguém estivesse olhando. Escreva e-mails como se esses e-mails um dia fossem ser lidos num depoimento à justiça.”

 

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.