OPINIÃO
10/05/2020 09:45 -03 | Atualizado 10/05/2020 09:45 -03

Carta ao bebê no meu primeiro Dia das Mães

Definitivamente, você me faz uma pessoa melhor. Por que mesmo eu demorei todo esse tempo pra te conhecer?

Arquivo pessoal
Sobre as muitas coisas que você me ensinou desde que o teste da farmácia deu positivo

Nessa semana que passou eu completei 38 anos, você completou 10 meses e hoje eu comemoro meu primeiro Dia das Mães com você nos meus braços.

Também nessa semana nasceu seu terceiro dente, e, mesmo antes de sequer pensar em ser mãe, eu já sabia que essa é uma fase complicada para os bebês (e para os pais).

Na última terça-feira, você, um bebê conhecido por sua simpatia, passou o dia choroso e irritado, e não dormiu nada – o que é prenúncio de encrenca.

Enquanto eu precisava terminar umas coisas do trabalho, você quase engoliu um post-it e se pendurou na estante algumas vezes. Caiu. Chorou. Perdi a paciência e, dois minutos depois, me senti culpada. Afinal, você estava num dia ruim. E quem não tem dias ruins?

Pois essa foi só uma das coisas que você me ensinou desde que o teste da farmácia deu positivo. Foram muitas.

Saber esperar é outra. Esperar 12 semanas para que o enjoo cesse. Esperar a sua hora de nascer. Esperar seus 3 meses de vida para que as coisas, enfim, se acertem. Hoje é mais fácil entender que tudo tem seu tempo.

Você também me levou a aceitar que não tenho o controle sobre tudo. Na verdade, a aceitar que eu posso controlar muito pouco. E quando a gente entende isso, um peso enorme sai das costas. Obrigada.

Você me fez ver a necessidade de ser menos rígida comigo e com os outros. A ter mais empatia. A louça suja pode, sim, ficar na pia mais um pouco. Tudo bem se a vacina atrasar porque não rolou de fazer antes. Eu estou sendo, sim, a melhor mãe que eu posso ser.

Nos últimos dias você começou a franzir a testa. Num café da manhã, olhava pra mim e fechava a cara, olhava para o seu pai e sorria. Na hora, rimos disso. Depois, pensei se você não estava simplesmente reproduzindo o que via. Não dá pra negar: minha testa fica franzida com mais frequência que a do seu pai. Perceber isso já me faz sorrir mais e sofrer menos. Razões não faltam. Mais uma lição.

E tudo isso em 19 meses. 

Definitivamente, você me faz uma pessoa melhor, meu bebê. E por que mesmo eu demorei todo esse tempo pra te conhecer?