NOTÍCIAS
24/07/2020 13:39 -03 | Atualizado 24/07/2020 14:09 -03

Coronavírus faz SP cancelar Parada LGBT deste ano e adiar data do Carnaval 2021

Decisão foi tomada em conjunto com blocos tradicionais e a Liga das Escolas de Samba. Nova data ainda será definida.

Devido à pandemia do novo coronavírus, o Carnaval 2021 foi adiado em São Paulo, e a Parada do Orgulho LGBT, adiada para novembro, foi cancelada. O anúncio foi feito pelo governo municipal de SP nesta sexta-feira (24).

A prefeitura informa que a decisão foi tomada em conjunto com a Liga das Escolas de Samba de São Paulo e com a ONG APOGLBT, responsável pela Parada. Nova data para os blocos de rua e desfiles ainda não foi definida, mas podem ser remarcados a partir do final de maio ou início de julho de 2021.  

“Tanto as escolas de samba quanto os blocos entenderam a inviabilidade de organização do carnaval para fevereiro do ano que vem”, pontuou o prefeito Bruno Covas. “Apesar de uma queda [nos registros de casos e mortes] e de a cidade estar evoluindo no Plano São Paulo, nós ainda estamos enfrentando a pandemia.”

O total de mortes causadas pelo novo coronavírus no País chegou a 84.082 nesta quinta-feira (23), de acordo com levantamento divulgado pelo Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), com registros compilados até às 18h. Foram 1.311 notificações nas últimas 24 horas.

Em números absolutos, o estado de São Paulo lidera o ranking de vítimas fatais, com 20.894 óbitos - o que coloca a região como o epicentro da pandemia no Brasil. Em seguida, estão os estados do Rio de Janeiro (12.535), Ceará (7.374), Pernambuco (6.211) e Pará (5.616) em maior número de casos.

Paulo Whitaker / Reuters
Parada LGBT, em 2020, foi realizada de forma online. Evento reúne pelo menos 3 milhões de pessoas anualmente na Avenida Paulista.

Assim como a decisão pelo adiamento do Carnaval em fevereiro foi feita em conjunto, Covas informou que a nova data será estabelecida da mesma forma, junto com as organizações dos blocos e a Liga das Escolas de Samba. 

“Importante destacar que estamos falando de um desfile [no Anhembi, das escolas de samba] que movimentou 120 mil pessoas no ano passado e trouxe benefício econômico de R$ 227 milhões”, destacou o prefeito.

No dia 14 de junho, a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, que leva mais de 3 milhões de pessoas à Avenida Paulista anualmente, foi realizada de forma online - na mesma data em que estava programada para acontecer sem a pandemia. Mesmo assim, o evento manteve cronograma para novembro. Após a decisão de hoje, a Parada presencial em 2020 foi cancelada. 

Em nota, a ONG afirmou que segue com o projeto “Parada Solidariedade” de apoio a pessoas LGBT situação de vulnerabilidade e afirma que, em 2021, o evento acontecerá no dia 6 de junho. “Esperamos que até lá a pandemia tenha acabado e possamos realizar todos os nossos eventos culturais”, diz o texto.

Além do Carnaval e da Parada LGBT, o evento religioso Marcha para Jesus, que também havia sido adiado para novembro, foi cancelado nesta sexta. A organização da Marcha informou que ainda apresentará novo formato para que o evento seja realizado de forma segura em 2021.