LGBT
15/07/2020 18:13 -03

Esta família fez um 'chá revelação' para filho não-binário e foi muito além do rosa e azul

“Queríamos anunciar que erramos 17 anos atrás, quando dissemos ao mundo que estávamos tendo uma menininha", diz texto que viralizou.

“Queríamos anunciar que erramos 17 anos atrás, quando dissemos ao mundo que estávamos tendo uma menininha e batizamos o nome de McKenzie. Então, gostaríamos de apresentar o nosso filho: Gray.”

Foi com um “chá revelação” realizado por seus pais, com direito a bolo colorido, supresa na caixa, ensaio de fotos e um texto emocionante que a família do jovem Gray Gwalney, 17, acolheu sua identidade de gênero

“Ele é muito parecido com qualquer outro garoto nerd de 17 anos, fica acordado para jogar tarde, odeia tomar banho e come muita comida lixo”, brinca Love Gwalney, mãe do jovem, em texto publicado em sua página no Facebook junto com o ensaio da “revelação” que viralizou nas redes sociais. 

“Vamos nos referir a Grey com pronomes ele/dele daqui em diante e ele não se importará se você fizer isso também”, escreveu Love. A família, que está cumprindo isolamento social, mora em Akron, Ohio, nos Estados Unidos. 

Os “chás revelações” se tornaram uma febre não só no Brasil, mas em todo o mundo. Ele consiste em reunir amigos e familiares, para revelar de maneira incomum qual será o sexo e gênero do bebê. Ao mesmo tempo que foi popularizada, a prática também é criticada por reforçar estereótipos de gênero. 

No evento preparado para Gray, as cores dos balões escolhidas combinam com a bandeira do orgulho não-binário: amarelo, preto, branco e roxo. O bolo, que por fora era branco e por dentro era colorido, levava uma interrogação com as cores da bandeira trans e, sim, o recheio também: rosa, branco e azul.

Love, que está grávida de seu terceiro bebê, disse no texto que sente muito se decepcionou pessoas que acharam que as imagens causaram algum tipo de frustração, já que o sexo não foi revelado, já que a festa era para Gray. “Todos vocês que vieram para este post esperando descobrir se esse novo bebê é menina ou menino, desculpe (não desculpe) por desapontá-lo”, escreveu.

O texto e as imagens foram publicadas nesta segunda-feira (13) nas redes sociais. Após a repercussão, Love afirmou que as reações das pessoas da comunidade LGBT foram um “efusão de amor”.

“Não postamos isso na esperança de tanta atenção, mas para cada pessoa LGBTQ por aí que se conectou com isso ou que de alguma forma se sentiu vista por esse post, estamos orgulhosos de ter trazido esse reconhecimento para você, mesmo que brevemente”, disse. 

Embora ela tenha dito que a maioria dos comentários foram gentis, o outro lado também se fez presente. “Os odiosos [comentários] (especificamente aqueles que dizem a toda a família que iremos para o inferno) não têm lugar em um post destinado a celebrar a transição de nosso filho (...) E que vergonha por isso.”

Ainda no post, Love reforçou que Gray autorizou não só a exibição de seu nome de batismo, como a divulgação das fotos e do texto - e que está bem com isso. Ela pontua que a intenção era compartilhar o momento apenas com familiares e amigos. Para ela, ter viralizado foi uma surpresa.

“Nós de forma alguma o influenciamos, apenas fornecemos a ele um lar feliz e saudável, onde ele sente que pode ser verdadeiro e honesto (...). Portanto, pare de supor que forçamos isso sobre o nosso filho e pare de supor que ele é ‘jovem demais’ para ser capaz de saber quem e o que ele é”, diz. 

Ela finaliza o post dizendo que atualmente Gray se identifica como não-binário mas que se tiver o desejo de iniciar a hormonização, terá o apoio da família.

“Odeio que muitos de vocês na comunidade trans não tenham recebido o amor e a aceitação que todos merecem. Eu te vejo. Eu te escuto. Eu sou sua nova mãe agora!”, finaliza Love em seu post. 

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost