NOTÍCIAS
04/02/2020 02:00 -03 | Atualizado 04/02/2020 02:00 -03

Qual foi o custo real do Brexit para o Reino Unido?

Examinamos cifras de analistas e do governo sobre os valores gastos até agora e estimativas sobre os gastos futuros.

Depois de mais indecisão e “vai e não vai” do que Ross e Rachel em “Friends”, o dia do Brexit finalmente chegou na última sexta-feira, 31 de janeiro.

Quer você tenha dado um adeus tristonho à União Europeia enquanto curtia uma paella espanhola, um gelato italiano e uma garrafa de vinho francês ou tenha festejado o dia com Nigel Farage e seu bando de alegres “brexiteiros” na Parliament Square, todos saímos da UE.

Mas quanto já nos custou chegar a esse ponto, sem levar em conta os milhões de colunas iradas de jornais e de fóruns de discussão ainda mais acalorados? E sem falar em inúmeros jantares em família marcados por divergências incômodas em torno do assunto.

Ótima pergunta. Pena que não existe uma resposta simples para dar.

Desde antes de serem anunciados os resultados do referendo de 2016, analistas vêm se esforçando para contabilizar o custo da saída britânica da União Europeia.

Muitas cifras diferentes já foram aventadas. Mas, agora que o Reino Unido acaba de selar o divórcio do século, veja o que os especialistas dizem sobre quanto o Brexit já custou aos britânicos - e quanto ainda pode custar.

‘O custo do preparo: £ 6,3bi’ (R$ 35,6 bi)

Uma das entidades que vêm tentando fazer a conta de quanto está custando o Brexit é o think tank Institute for Government (IfG). Segundo a organização, o governo britânico se comprometeu a gastar £6,3 bilhões até abril deste ano com os preparativos para o Brexit.

O IfG calcula que, com esse valor, seria possível comprar dois porta-aviões novos em folha comparáveis ao Queen Elizabeth ou estender a ferrovia Thameslink até o sudeste da Inglaterra.

Mas como decompor esse valor?

De acordo com os cálculos do instituto, enquanto a ex-primeira-ministra Theresa May esteve no poder em Downing Street, seu governo prometeu reservar £4,2 bilhões (R$23,7 bilhões) para os preparativos para o Brexit.

Desse total,  

  • £935 milhões foram dados ao Home Office (o ministério do Interior) 
  • £787 milhões foram entregues ao Departamento do Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais (Defra)
  • £682 milhões ficaram para HM Revenue and Customs (HMRC, a Receita Federal britânica)
Institute for Government
O montante anual dado a cada departamento do governo para custear seus preparativos para o Brexit, segundo o Institute for Government

Enquanto isso, o IfG divulgou que os £2,1 bilhões prometidos pelo governo de Boris Johnson foram usados para pagar por preparativos para um Brexit sem acordo com a UE, incluindo: 

  • £344 milhões aplicados na adequação da infraestrutura nas fronteiras 
  • £434 milhões usados para garantir o transporte de medicamentos
  • £138 milhões reservados para uma campanha de informação pública

Do montante de £2,1 bilhões, £1 bilhão teria sido colocado numa reserva central para uso pelos departamentos do governo se precisarem de dinheiro adicional para cobrir os preparativos para um Brexit sem acordo com a UE.

Mas como ficarão os custos futuros? Segundo o instituto, o ministro das Finanças, Sajid Javid, já reservou £2 bilhões adicionais para os preparativos do Brexit em 2020/2021, com verbas extras previstas para o Defra e o HMRC. 

‘Quanto custou à economia até agora: £130 bi’ (R$ 735 bi) 

Enquanto o Institute for Government procurou calcular quanto o governo já gastou para preparar o Reino Unido para o Brexit, a Bloomberg Economics analisou outra questão: quanto a decisão de sair da União Europeia já custou à economia britânica?

Segundo os economistas do site, o custo foi muito alto: algo em torno de £130 bilhões (R$735 bilhões). E eles calculam que essa cifra chegue a £200 bilhões (R$1,1 trilhão) até o final do ano.

A Bloomberg diz que, nos últimos três anos, o Reino Unido começou a se distanciar dos países do G7 – França, Alemanha, Itália, Japão, Canadá e Estados Unidos.

Economistas creem que, em consequência disso, a economia britânica ainda esteja 3% menor do que estaria se o país tivesse votado em 2016 por permanecer na União Europeia – mesmo depois de levada em conta a desaceleração do crescimento global.

Enquanto isso, os investimentos vêm sendo freados pelo clima de incerteza gerado pelo Brexit, disseram os economistas, tanto que a taxa de crescimento anual caiu pela metade, para 1%.

No relatório, que foi publicado em janeiro, o economista da Bloomberg previu que a economia britânica receberá uma “injeção de ânimo” em 2020, mas que o efeito não vai durar.

“Enquanto o Reino Unido encara seu novo relacionamento comercial com a UE e enfrenta os problemas de produtividade que vêm atrapalhando o crescimento desde a crise financeira, o provável é que o custo anual do Brexit continue a subir”, ele disse.

‘O custo futuro: £70 bilhões’ (R$395 bilhões) 

PA Wire/PA Images
O National Institute of Economic and Social Research prevê que o Brexit custará £70 bilhões à economia britânica até 2029 

Como a Bloomberg Economics, o National Institute of Economic and Social Research (NIESR) – um think tank econômico – vem procurando calcular o efeito que o Brexit terá sobre a economia britânica.

Sua conclusão é que o PIB (que mede a saúde e/ou as dimensões da economia) será 3,5% mais baixo até 2029 do que seria se o Reino Unido tivesse decidido permanecer parte da UE.

Mas, deixando de lado o economês, o que isso tudo significa concretamente?

Bem, segundo o instituto, significa que o Reino Unido sofrerá um rombo de £70 bilhões.

Os pesquisadores chegaram a essa cifra partindo da premissa de que o Reino Unido deixe a UE ao término de um período de transição, que pode durar até 2021, munido de um acordo comercial justo, e que também estará negociando acordos comerciais com outros países.

Os economistas do NIESR calculam que a presença de barreiras mais altas à circulação de bens, serviços e ao comércio, além de restrições à migração, vai impor à economia um prejuízo de £70 bilhões ao longo de dez anos.

Mas o Brexit já começou a prejudicar os cofres britânicos, segundo o instituto.

Em seu relatório, divulgado depois de Boris Johnson ter fechado seu acordo de Brexit com a UE em dezembro, o NIESR estimou que a economia britânica já está 2,5% menor do que estaria se os eleitores tivessem votado “permanecer” no referendo de 2016 sobre a saída do país da União Europeia.

‘Custo dos recursos disponibilizados para os preparativos: £8 bi’ (R$ 45 bi)

PA Media
O ministro das Finanças, Sajid Javid, com a nova moeda de 50 pence cunhada para celebrar a saída do Reino Unido da UE

É claro que o governo tem suas próprias cifras sobre o custo do Brexit.

Quando o HuffPost perguntou ao Tesouro britânico quanto já gastou para preparar o país para sair da UE, a resposta foi que o departamento disponibilizou mais de £8 bilhões desde o referendo de junho de 2016.

Mas para ser gasto com o quê? O detalhamento de custos apresentado pelo governo, na realidade, é muito semelhante ao que é visto no relatório do IfG. O Tesouro informou que reservou £2,1 bilhões para o planejamento para um Brexit sem acordo em 2019/20 e outros £2 bilhões para ajudar a concretizar o Brexit em 2021.

Quando Sajid Javid anunciou a verba destinada aos preparativos para um Brexit sem acordo, disse que ela será gasta com várias coisas, entre as quais: 

  • 500 agentes adicionais para a Força da Fronteira
  • Melhorias à infraestutura de transportes nos portos 
  • £138 milhões para comunicações públicas, incluindo uma nova campanha informativa sobre o Brexit 
  • Um fundo de £108 milhões para apoiar as empresas em seus preparativos para o Brexit
PA Wire/PA Images
Anúncio “prepare-se para o Brexit” erguido pelo governo em Londres em setembro

E os £2 bilhões reservados para colocar o Brexit em prática em 2020/21? O Tesouro disse em 2019 que esses “recursos fundamentais” serão encaminhados a departamentos do governo “para ajudar a pagar pelos custos do estabelecimento de um novo relacionamento com a UE”.

São os seguintes: 

  • £480 milhões serão dados ao Home Office para gastar com a Força da Fronteira e a concretização do EU Settlement Scheme, o programa de regularização da permanência de cidadãos europeus residentes no Reino Unido 
  • £432 milhões serão repassados ao Departamento do Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais para “traçar padrões globais na proteção do meio ambiente e obtenção de valor a partir dele” 
  • O Departamento de Empresas, Energia e Estratégia Industrial receberá £191 milhões para custear “atividades ligadas ao Brexit” 
  • O HMRC (a Receita) receberá £382 milhões 

 

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost UK e traduzido do inglês.