ENTRETENIMENTO
26/07/2020 03:00 -03 | Atualizado 26/07/2020 03:00 -03

'Todos querem ser amigos do Chico', diz Michel Joelsas sobre personagem de 'Boca a Boca'

Ator participou de uma animada live em que falou sobre sua carreira, sua relação com o elenco e do quanto ele está orgulhoso com o sucesso da série da Netflix.

Mesmo com apenas 25 anos, o paulistano Michel Joelsas já pode ser considerado um veterano no que faz. Ele já se destacou como ator aos 11 anos, logo em sua estreia, no papel do pequeno Mauro, no premiado O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias (2006), de Cao Hamburger.

De 2006 para cá, ele já trabalhou em seis filmes – entre eles o também famoso Que Horas Ela volta? (2015), de Anna Muylaert – e nove séries/minisséries, entre elas uma temporada da novela teen Malhação e a celebrada nova produção da Netflix, Boca a Boca, que vem ganhando muita repercussão tanto no Brasil quanto no exterior.

Divulgação/Montagem
Michel Joelsas em "O Ano em Que Meus Pais Saíram de Férias" e "Que Horas Ela volta?".

“Está sendo muito incrível essa resposta porque Boca a Boca é um trabalho que a gente fez com tanto carinho. Estou recebendo tantas mensagens de conhecidos, não conhecidos, família, pessoas do meio, fãs... Tem gente que faz uma análise mais psicológica, algumas chegam dando relatos pessoais, gente que vem com uma análise mais artística, comentando sobre as cores da série. Está sendo demais”, disse o ator em uma live exclusiva com o Huffpost.

Intérprete do impulsivo e apaixonante Chico, Michel falou muito sobre o processo para encontrar seu personagem e de como o entrosamento com seus colegas de cena, principalmente do elenco jovem da série, fez diferença no resultado final da produção, que ele confessou ter ficado maravilhado ao assistir pela primeira vez, no dia da estreia de Boca a Boca na Netflix.

“A gente teve um processo muito bonito de criação. Isso foi algo muito especial dessa série. Um mês antes de filmar, tivemos várias oficinas com nosso preparador, o Roberto Audio, que é incrível, com o Esmir [Filho, diretor], com a equipe de direção. Acho que muito da beleza que foi para a tela veio dessas oficinas. Ali tivemos muito espaço para criar e também errar. Acho que criação é isso. A gente vai errando e entendendo o que o personagem não é”, explicou Michel, que se derreteu em elogios para a sua colega Iza Moreira, que estreia como atriz no papel de Fran.

“Quando eu vi a Iza na tela eu fiquei chocado. É o primeiro trabalho dela e ela voou! Fiquei com um p... orgulho! Mas todo mundo teve uma química incrível. Logo nos testes e depois nas oficinas nós já sentimos essa química. E foi lindo!”.

Divulgação
Michel como Chico junto com as atrizes Iza Moreira (Fran) e Luana Nastas (Bel) em cena de "Boca a Boca".

Outro ator que dividiu cenas importantes (e bem difíceis) com ele foi Thomas Aquino, que ficou mais conhecido em 2019 ao fazer o matador Pacote, em Bacurau. “Essa relação com o Thomas veio muito dos ensaios também. Primeiro nós fizemos uma parte apenas física e só depois que esse físico estava preparado que nós fomos para o texto. Quando chegamos no momento de filmar, começamos a fazer as cenas de maneira muito intuitiva. A cena quando o Maurílio [personagem de Thomas] e o Chico se encontram pela primeira vez de dia é uma das minhas preferidas da série. Mas todo mundo se deu muito bem. Todos ficamos muito amigos. É uma série sobre afeto e esse afeto existia no set.” 

“Fiquei muito feliz de fazer o Chico e ainda mais feliz quando vi o resultado na tela. O que eu recebi de mensagem de gente falando que queria ser amigo do Chico... achei isso espetacular”, confessa o ator, que também contou sobre sua relação com Kevin Vechiatto, que na série faz seu irmão mais novo, Quim. Kevin também ficou muito conhecido no ano passado, quando se transformou na versão live-action do Cebolinha no filme Turma da Mônica - Laços, de Daniel Resende.

“O Kevin é um talento nato. Dá gosto de ver ele em cena. Mesmo muito novo, ele é muito profissional, muito maduro como artista. Deu, sim, uma ternura de ver ele trabalhando. Eu me coloquei no lugar dele porque lembro que quando fiz O Ano, o set de filmagem para mim era quase como um parque de diversões. Eu não tinha aquela visão de trabalho que tenho hoje. Não vou dizer que era tudo mais bonito, mas tinha, sim, uma beleza diferente. Eu vi ele lá, atuando tão cheio de luz. Tinha um carinho especial.”

Michel também falou de outros dois pontos muito comentados desde a estreia de Boca a Boca: a coincidência da trama com o momento de pandemia que estamos vivendo, a elogiadíssima trilha sonora e se a série terá mesmo uma segunda temporada.

″É muito louco. Às vezes a gente brinca que a série quase que profetizou alguma coisa. É uma maluquice porque a gente não tinha a mínima ideia que viveríamos o que estamos vivendo agora, mas o bonito é que a série não é sobre uma epidemia. Ela usa o contexto de uma epidemia para tratar de relações de afeto”, explica o ator. “Nos ensaios, o Esmir já veio com algumas músicas que ele queria tentar colocar na série tipo: ‘Acho que o Chico ouviria muito isso’. Antes de filmar, nos ensaios mesmo, eu já tinha essas músicas no meu Spotify.” 

Já sobre uma nova temporada... “Tem que esperar a Netflix aprovar. A série está indo super bem, mas eu digo para a galera que quer uma segunda temporada: Faça barulho. Vá lá nas redes da Netflix, faz barulho, comente, poste... Porque é isso que vai garantir uma segunda temporada”, concluiu.

Veja aqui o papo completo com Michel Joelsas: