POLÍTICA
08/03/2019 15:36 -03

Bolsonaro prefere não comentar situação de ministro envolvido com candidatas laranjas

De acordo com as denúncias, ministro do Turismo teria patrocinado esquema de desvio de verba pública em Minas.

Montagem/Reuters
Bolsonaro sobre ministro do Turismo: 'Deixa as investigações continuarem'

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) preferiu não comentar nesta sexta-feira (8) as suspeitas de candidaturas laranjas no PSL que envolvem o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

“Deixa as investigações continuarem”, disse Bolsonaro, ao fim de entrevista coletiva no Palácio do Planalto, onde ocorria a cerimônia de entrega de credenciais para os novos embaixadores de 6 países.

Questionado pelos jornalistas se as investigações contra o ministro causavam alguns constrangimento ao governo, ele preferiu se esquivar da pergunta e encerrou a entrevista. 

Candidaturas laranjas no PSL

De acordo com as denúncias, o ministro, que foi presidente do PSL mineiro e o deputado federal mais votado no estado, teria patrocinado um esquema de candidaturas laranjas, todas abastecidas com recursos públicos recebidos pelo PSL.

Segundo reportagem do jornal Folha de S.Paulo, 4 candidatas do partido teriam recebido R$ 279 mil, porém contaram com votação praticamente inexpressiva.

Na quinta-feira (7), a Procuradoria Regional Eleitoral de Minas Gerais instaurou um procedimento de recolhimento de informações para analisar a prestação de contas da candidata a deputada estadual Zuleide Aparecida de Oliveira, integrante do PSL mineiro.

Ela é a primeira a implicar diretamente o ministro no esquema de desvio de dinheiro público.

Zuleide afirmou que ele teria viabilizado a sua candidatura para que pudesse devolver verbas ao partido. 

Em reunião no escritório de Belo Horizonte, ele a teria convidado para ser laranja e para devolver R$ 45 mil dos R$ 60 mil da verba pública que o partido repassaria para ela. 

Marcelo Álvaro Antônio nega as irregularidades e afirma que Zuleide “mente descaradamente”. O caso será investigado pelo Ministério Público Eleitoral e pela polícia.

As investigações deram origem à crise que culminou com a demissão de Gustavo Bebbiano do cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência.fy7 

Supremo nega foro privilegiado ao ministro do Turismo

Na última quinta, o ministro do Turismo desistiu de um recurso contra decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), que rejeitou o pedido para que o Supremo passasse a liderar a investigação. 

Em nota, a defesa do ministro do Turismo informou que o recurso havia sido feito por “decisão unilateral e sem a anuência ou concordância” do ministro, com o objetivo de cumprir os prazos processuais. Segundo a defesa, a desistência atende a uma determinação do ministro.

No recurso, a defesa do ministro tinha pedido para que Fux reconsiderasse a decisão anterior ou alternativamente submetesse o pedido para apreciação do plenário do Supremo.

A defesa do ministro havia insistido para que o caso fosse para o STF com o argumento de que os crimes sob investigação teriam sido cometidos em tese por ele como deputado federal, e que um posicionamento diferente desse desconsidera por completo o entendimento do Supremo referente ao foro privilegiado. A corte decidiu restringir o alcance do foro a crimes cometidos no exercício do cargo e em razão dele.

(Com informações da Reuters)