NOTÍCIAS
08/01/2020 15:37 -03

Bolsonaro faz live para criticar Lula por acordo nuclear com Irã

Presidente acusou erroneamente petista de defender que iranianos pudessem enriquecer urânio "a mais de 20%" e defendeu que Brasil tome posição em conflito.

Em uma live transmitida pelo seu perfil no Facebook nesta quarta-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro aparece assistindo ao pronunciamento do mandatário norteamericano, Donald Trump, sobre o Irã e logo depois aproveita o tema para criticar seu antagonista, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

“O senhor Luiz Inácio Lula da Silva, enquanto presidente da República, ele esteve no Irã. E lá defendeu que aquele regime pudesse enriquecer urânio acima de 20%, que seria para fim pacífico”, disse Bolsonaro.

No entanto, enquanto Brasil intermediava o Acordo de Teerã, sobre o programa nuclear iraniano, com a participação da Turquia, Lula defendeu o enriquecimento de urânio pelo Irã em até 20% - que é considerado o limite necessário para utilização em fins pacíficos.

“Reconhecemos o direito do Irã de desenvolver um programa nuclear com fins pacíficos e com respeito aos acordos internacionais e esse é o caminho que o Brasil vem trilhando. Não proliferação e desarmamento nuclear devem andar juntos. O Brasil sonha com um Oriente Médio livre de armas nucleares, como ocorre na América Latina”, disse o petista durante encontro com Mahmoud Ahmadinejad, em 2009.

Depois, em visita a El Salvador, Lula falou que “não concordaria” com o governo iraniano, caso este decidisse ampliar seu programa nuclear para um enriquecimento de urânio acima de 20%.

“O Irã estará rompendo com o tratado que é feito por todos nós, nas Nações Unidas. E eu não poderia concordar”, disse o petista.

 

O Acordo de Teerã acabou não sendo implementado, mas o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, a sigla em inglês), firmado em 2015 com EUA, França, Reino Unido, Alemanha, Rússia e China, tinha várias semelhanças com o texto negociado em 2010.

Após o ataque americano que matou o general iraniano Qasem Soleimani, o Irã disse que não cumpriria mais sua parte no acordo - podendo assim seguir com seu programa nuclear. 

Na live, Bolsonaro, que foi criticado por tomar o lado americano no atual conflito, também destacou trechos da Constituição para dizer que o Brasil não poderia deixar de se posicionar. 

“Muitos acham que o Brasil deve se omitir no tocante aos acontecimentos. (...) A nossa Constituição aqui diz, no artigo quarto: ‘A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios: a defesa da paz e no repúdio ao terrorismo’. Uma boa tarde a todos e que Deus abençoe o nosso Brasil”, disse. 

No Twitter, horas antes, Lula afirmou que o mandatário brasileiro ”não faz a menor questão de não ser um lambe botas do Trump”.