LGBT
04/02/2019 15:43 -02 | Atualizado 04/02/2019 16:23 -02

O que você precisa saber sobre 'Boy Erased', filme sobre 'cura gay' que não estará nos cinemas do Brasil

Universal Pictures justifica cancelamento por "motivos comerciais".

Divulgação
Os atores Lucas Hedges e Théodore Pellerin em cena de Boy Erased - Uma Verdade Anulada.

O filme Boy Erased - Uma verdade anulada tinha estreia marcada para 31 de janeiro nos cinemas brasileiros, a Universal Pictures, distribuidora do longa, cancelou a estreia e decidiu lançá-lo direto em streaming e home video.

A decisão de cancelar o lançamento da obra, que é baseada no livro do norte-americano Garrard Conley e conta a história de um jovem que passou por tratamento de “cura gay” nos Estados Unidos, foi classificada por fãs como “censura” nas redes sociais.

A distribuidora respondeu aos fãs no Twitter mas, em comunicado à imprensa, disse que não houve censura e que o lançamento foi cancelado por “questões comerciais”:

“Não houve censura alguma. A Universal Pictures não lançará ‘Boy Erased’ nos cinemas, única e exclusivamente, por uma questão comercial baseada no custo de campanha de lançamento versus estimativa de bilheteria nos cinemas. Acordo com nosso escritório regional”, disse em nota.

O estúdio afirma que desistiu de lançar o filme no Brasil após o escritório regional da empresa avaliar que o custo de campanha do longa não compensava o provável desempenho nas bilheterias.

Boy Erased não foi um hit nas bilheterias norte-americanas. Segundo o IMDB, o longa rendeu quase de US$ 8 milhões no mundo, resultado que não é impressionante, mas que para uma produção independente é bem decente. O filme também não foi vitorioso nas premiações que antecedem o Oscar 2019.

O livro, lançado em 2016 foi bem avaliado veículos de comunicação de peso, como o jornal The Washington Post, e entrou na lista Top 10 Biografias do Oprah’s Book Club, da apresentadora americana Oprah Winfrey. 

Lucas Hedges, que interpreta o jovem Jared no longa, foi indicado a melhor ator dramático no Globo de Ouro; o filme também concorreu a melhor canção na premiação, mas não saiu vitorioso. Também não foi lembrado SAG Awards, premiação do Sindicato dos Atores ou no Oscar.

O longa com a temática “cura gay” não foi o único que a Universal desistiu de lançar nos cinemas brasileiros. Bem Vindo à Marwen, estrelado por Steve Carell, também não vai estrear no circuito brasileiro. A justificativa é a mesma.

Garrard, Kevin e a discussão com Bolsonaro

Garrard Conley, autor do livro no qual o filme é baseado, escreveu sobre o caso no Twitter, mas depois apagou o post:

″‘Boy Erased’ censurado no Brasil. Sentia que isso poderia acontecer e estou muito triste que esse tipo de coisa aconteça em um país tão incrível”, escreveu.

O fato revoltou também o ator Kevin McHale (o Artie Abrams, da série Glee). Ele usou o Twitter para protestar, indicando que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) estaria diretamente envolvido com o não lançamento do filme no País.

“E assim começa, @BoyErased acabou de ser banido no Brasil. Bolsonaro é perigoso e uma ameaça para a comunidade LGBTQ + no Brasil. Censurar um filme sobre os perigos da terapia de conversão é apenas o começo.”

O presidente Jair Bolsonaro respondeu ao ator dizendo que “tem mais o que fazer”.

Após a resposta de Bolsonaro, McHale seguiu seu protesto dando uma indireta sobre o uso de fake news por parte de Bolsonaro.

“Ao contrário da crença popular, isso não é ‘fake news’. Nós sabemos que tipo de pessoas usam essa frase. O estúdio não deu uma razão específica para puxar o filme, mas quando você tem uma data de lançamento e um contrato e de repente ele é puxado ... É assim que a censura se parece.”

Logo depois argumentou que o presidente brasileiro não precisa agir pessoalmente para censurar o filme, mas que o “ambiente anti-LGBTQ” contribui para esse tipo de ação.

“Além disso, Bolsonaro não precisa tomar pessoalmente a decisão, mas por causa do ambiente anti-lgbtq que ele criou e cultivou, isso se traduzirá em decisões como essa. Além disso, está sendo investigado.”

McHale seguiu explicando o porquê de classificar o não lançamento do filme nos cinemas brasileiros como censura:

“Se um estúdio não diz isso para não se meter em problemas, então temos que fazê-lo.”

“Censura nem sempre é evidente. Por exemplo, o governo poderia ter dito que, se o divulgassem, dificultariam a sua visualização (pequenos teatros, publicidade, etc.). Isso ainda é censura, não é óbvio, mas é ainda mais perigoso porque as pessoas não percebem”, escreveu.

Qual a história de ‘Boy Erased’?

 O filme conta a dolorosa jornada do jovem gay Jared (Lucas Hedges). Aos 19 anos, o filho de Marshall Eamons (Russel Crowe), pastor da Igreja Batista de uma pequena cidade do Arkansas, e da religiosa Nancy Eamons (Nicole Kidman) é submetido a um programa de terapia que promete a “cura gay” após ter sua sexualidade confrontada pelos pais.

Boy Erased é baseado no livro de memórias homônimo do ativista americano Gerrard Conley e traz à tona uma controversa realidade enfrentada por 77 mil pessoas que estão atualmente na chamada “terapia de conversão” nos EUA.

Dirigido por Joel Edgerton – que também participa do filme na pele do terapeuta de Jared - Boy Erased: Uma Verdade Anulada foi indicado ao Globo de Ouro 2019 em duas categorias: Melhor Ator de Filme – Drama, pela atuação de Lucas Hedges, e Melhor Música Para Filme, por Revelation.