Como as academias vão se transformar depois do coronavírus

Especialistas apontam como as pessoas deveriam malhar nas academias daqui pra frente.

Com a reabertura e afrouxamento do isolamento social em meio à pandemia do coronavírus, ainda há muitas dúvidas a respeito da vida cotidiana. Com ênfase nas precauções de saúde, todo tipo de empresa se vê forçada a implementar novas diretrizes para garantir a segurança de seus clientes ― e isso inclui as academias. Aqui no Brasil, elas devem ser alguns dos últimos estabelecimentos a retomar as atividades.

A covid-19, doença causada pelo coronavírus, é disseminada principalmente por meio do contato pessoal, e as academias de ginástica tendem a ser ambientes muito movimentados. Kelly Cawcutt, professora assistente de doenças infecciosas e medicina intensiva do Centro Médico da Universidade de Nebraska, disse ao HuffPost que tem preocupações com aulas ou academias lotadas, onde o fluxo de ar pode ficar abaixo do ideal.

“O exercício aumenta a frequência e a profundidade da respiração, então há um potencial impacto do aumento de aerossóis no ambiente”, afirma ela. Aerossóis são pequenas partículas expelidas na respiração e que podem conter o vírus.

“O uso de máscaras seria ideal, mas também sabemos que pode ser difícil usá-las durante o exercício, e em alguns casos não são obrigatórias”, acrescenta Cawcutt.

A covid-19 também pode ser disseminada por superfícies. Mark S. Dworkin, professor e diretor associado de epidemiologia da Escola de Saúde Pública da UIC, observa que os clientes de academia podem entrar em contato com equipamentos e máquinas que outros tenham tocado.

“O vírus provavelmente sobrevive mais tempo em superfícies úmidas, portanto o suor no equipamento é problemático”, diz Dworkin, autor de dois livros sobre doenças infecciosas. “A reabertura das academias deve ser decidida com base na gravidade do surto na área. Onde há uma abundância de testes e transmissão relativamente baixa, de acordo com as autoridades locais de saúde, há mais segurança para reabri-las.”

Então, como serão as academias em um mundo pós-isolamento? O HuffPost conversou com especialistas e donos de estabelecimentos nos Estados Unidos para nos ajudar a enxergar esse novo “novo normal”.

Limpeza será fundamental

Uma limpeza vigorosa e frequente será, sem dúvida, necessária para criar um ambiente seguro e saudável nas academias.

Dworkin diz que “lencinhos umedecidos antissépticos terão de ser fornecidos aos clientes para que eles limpem os aparelhos”. Cawcutt complementa que toda academia deve oferecer “acesso fácil para soluções de higienização das mãos”. Ela acrescenta que as academias devem comunicar de forma clara suas rotinas de limpeza.

Muitas empresas de fitness, grandes e independentes, já estão divulgando esses planos. A SoulCycle, uma rede de estúdios de spinning com unidades em todos os Estados Unidos, anunciou uma série de medidas, como desinfetar equipamentos entre as aulas, mesmo as bikes que não tenham sido usadas. A Planet Fitness, uma academia com unidades em todos os 50 estados, incentivará seus membros a limpar completamente suas máquinas após o uso.

Emily Bench-Lahrssen, fundadora do estúdio de pilates Pilathon, em Miami, diz ao HuffPost que, quando seus negócios reabrirem, os equipamentos serão higienizados com “desinfetante de primeira classe” antes e depois de cada aula. A limpeza dos pisos e dos espaços comuns será realizada três vezes por dia: de manhã, ao meio-dia e antes das aulas noturnas.

O controle de entrada sem contato vai virar regra

Para limitar os contatos, as academias provavelmente implementarão sistemas de check-in digitais.

“Por enquanto, não vamos fornecer tapetes, água e toalhas. Estamos pedindo aos nossos clientes que tragam os seus próprios”, afirma Bench-Lahrssen, observando que a Pilathon utilizará o check-in sem contato. “Itens que são tocados com frequência, como armários, chuveiros, sauna e as cadeiras da recepção não serão utilizados no momento.”

O distanciamento social será observado

Os especialistas recomendam uma distância mínima de 2 metros para as outras pessoas a fim de minimizar a possibilidade de infecção por gotículas respiratórias.

“Durante o exercício, deve haver espaço suficiente para que essa distância seja guardada, ou então algum tipo de barreira entre os equipamentos, para ajudar a diminuir o risco de propagação de alguém assintomático”, afirma Cawcutt.

O plano de segurança da SoulCycle inclui marcações no chão de todos os estúdios, bem como em vestiários e banheiros. A Equinox, uma academia com unidades nos Estados Unidos e em outros países, também planeja implementar sinalização para ajudar no distanciamento físico.

Bench-Lahrssen disse que a Pilathon separará os equipamentos e colocará sinalização ao chão para incentivar os alunos a manter distância durante as aulas.

“Também estamos separando os bancos onde os clientes se sentam para tirar os sapatos”, disse ela. “Somente uma pessoa poderá sentar no banco por vez.”

Os horários das aulas também podem mudar

Cawcutt recomenda fortemente que, se as academias não puderem aplicar medidas de distanciamento, devem limitar a quantidade de frequentadores que podem estar no espaço ao mesmo tempo. Bench-Lahrssen também está pensando em adotar essa tática. Ela afirma que seu estúdio permitirá 6 alunos por turma, com o objetivo de um máximo de 8 pessoas no estúdio por vez.

“Haverá um intervalo de 20 minutos entre as aulas”, afirma ela, observando que algumas aulas podem ser realizadas do lado de fora. “O objetivo é evitar encontros nos corredores e áreas comuns.”

Os funcionários podem ser obrigados a usar máscaras – que devem no mínimo ser recomendadas aos clientes

Tanto Dworkin quanto Cawcutt sugerem que os proprietários de academias devem pedir a todos ― funcionários e clientes - que usem máscaras. Elas não substituem o distanciamento social, mas servem como camada adicional de proteção para o usuário e qualquer pessoa com quem ele interaja.

O plano de segurança da Equinox sugere que os funcionários sejam obrigados a usar máscaras e luvas. Os clientes “serão obrigados a usar máscaras o tempo todo, exceto enquanto treinem vigorosamente”. A SoulCycle também exigirá que sua equipe use máscaras e luvas, observando que os membros da equipe atualizarão seus equipamentos de segurança entre as aulas, conforme necessário.

Bench-Lahrssen exigirá que sua equipe use máscaras - e seus clientes também serão convidados a usá-las.

“Mesmo que não haja obrigação por parte do governo, incentivaremos nossos clientes”, afirma ela.

Deve haver algum tipo de triagem

Verificações de temperatura estão ficando mais comuns, e as academias provavelmente farão essa checagem nos seus funcionários. Na opinião de Dworkin, essas empresas devem “fazer triagens com base em questionários para identificar quem está doente”.

A SoulCycle disse que verificará a temperatura de todos os funcionários – e dos clientes também, nos estados em que esse controle for obrigatório. A empresa também vai exigir que os alunos assinem termos de compromisso antes de cada aula, “declarando estar de acordo parâmetros de saúde e segurança estabelecidos pelo governo”.

Os clientes também devem saber o que podem fazer por conta própria para se manter seguros

Além de seguir as diretrizes de sua academia ou estúdio de fitness, existem algumas medidas extras que os clientes podem adotar para proteger sua saúde e a das outras pessoas. Cawcutt ressalta que qualquer pessoa que se sinta doente, ou que tenha tido contato com alguém que está com covid-19, deve ficar em casa.

Dworkin também observa que algumas pessoas com sistema imunológico comprometido devem continuar evitando academias por enquanto.

“Para a parcela da população em risco — acima dos 60 anos ou com doenças crônicas —, o distanciamento social é especialmente importante. Nesses casos, o ideal é exercitar-se em casa ou ao ar livre, em vez de arriscar o contato com as pessoas em uma academia.”

Cawcutt diz que ter seu próprio álcool gel, usar máscara, lavar as mãos com frequência e evitar tocar no rosto são estratégias úteis, além de ir à academia nos horários de menor movimento.

“Dar o exemplo de hábitos seguros é uma forma de ajudar”, diz Cawcutt. “Peça planos de segurança e limpeza detalhados e bem pensados para a academia e seja paciente, pois todos estamos passando por um período difícil.”

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.