NOTÍCIAS
27/03/2020 01:00 -03

Idade da população e quantidade de leitos podem diferenciar Brasil da Itália, diz ministério

Secretário-executivo do ministério, João Gabbardo ressalta que o Brasil é equipado com mais leitos hospitalares que a Itália.

O que pode diferenciar o destino do Brasil do caos na Itália, ante a disseminação do novo coronavírus, é a quantidade de leitos disponíveis no País, associada à faixa etária da população. Essa é a avaliação do secretário-executivo do ministério, João Gabbardo, número 2 do Ministério da Saúde. A Itália é o país que tem recorde de mortes — ao menos 8.165 — e mais de 62 mil casos confirmados até esta quinta-feira (26).

O secretário afirmou que a população da Itália é mais velha que a brasileira e a “segunda diferença é a capacidade instalada que o Brasil tem de leitos”. “Temos pelo menos 3 vezes mais leitos não em número absoluto, mas proporcional em relação à população”, disse. Ele ressaltou que só em São Paulo há mais leitos do que em toda a Itália.

“Quando se somam os casos da Itália, dá a impressão de que o país todo está vivendo a mesma coisa, o que não é verdade. E vai ser a mesma coisa no Brasil, que é um país de tamanho continental”, alerta.

Ainda de acordo com ele, a Itália teve 3 ou 4 epidemias dentro da pandemia. A expectativa dele é que o Brasil reaja de outra maneira. Gabbardo destaca que o Ministério da Saúde tem feito o possível para evitar a aceleração da disseminação do vírus.

Stefano Guidi via Getty Images
Itália tem ao menos 8.165 mortes e mais de 62 mil casos confirmados.

Em um mês desde o primeiro caso confirmado no Brasil, o país tem quase 3 mil casos e 77 mortes. A orientação do Ministério da Saúde é que os pacientes sintomáticos fiquem em isolamento domiciliar, assim como seus familiares, se possível em ambientes separados. A pasta recomenda ainda que se reduza ao máximo a circulação de brasileiros a fim de evitar aglomerações.

O secretário-executivo do ministério adverte que “vai crescer muito o número de casos confirmados” devido à mudança na metodologia de contagem dos casos. Segundo ele, ainda não é possível medir o impacto das medidas de isolamento adotadas. A doença atualmente cresce abaixo de 33% dia a dia, conforme previsto pelas autoridades sanitárias, em um cenário sem ampliação da testagem.

Gabbardo também destaca a letalidade de 2,6%, abaixo da mundial, de 4%. A partir desta quinta, o cidadão pode acompanhar o avanço da pandemia por meio deste painel online.