OPINIÃO
14/10/2019 20:24 -03 | Atualizado 14/10/2019 20:24 -03

'Bom Sucesso' é exemplo de novela de ótimo texto com audiência alta

Folhetim de Rosane Svartman e Paulo Halm é um alento diante de textos de novelas sem o menor cuidado, sutileza ou refinamento que alcançam ótimas audiências.

Estevam Avellar/TV Globo
Alberto (Antônio Fagundes) e Paloma (Grazi Massafera) em cena de "Bom Sucesso". 

Bom Sucesso, a novela das sete da Globo, consegue a façanha de agradar público e crítica - o que tem se tornado cada vez mais raro. Os elogios mais recorrentes são ao texto e à trama, escrita de forma delicada sem abrir mão dos apelos folhetinescos que fazem a festa dos noveleiros.

A produção tem se mantido na média de 30 pontos no Ibope da Grande São Paulo - já são quase 4 pontos a mais que a média geral da antecessora, Verão 90. É a maior audiência no horário das sete em sete anos, desde Cheias de Charme (veja quadro abaixo). E, pelo andar da carruagem, periga fechar com uma média ainda maior que a da novela das Empreguetes.

Em pleno mês de outubro, a trama de Bom Sucesso perpassa as festas de fim de ano, bagunçando a cronologia do público e até suscitando discussões. É inédito: nunca antes acompanhamos em uma novela o desenrolar de uma semana de Natal em uma época que não fosse o Natal. O que já aconteceu foi uma ou outra sequência natalina rápida para sinalizar o tempo para o público - como no início de Laços de Família, novela que estreou em junho de 2000 em ritmo de festas de fim de ano, mas logo teve uma passagem de tempo para a sua atualidade.

Reprodução
As atrizes Fabiula Nascimento e Valentina Vieira em cena da novela das 7. 

A trama de Bom Sucesso começou no finalzinho de julho (com Alice perdendo o Enem), e, dois meses e meio depois (no tempo real), alcançou o Natal. De lá para cá, vários acontecimentos se sucederam. Todavia, em seu tempo, a novela avançou apenas alguns meses. A autora Rosane Svartman (que assina o folhetim com Paulo Halm) justificou no Twitter: “O tempo narrativo não é igual ao tempo real. Já tivemos novelas cujo tempo narrativo era praticamente o de uma noite (O Rebu) e a novela durou meses”, escreveu.

Esse ineditismo causou um nó na cabeça do telespectador, muito acostumado a só ver tanta comemoração de Natal (decoração de árvore, preparação de ceia, troca de presentes) apenas em um ou dois capítulos durante a semana de Natal. Porém, há um lado bom: com texto repleto de (bom) sentimentalismo, os capítulos ficaram mais bonitos – se tivesse sido em pleno Natal, passaria despercebido pelo público ou porque a audiência despenca, ou porque todos estão há semanas se preparando para a data e as referências resvalam no lugar comum (passam batido).

O Natal em Bom Sucesso trouxe ainda um momento muito aguardado pelo público: a reconciliação de Alberto (Antônio Fagundes) e Paloma (Grazi Massafera), em uma sequência delicada que referencia um clássico da literatura universal: Um Conto de Natal, de Charles Dickens. Foi uma catarse!

Isabella Pinheiro/TV Globo
Os autores Paulo Halm e Rosane Svartman.

Esse Natal fora de época de Bom Sucesso ressalta ainda mais o ótimo texto da novela. Outro forte apelo é o incentivo à leitura, por meio não somente das inúmeras referências a obras literárias, muito bem pontuadas na trama, como também pela dramatização lúdica dessas obras, com os personagens vivendo o que leem ou citam nos livros - como na cena em que Alberto vivencia Um Conto de Natal e reencontra Paloma.

Bom Sucesso é um alento diante de textos de novelas sem o menor cuidado, sutileza ou refinamento que alcançam ótimas audiências. E um alento diante da onda de descaso à educação, à cultura e às artes que assola o país. A novela de Rosane Svartman e Paulo Halm consegue agradar a todos com qualidade. E – vejam só! - ainda lembra o público de que o espírito natalino independe de época e pode ser praticado o ano todo!

Até o momento, Bom Sucesso acumula 30 pontos no Ibope da Grande São Paulo. Veja as médias finais das audiências das novelas antecessoras no horário das sete:

Verão 90: 26
O Tempo Não Para: 24
Deus Salve o Rei: 26
Pega Pega: 29
Rock Story: 26
Haja Coração: 27
Totalmente Demais: 27
I Love Paraisópolis: 23
Alto Astral: 22
Geração Brasil: 19
Além do Horizonte: 20
Sangue Bom: 25
Guerra dos Sexos: 23
Cheias de Charme: 30

Nilson Xavier assina esta coluna no HuffPost. Siga nosso colunista no Twitter e acompanhe seus melhores conteúdos no site dele. Também assine nossa newsletter aqui com os melhores conteúdos do HuffPost.