MULHERES
02/09/2020 19:34 -03 | Atualizado 02/09/2020 20:05 -03

Futebol feminino dá passo histórico ao conquistar equidade salarial e gestão 100% feminina

Aline Pellegrino e Duda Luizelli foram anunciadas pela CBF como coordenadoras da modalidade. Antes, cargo era ocupado por Marco Aurelio Cunha.

A CBF (Confederação Brasileira de Futebol), anunciou nesta quarta-feira (2), novidades de impacto que, por muitos anos, foram esperadas tanto por especialistas e atletas, em especial, de times e seleções femininas.

Em uma única coletiva de imprensa, a entidade anunciou que atletas das seleções masculinas e femininas receberão valores iguais em premiações e diárias de convocação - e que a modalidade será gerida apenas por mulheres.

“O que elas recebem por convocação diária, de premiação, inclusive em Copas do Mundo, será igual ao dos homens. Não haverá mais diferença de gênero”, disse Rogério Caboclo, em evento para a imprensa transmitido pelo YouTube.

A equidade de pagamento já havia sido adotada durante a primeira convocação da seleção feminina em 2020. Em março, durante o torneio que ocorreu na França, segundo a entidade, as jogadoras já receberam o mesmo valor que é pago aos homens durante o período de convocação. 

Divulgação/CBF
Duda Luizelli, Rogério Caboclo e Aline Pellegrino (da esq. para a direita), durante coletiva de imprensa.

O primeiro passo para ter mais mulheres comandando a modalidade já havia sido dado com a contratação de Pia Sundhage, em substituição a Vadão após o Mundial da França. Agora, toda a modalidade estará nas mãos delas.

Aline Pellegrino, então diretora de futebol feminino da FPF (Federação Paulista de Futebol), foi anunciada como coordenadora de competições femininas e Duda Luizelli foi anunciada como a nova coordenadora de seleções femininas.

“Uma semana de muitas emoções e frio na barriga e vejo um sonho se concretizando”, disse Pelegrino à imprensa. “Espero que eu seja um elo entre clubes, atletas, federações e a confederação, porque a gente está dentro da hierarquia desse processo. Venho com o objetivo na mediação entre eles, pelo desenvolvimento do futebol feminino no Brasil.”

Pellegrino vestiu a camisa da seleção em duas Copas ― na China, em 2007, quando foi capitã, e na Alemanha, em 2011. Em 2013, ela aposentou as chuteiras, mas não a vontade de fazer a modalidade evoluir.

“O que falta é oportunidade. O meu trabalho é gerar essas oportunidades. Criando os campeonatos de base, você vai ter mulheres e meninas competindo cada vez mais”, disse Pellegrino, em entrevista ao HuffPost Brasil em 2019.

Divulgação/CBF
Pia Sundhage, ao lado de Rogério Caboblo, durante coletiva de imprensa.

Duda Luizelli, que atuava como coordenadora do futebol feminino do Internacional, assume a coordenação das Seleções Brasileiras Femininas, cargo que foi ocupado por Marco Aurélio Cunha, que deixou a CBF em junho.

“O meu olho brilhou e vi que era eu a pessoa para estar aqui. Quero contribuir com o Presidente Rogério em busca desse objetivo, e é por esse motivo que estamos aqui. Agora, é trabalhar bastante”, disse.

Diante do anúncio das coordenadoras, Pia Sundhagecompletou, dizendo que este era um momento histórico para o Brasil. “Eu espero que todos possam ver o sorriso nos meus olhos, isto é historia. Eu fico muito grata. Essas mulheres e o presidente podem ter certeza que eu vou dar o meu melhor.”

As jogadoras nos Estados Unidos, por exemplo, considerada a melhor seleção do mundo, ainda luta para ter equiparação salarial à modalidade masculina. Em maio, elas perderam o processo que exigia salários equivalentes.

A lista das 24 atletas convocadas para um período de treinos com a seleção feminina também foi divulgada. A novidade é que todos os nomes são de jogadoras que atuam apenas no Brasil, devido às restrições da pandemia. 

Os treinos, que serão retomados ainda neste mês de setembro, visam às Olimpíadas de Tóquio, em 2021. Entre os nomes, estão Bárbara (goleira), Tamires (na defesa), Andressinha (meio-campo), Cristiane (atacante). Nesse contexto, Formiga e Marta, que jogam no exterior, ficaram de fora.

Eleições nos EUA
As últimas pesquisas, notícias e análises sobre a disputa presidencial em 2020, pela equipe do HuffPost