ENTRETENIMENTO
25/03/2020 04:00 -03 | Atualizado 25/03/2020 04:00 -03

Lauren e Cameron, de 'Casamento às Cegas', e a representatividade negra em realities de namoro

Lauren Speed e Cameron Hamilton falaram ao HuffPost sobre os bastidores da atração da Netflix e os desafios do namoro inter-racial.

Damon Dahlen/HuffPost; Produced by Christy Havranek/HuffPost

Os reality shows sobre namoro e relacionamentos são conhecidos por serem povoados por participantes brancos (exemplo em pauta: o universo inteiro de The Bachelor. Mas no novo seriado de sucesso da Netflix Casamento às Cegas, a épica história de amor que não para de emocionar os e as fãs tem uma mulher negra ao centro.

A criadora de conteúdos Lauren Speed, 32 anos, do Michigan, e o cientista de dados Cameron Hilton, 28, do Maine, se conheceram e se apaixonaram durante o experimento social, em que um grupo de homens e mulheres é colocado em celas e deixado para se conhecer ao longo de dez dias. A novidade da vez é que eles não podem se ver fisicamente até ficarem noivos.

Lauren e Cameron assumiram esse compromisso, depois se conheceram cara a cara e em seguida foram viver juntos em Atlanta. E mais tarde, 38 dias depois de serem apresentados um ao outro, eles se casaram diante de um grupo de familiares e amigos ligeiramente nervosos.

O amor de Lauren e Cameron cativou os espectadores, que continuaram a torcer por eles depois do episódio final da primeira temporada. Em entrevista que o casal feliz deu ao podcast do HuffPost Here to Make Friends (Aqui Para Fazer Amigos, em tradução livre), os dois disseram que estão tremendamente gratos e felizes por todo o apoio que receberam.

“Estando num relacionamento inter-racial, tudo que eu queria realmente era viver minha vida de modo autêntico”, disse Lauren a Leigh Blickley e Emma Gray, apresentadoras do podcast. “Eu queria falar de coisas tipo ‘e nossos filhos, como isso vai ser?’. É triste. Estamos em 2020, então isso não deveria ser um problema, mas esta é a vida real.”

“Tivemos que discutir como seria criar filhos em um relacionamento inter-racial”, acrescentou Cameron. “Crianças mestiças, como elas serão tratadas pela sociedade? Como as outras crianças na escola vão reagir a elas? Como vamos educá-las se elas serão vistas como negras e terão experiências diferentes da minha, como homem branco? Esse foi um tema crítico para discutirmos, não por causa do reality, mas porque estávamos prestes a nos casar.”

Lauren também reconheceu que é importante outras mulheres verem uma mulher negra como protagonista de um atração de namoro – especialmente uma mulher que não se enquadra nos moldes do que elas já estão acostumadas a ver nas telas.

“Não se veem muitas mulheres negras em reality shows sendo objetos de afeto, exercendo papéis protagonistas ou sendo admiradas”, ela comentou. “Eu sou uma garota negra excêntrica, tipo nerd. Meio desajeitada também. Então é ótimo, porque muita gente está me vendo, e sinto que estou representando algo que não estava sendo visto antes.”

Nesta entrevista editada, Lauren Speed e Cameron Hamilton falam sobre Casamento às Cegas e compartilham sua visão de insiders sobre o processo que os levou a se conhecerem.

HuffPost: Cameron e Lauren, como tem sido a vida fora do reality? Como é receber todo esse feedback e carinho incríveis de pessoas que maratonaram Casamento às Cegas?

Lauren: É incrível, especialmente porque Cameron e eu levamos super a sério. Nós dois estávamos super vulneráveis, e isso é assustador, especialmente quando você está sendo vulnerável diante do mundo. Por isso nos sentimos honrados porque o mundo não apenas se identifica com nossa história como a aprecia.

Quando o processo começou, vocês encararam com um pouco de ceticismo?

Lauren: Sem dúvida. Eu estava aberta a tentar, porque - vou ser franca - me encontrava num ponto de minha vida amorosa em que estava tudo ruim. Então pensei: o que eu tenho para perder? Vou lá e de repente conheço uma pessoa superbacana? Sem falar que minha mãe estava meio que me pressionando, dizendo coisas tipo “você está envelhecendo, Lauren”. Pensei, qual é a pior coisa que pode acontecer?

Cameron: Estávamos céticos, mas fomos lá com a cabeça aberta. Num primeiro momento pareceu um pouco artificial, mas acho que depois que Lauren e eu nos conhecemos e tivemos aquele primeiro papo inicial sobre família, a coisa de repente ganhou contornos reais e começamos a levar muito a sério. 

DAMON DAHLEN/HUFFPOST; PRODUCED BY CHRISTY HAVRANEK/HUFFPOST

HuffPost: Vocês podem explicar a estrutura das celas e quanto tempo vocês realmente tiveram juntos para conversar? Quantas vezes por dia?

Lauren: Começamos com 15 pessoas de cada lado – homens e mulheres. As celas são como se fossem câmaras de meditação mística, como gostamos de chamá-las. Então quanto mais gente estava nelas, menos a gente podia namorar. Mas quando os pares foram se formando, se você não tivesse criado uma conexão com alguém, azar seu, é claro. Mas tínhamos uns rankings, a gente apontava os cinco nomes de quem gostava mais entre todos, e a produção juntava as pessoas, tipo OK, esses dois fizeram uma conexão. E é assim que vai continuar. E Cameron sempre era o número um do meu ranking.

Cameron: Sim, todo dia nós éramos o número 1 da lista um do outro.

Lauren: Conforme o tempo foi passando, fomos tendo encontros mais longos, de até quatro horas. E estamos falando em vários encontros a cada dia. Havia vezes que tínhamos encontros que duravam 16 horas. 

HuffPost: Quais conversas não foram incluídas na narrativa, mas que vocês gostariam que as pessoas tivessem visto? 

Cameron: Falamos de como criaríamos filhos juntos e vimos que temos valores familiares semelhantes. Falamos de espiritualidade, de vida em família...

Lauren: Posições políticas.

Cameron: Finanças.

Lauren: Todas as coisas das quais as pessoas não falam num primeiro encontro.

HuffPost: Honestamente, todas as coisas que gostríamos de ver muito mais presentes no reality show.

Cameron: Foi uma questão de tempo, realmente. Mas nosso relacionamento tinha tanta complexidade que não havia tempo para mostrar tudo isso.

HuffPost: Quando vocês se viram pela primeira vez cara a cara, como foi aquele momento? Alguma coisa na aparência um do outro causou surpresa?

Lauren: Bem, eu estava uma pilha de nervos porque estava pensando OK, este homem vai ser meu noivo. A primeira coisa que me veio à cabeça foi: e se ele não gostar da minha aparência?

Cameron: Até parece!

Lauren: Estou falando sério. Porque cada um tem seu gosto. Mas eu, quando vi Cameron o achei tão bonitinho. Ele parece um príncipe. Quando digo que para mim ele pareceu o Príncipe Encantado, isso é literalmente o que eu senti. E não foi apenas questão da aparência física dele. Foi uau, cara! Ele tem todas as qualidades que eu queria em meu marido. Então para mim, esse é meu Príncipe Encantado. Como você conseguiu ser tão perfeito assim? Foi surreal.

Cameron: Sim, foi um momento surreal. Mal pude acreditar no que meus olhos estavam me mostrando naquele momento.

Lauren: Sim, os olhos dele estavam me percorrendo.

Cameron: É verdade.

HuffPost: Aposto que vocês deviam estar suando frio. Se fosse eu, estaria uma pilha de nervos.

Lauren: Sim, ele estava supernervoso.

Cameron: Porque ficamos um tempão em frente daquelas portas “da revelação”, esperando elas se abrirem. Pareceu uma eternidade.

Lauren: Pareceu que aquela espera se arrastou por 2.000 anos.

Cameron: Sim. Fiquei lá simplesmente repetindo o nome dela para mim mesmo. Não sei por quê.

Lauren: Sério mesmo?

Cameron: É que, agora que Lauren poderia me ver em carne e osso, eu ia pedi-la em casamento de novo, então queria que fosse, sei lá... Fiquei repetindo para mim mesmo, Lauren Michelle Speed. Lauren Michelle Speed.

Lauren: Oh, Cameron! Você nunca tinha me contado isso!

Cameron: Nunca tinha te contado?

Lauren: Isso é tão fofo, meu bem. 

DAMON DAHLEN/HUFFPOST; PRODUCED BY CHRISTY HAVRANEK/HUFFPOST

HuffPost: Vocês dois se conheceram nas celas, aí vocês se viram cara a cara, ficaram noivos de novo e foram levados embora para passar férias juntos. Como foi a vibe naquela primeira noite quando vocês ficaram juntos em carne e osso, tentando entender como era a relação?

Cameron: Como eu falei no programa, foi como acordar de um sonho e me descobrir em outro sonho. Soa brega, mas é verdade. Eu não conseguia acreditar. Fiquei tentando processar aquilo tudo.

Lauren: Não conseguíamos parar de nos agarrar, e eu sou desajeitada de qualquer jeito. Já vi comentários do tipo “Lauren é tão sem jeito diante das câmeras”. Não, eu sou desajeitada no geral. A gente já tinha criado uma relação, já tinha conversado muito. Já tínhamos tido muitos papos profundos, eu já o amava, estava vendo ele em pessoa pela primeira vez, podendo tocá-lo, acariciar a pele dele e olhar seus olhos. Ficamos maravilhados.

HuffPost: E como foi o processo de juntar os pertences dos dois e se mudar para um apartamento para viver juntos?

Lauren: Foi difícil para mim num primeiro momento. Não vou mentir – foi difícil, porque naquele momento da minha vida eu estava vivendo mais ou menos como eremita. Eu era independente, curtia ter meu espaço próprio. Tinha minha própria empresa, e minha vida amorosa não era muito boa. Então eu estava meio que acostumada a estar sozinha. Nunca antes tinha morado com um homem, tirando minha família. Então ir morar com outra pessoa, dividir meu espaço e estar ali com outra pessoa o tempo todo, isso foi algo com que eu tive que me acostumar. Cameron é muito carinhoso, e isso é algo que eu valorizo muito, mas eu tive que aprender a ficar à vontade dividindo aquele espaço, porque para mim foi diferente. Foi uma transição e tanto.

Cameron: Eu não quis pressioná-la para morarmos juntos, porque sabia o quanto o espaço dela era importante para ela. Então foi duro para mim porque eu estava louco para morar com ela, mas não fiz pressão. Não queria forçar nada.

Lauren: Sabe como é, eu já tinha todos meus hábitos formados, porque já tenho mais de 30 anos. Então era assim que eu estava vivendo. Mas deu tudo certo. Cameron foi superpaciente comigo. Ele falava “leve o tempo que você precisar. Tá tudo bem. Quando você precisar de seu espaço, me diga”. Então foi bom, superamos aquilo muito bem.

HuffPost: A gente se lembra quando você estava – bom, agora é a casa de vocês dois, imagino.

Lauren: Sim, é a nossa casa.

HuffPost: Mas você estava do lado de fora, no deque, e perguntou “mas posso ficar com meu apartamento também?”

Lauren: É verdade, eu disse isso. Porque foi meio assustador para mim. Tipo, peraí! Vou ter que abrir mão do meu cantinho e ir morar... Como eu falei no programa, meu apartamento é meu santuário. Sou uma pessoa solitária. Adoro estar no meu próprio espaço, ter minha própria música, ser esquisita ou qualquer coisa que eu quiser. Então eu estava apavorada, pensando, meu Deus, esta vai ser uma mudança completa. A sensação que eu tinha era de certa forma como se eu fosse ser arrancada pela raiz, ainda que não fosse necessariamente o caso. Era como se eu estivesse crescendo. Não estava sendo arrancada pela raiz. Mas acabei abrindo mão do meu apartamento. Ainda fiquei com ele por três meses depois de nos casarmos, porque eu ainda sentia necessidade disso. Precisava daquela transição. Eu não podia fazer o corte de uma hora para outra. Isso seria muito para mim. E Cameron me deu o maior apoio, então foi ótimo.

Cameron: É verdade. Uma coisa que descobri foi que, quando consigo dar a Lauren o espaço que ela necessita, ela fica mais feliz. Não é algo que ela precisa o tempo todo, mas descobri que quando ela pode ter esse espaço, é assim que ela recarrega suas baterias, vamos dizer assim. E é claro que, como qualquer casal casado, nós dois ficamos construindo nosso relacionamento continuamente. Mas essa foi uma coisa que eu precisei aprender rapidinho, e ainda bem que aprendi.

HuffPost: Como seus amigos e familiares reagiram quando vocês disseram “pessoal, vou passar um tempinho fora fazendo uma coisa, mas nos vemos daqui a  algum tempo. Pode ser eu volte noivo”? 

Lauren: As pessoas em sua maioria reagiram inicialmente com ceticismo. Mas acho que nossos amigos e família confiam em nós e sabem que nós dois sabemos avaliar o caráter das pessoas. Então eles disseram tipo “se é isso o que vocês estão sentindo, então vamos esperar para ver o que vai acontecer”. Bom, pelo menos foi assim que minha família e meus amigos reagiram. Eles disseram “é uma loucura, mas tudo bem, damos todo o apoio”.

HuffPost: Seus pais são nossos favoritos. O papai Speed me deixou em lágrimas no casamento de vocês.

Lauren: Menina, eu também estava em lágrimas. Não posso assistir àquela cena comigo e meu pai sem chorar toda vez. Se vocês passasses essa cena agora, eu começaria a chorar. Meu pai e eu sempre nos adoramos. Sou filhinha do papai, sem sombra de dúvida. Foi tão importante para mim que ele realmente abraçou essa história toda. Tipo, este é meu marido, sei que a gente se conheceu de um jeito incomum. Mas, quando ele ficou interrogando Cam, senti que isso era uma coisa que qualquer pai protetor faria por sua filha ou seu filho.

Cameron: Sim, eu faria a mesma coisa.

Lauren: Então foi uma coisa tensa, com certeza. Mas acho que esse é um dos ritos de passagem para o companheiro da filha da pessoa. O companheiro precisa passar por isso.

HuffPost: Sim. Lauren, você também saiu da sala [para aquela conversa]...

Lauren: Com certeza. Eles precisavam ter uma conversa de homem para homem.

Cameron: Foi uma conversa necessária.

HuffPost: Então no dia do casamento, vocês dois estavam decididos a dizer “sim”?

Lauren: Sabe de uma coisa, para mim foi assustador. É um compromisso importantíssimo que você está assumindo. É uma coisa sobre a qual eu pensei por muito tempo. Mas eu estava decidida. Mesmo assim, como falei, é uma coisa assustadora. Mesmo quando eu já estava arrumada, já tinha colocado o vestido de noiva, eu estava pensando, OK, Lauren, você vai realmente embarcar nessa? Estamos falando em um compromisso para toda a vida! Mas então deixei a preocupação de lado, dei ouvidos ao meu coração, e ele estava dizendo: sim! Vamos fundo, garota! 

Cameron: Foi tudo muito rápido, segundo qualquer critério. Mas todos vocês sabiam que eu ia dizer “sim”. Acho que isso já estava muito claro.

Damon Dahlen/HuffPost; Produced by Christy Havranek/HuffPost

HuffPost: Em nosso podcast, falamos de vários realities de namoro, mas focamos principalmente The Bachelor. Praticamente todos os participantes de programas como The Bachelor são brancos, e obviamente vocês dois são um casal inter-racial. Vocês dois viraram a história de amor central deste reality que ganhou dimensões inéditas. A gente se pergunta se vocês pensaram nisso enquanto estavam filmando e se tomaram consciência dessa dimensão quando o programa foi transmitido e vocês puderam ver as reações do público.

Lauren: No meu caso, a questão racial era algo que eu sabia que precisava ser tratada. Estando em um relacionamento inter-racial, não podemos simplesmente ignorar essa questão, porque é algo real, vivemos no mundo real e as coisas são o que são.

Então eu só queria realmente viver minha vida de maneira autêntica. Eu queria compartilhar minhas preocupações com os outros. Queria falar de como ficariam nossos filhos. Meus amigos e pares, o que pensariam? Isso tudo é novo para mim. E é lamentável – estamos em 2020, então isso não deveria ser um problema, mas essa é a vida real. Vocês sabem o que estou dizendo. Então foi incrível ver tudo isso acontecer, porque tantas pessoas se emocionaram com nossa transparência, como fomos francos sobre essa questão, como falamos de coisas da vida real, como isso poderia nos afetar na nossa vida e nossa família.

Muitas mulheres gostaram muito, porque, como vocês falaram, não se veem muitas mulheres negras em realities, nem sequer em realities de namoro, sendo o objeto de afeto, sendo as protagonistas ou sendo admiradas, então muitas pessoas ficaram felizes porque o que se viu não foram aquelas cenas estereotipadas de brigas vulgares. Eu sou uma garota negra um pouco excêntrica, meio nerd, meio desajeitada também. Então acho ótimo porque muita gente estava me vendo, e eu sinto que estava representando algo que não foi visto antes. Dou muito valor a isso.

HuffPost: O que você pensa disso tudo, Cameron? 

Cameron: Para mim, depois que ficamos noivos, o mais importante foi fazer nosso relacionamento dar certo. O aspecto de filmagem estava presente, é claro, mas entendi que aquelas eram conversas que precisávamos ter se quiséssemos ter um casamento bem-sucedido quando tudo aquilo, as filmagens e tudo mais, fossem embora. Ainda vamos estar casados, vamos ter filhos, e precisamos cuidar para que eles fiquem bem no mundo e cuidar de nossa família como um todo..

Então tivemos que conversar sobre como educar os filhos num relacionamento inter-racial. Crianças mestiças, como elas serão tratadas pela sociedade? Como as outras crianças na escola vão reagir a elas? Como vamos educá-las se elas serão vistas como negras e terão experiências diferentes da minha, como homem branco? Esse foi um tema crítico para discutirmos, não por causa do programa, mas porque estávamos prestes a nos casar.

Lauren: Essa é a vida real.

HuffPost: Sem sombra de dúvida. Acho que para nós, como espectadores, foi muito bacana ver esse assunto ser discutido, porque em muitos realities sobre relacionamento parece que os programas tentam existir em um mundo em que não existe raça e nem posições políticas.

Lauren: É verdade, e essas são questões muito reais.

HuffPost: Então como está a vida de vocês desde a filmagem? Vocês tiveram que passar 18 meses evitando postar fotos um do outro no Instagram?

Lauren: Tivemos! Tentando esconder nossas alianças e fotos. Foi uma maluquice. É claro que nossas famílias e amigos íntimos sabiam, mas tive que esconder o fato de estar casada de alguns de meus colegas de trabalho. Foi difícil. Não poder postar fotos, nada sobre nossas férias. Fazer parecer que eu estava sozinha. Postar apenas a frase, não a imagem da família: “Feliz Dia de Ação de Graças para todo o mundo!”

Cameron: Foi frustrante porque você quer compartilhar, especialmente quando está em um relacionamento feliz você quer compartilhar isso, especialmente hoje em dia. Não pudemos. E ter que fingir que eu era solteiro ou algo assim, era frustrante, sendo que estou casado, feliz, e tenho vontade de falar disso abertamente. Essa foi uma experiência superimportante para nós de várias maneiras.

Lauren: Isso mesmo.

DAMON DAHLEN/HUFFPOST; PRODUCED BY CHRISTY HAVRANEK/HUFFPOST
.

HuffPost: Nem consigo imaginar como isso pode ser, porque mesmo com The Bachelor são tipo três ou quatro meses de sigilo. Parece muito tempo.

Cameron: Foi uma espécie de batalha mental diária. Não sabíamos exatamente quando a série iria ao ar. Tentávamos não ficar pensando muito nisso. Acho que Lauren conseguiu lidar com isso melhor que eu.

Lauren: Se tivéssemos ficado obcecados com isso, teria sido uma tortura. Então eu disse OK, vamos aproveitar esse tempo para focar apenas sobre você e eu, fortalecer nosso relacionamento. Desse jeito, quando for ao ar, pelo menos estaremos fortes.

HuffPost: Então a gente assistiu ao reencontro. Eu queria saber o que passou pela cabeça de vocês dois quando Amber atacou Jessica. A impressão era de que vocês estavam altamente incomodados.

Lauren: É verdade. Não consigo esconder meu cara, pessoal. Meu rosto revela tudo. Então quando ela disse aquilo, eu falei algo tipo “será que tem segurança aqui? Porque acho que isso daqui pode virar um quebra-pau.” Agora é apenas tipo “é bom que não venham para cá e batam em mim por engano.” Mas sabe de uma coisa? Eu vi o rosto de Amber enquanto Jessica estava falando e pensei, se ela disser uma coisinha errada, Amber vai explodir. Quando ela falou “sua mentirosa” ou sei lá o quê, pensei: é agora que a situação vai ficar feia.

Cameron: Pensei que depois daquilo seria um dia muito longo mesmo, mas foi ótimo rever todo mundo.

Lauren: Acho que muitas pessoas puderam dar um nó e ponto final nas coisas que tinham ficado no ar com outras pessoas, puderam extravasar seus sentimentos, então...

Cameron: As pessoas tinham algumas coisas que precisavam colocar para fora.

Lauren: Evidentemente!

HuffPost: Bom, vocês fizeram parte desse “experimento” e vocês sabem como poderia ser complicado. Mas uma pessoa como Jessica recebeu toneladas de críticas. Comentários horríveis, tipo ódio.

Lauren: Sim, foi feio. Foi bullying.

HuffPost: Achamos isso injusto. Vocês também pensam assim? Ver uma pessoa com quem vocês trabalharam em um elenco tendo que sofrer um pouco mais que as outras pessoas.

Cameron: Sim, com certeza.

Lauren: É lamentável mesmo, especialmente porque num programa como esse você precisa ser vulnerável, e mesmo que você esteja querendo encarar sua verdade, tipo o que Jessica tenha feito ou dito, esperemos que tenha sido a verdade dela naquele momento. E o fato é que ela escancarou isso e, infelizmente, o público reagiu negativamente. Posso imaginar que isso deve doer. Por mais que ela tenha amadurecido com esse processo todo, e não importa o que ela tenha feito na época, isso machuca. Tipo, cara, eu estava apenas dizendo o que sentia e agora estou sendo crucificada por isso. É lamentável, mas esse é o reality show. Você abre sua vida às opiniões dos outros sem saber se elas serão positivas ou negativas.

HuffPost: Sempre há alguém disposto a levar a crítica longe demais.

Lauren: Isso mesmo! Exatamente.

Cameron: Só para acompanhar um pouco o que Lauren disse, a vulnerabilidade era tão grande, essa era uma condição para você poder participar do jeito certo. Conhecer alguém e se apaixonar. Você tinha que escancarar todos seus sentimentos para o mundo ouvir. A qualquer pessoa que esteja ouvindo, peço cautela antes de julgar as pessoas por isso. Apesar de termos falado muito sobre isso, é difícil para quem está de fora saber como eram as celas e como foi a experiência como um todo.

HuffPost| Também ficamos sabendo que Gi e Damian ainda estão namorando, isso é super empolgante.

Lauren: Sim, foi uma surpresa!

HuffPost: Vocês os encontram por aí? Puderam ver o relacionamento deles crescer?

Lauren: Cameron ficou amigo de Damian.

Cameron: Converso com Damian toda semana. Acho que eles estão investindo nesse relacionamento já há algum tempo. Eles têm um relacionamento muito singular, acho. Não vou fazer de conta que entendo o que acontece mais de perto nesse relacionamento.

Lauren: Sabe de uma coisa, se funciona para vocês, então vão fundo!

Cameron: Estou torcendo realmente para dar certo, e eles estão investindo nisso agora.

Lauren: Torço para eles serem felizes.

Cameron: Sim, acho que isso é o mais importante, só queremos que eles sejam felizes, do jeito que for.

HuffPost: No reencontro eles pareceram estar muito bem, e a impressão foi que Gi realmente foi mais fundo no relacionamento deles. Ela parece ter amadurecido muito no que diz respeito a como eles se tratam, como eles se falam. 

Lauren: Espero que sim. Depois de um ano e meio, espero que os dois tenham amadurecido como indivíduos, mas também como casal.

Das pessoas que fizeram parte do elenco, de quem vocês ficaram mais amigos? Há alguém que vocês vejam com frequência, com quem conversem bastante?

Lauren: Acho que é Mark.

Cameron: A gente conversa mais com Mark. Mas também continuei amigo de Damian.

Lauren: Mark é o máximo. Oi, Mark!

HuffPost: Também quero falar de Kenny, que teve um momento super bacana no episódio final, quando até a mãe de Kelly disse algo tipo “adoro ele”.

Lauren: Aquele discurso foi demais. Ele podia se candidatar a um cargo político!

HuffPost: Ele realmente controlou bem. Foi impressionante. Mas revelou que tem uma namorada nova, que a experiência de Casamento às Cegas o ajudou a trabalhar esse relacionamento e que o que ele precisa fazer para ficar mais vulnerável. Vocês conheceram a nova namorada?

Cameron: Ainda não. Vamos adorar conhecer, se tivermos a oportunidade.

Lauren: Sim. Mas sinto que essa experiência toda tem que mudar você como um todo. Você não pode mais ser a mesma pessoa que era quando começou o seriado, especialmente não depois de um ano e meio. Você aprende a se conhecer muito melhor, porque está tentando formar um relacionamento com alguém e não pode fazê-lo direito se não souber quem você é e o que você quer da vida. Por isso o processo inteiro transforma sua vida e é incrível.

Cameron: Houve tanta introspecção acontecendo ao longo do processo inteiro. E, falando do lado dos homens, poderíamos imaginar que haveria alguma concorrência. Todos nós ficávamos falando de nossas emoções o dia inteiro quando não estávamos na cela. Não é isso o que se vê geralmente, um bando de homens falando de como estão se apaixonando por essas mulheres diferentes. Foi uma coisa linda e todos nós saímos dela transformados, como Lauren disse.

HuffPost: Com certeza. Bom, o povo se manifestou e quer que vocês dois apresentem a segunda temporada [risos]. Talvez precisemos nos livrar dos Lacheys! 

Lauren: Uaaaau. [Mais risos]

HuffPost: Mas qual será a próxima aventura de vocês dois? Sei que já foi aventada a ideia de uma spinoff, que as pessoas querem que vocês apresentem, que as pessoas querem que vocês tenham um canal no YouTube. O que vocês dois querem fazer?

Lauren: Adoraríamos fazer todas essas coisas. Quem estiver nos ouvindo que possa fazer isso acontecer... Mas vamos começar pelo YouTube. Vamos começar ali, continuar a compartilhar nossa vida e nossa história e pedir o resto. Vamos ver o que acontece.

Cameron: Para mim, além de construir nosso relacionamento, uma das coisas mais importantes têm sido “trabalhar com” Lauren todos os dias. Estarmos juntos na nossa vida profissional também, em certo sentido. Só o que eu quero é continuar a fazer projetos com Lauren do jeito que for possível, realmente.

HuffPost Brasil: E além disso ainda ser tipo um cientista de inteligência artificial?

Lauren: Eu sei, é uma loucura!

Cameron: Uma coisa doida.

Esta entrevista foi editada e resumida para permitir maior clareza. Para ouvir a entrevista completa, procure o “Here To Make Friends” no Apple Podcasts ou onde quer que você ouça. Este texto foi publicado originalmente no HuffPost US e traduzido do inglês.