NOTÍCIAS
20/12/2019 12:22 -03 | Atualizado 20/12/2019 13:08 -03

Irritado com perguntas sobre Flávio, Bolsonaro ataca imprensa: 'Trabalho de porco'

Entre gritos e palavrões, presidente disparou a um repórter: "Você tem uma cara de homossexual terrível. Nem por isso eu te acuso de ser homossexual".

EVARISTO SA via Getty Images
Ao lado do presidente, apoiadores também xingavam os jornalistas de “safados” e com outras ofensas.

Irritado com perguntas sobre as investigações a respeito de um suposto esquema de desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro que envolve seu filho mais velho, o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), o presidente Jair Bolsonaro atacou jornalistas no Palácio da Alvorada, nesta sexta-feira (20), e reclamou que a imprensa “só vê um lado”.

Ao ser questionado por um dos jornalistas o que aconteceria se Flávio tivesse cometido algum deslize, Bolsonaro respondeu: “Você tem uma cara de homossexual terrível. Nem por isso eu te acuso de ser homossexual.”

Em seguida, depois de Bolsonaro dizer que ele era o responsável por um empréstimo de 40 mil reais a Fabrício Queiroz, um ex-assessor de Flávio, um outro jornalista perguntou se ele teria o comprovante do empréstimo.

″Ô rapaz, pergunta para tua mãe o comprovante que ela deu para o teu pai, certo?”, respondeu o presidente. “Você tem a nota fiscal desse relógio que está no teu braço? Não tem, porra.”

Com palavrões, Bolsonaro também mandou um repórter parar de falar enquanto ele estava respondendo e, aos gritos, cobrou que os jornalistas dissessem se o processo de Flávio estava ou não em segredo de Justiça. 

Olha só, uma pergunta a vocês. O processo é segredo de Justiça ou não é? Respondam? Respondam, porra.

Cercado por um grupo de apoiadores, Bolsonaro falou sobre o caso por mais de 10 minutos, na maior parte do tempo para atacar a imprensa, o Ministério Público do Rio de Janeiro, a quem acusa de persegui-lo, e o governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, a quem atribuiu uma armação para prejudicá-lo e ser candidato à Presidência.

″É um trabalho porco que estão fazendo contra a gente no Rio de Janeiro, e vocês aqui não sabem ver outro lado, só veem um lado”, reclamou.

Ao seu lado, os apoiadores também xingavam os jornalistas de “safados” e com outras ofensas. Na saída do Alvorada, os apoiadores do presidente ficam ao lado dos jornalistas, separados dos repórteres por duas grades baixas. “Lula preso, Brasil livre”, entoavam enquanto Bolsonaro deixava o local.

Essa foi a primeira vez que Bolsonaro falou sobre a nova fase da investigação envolvendo seu filho Flávio. Desde o estouro da operação, na quarta-feira, o presidente já se reuniu com o filho e o advogado de Flávio, Frederick Wassef, algumas vezes.

Na quarta, Bolsonaro evitou os jornalistas. Na quinta-feira, ao ser perguntado sobre o caso, disse que falaria sobre os seus problemas, mas que, “dos outros”, não tinha nada a ver com isso.