OPINIÃO
11/08/2019 08:00 -03 | Atualizado 11/08/2019 08:00 -03

Inspirar e liderar

Com declarações intempestivas, governo mantém tom de campanha e ofusca as próprias conquistas.

Miguel Schincariol via Getty Images
Articulista vê conquistas do governo Bolsonaro, mas critica postura do presidente de polemizar.

O governo Bolsonaro colhe bons saldos em diversas frentes. São resultados tangíveis na área de infraestrutura, relações exteriores e comércio internacional, entre muitas outras. Projetos de interesse do governo, como a Reforma da Previdência, correm no Parlamento com enormes chances de aprovação. Ao mesmo tempo, a economia começa a mostrar os primeiros sinais de reação.

Entretanto, as declarações do presidente têm causado desconforto dentro e fora do governo, especialmente por causar sentimentos controversos tanto na população, quanto no Congresso Nacional e desviar a atenção dos bons resultados obtidos por seus ministros frente às suas pastas.

Na mesma semana em que o Banco Central corta a taxa de juros, algo que pode impulsionar a economia, a pauta está encoberta por declarações que tratam da Comissão da Verdade e um desaparecido político, em vez de se discutirem os desdobramentos da liberação de saldo do FGTS.

Fato é que declarações intempestivas fazem mal ao próprio governo, pois desviam a atenção de suas vitórias e conquistas, arrastando o debate para o terreno da disputa política pura e simples. Algo que apenas alimenta um sentimento de disputa que deveria se dissipar à medida que o governo alcança resultados positivos.

O melhor caminho para um governo é sempre olhar adiante. O Brasil possui desafios enormes para vencer. Neste caminho, os ministérios precisam trabalhar em harmonia, sincronizados, como forma de alcançar melhores resultados para a administração em seu conjunto.

A abertura de novos mercados, um esforço empreendido pelo Itamaraty, somente gerará resultados se o ambiente econômico do País melhorar. Da mesma forma, para fazer que as privatizações deslanchem ou os investimentos pretendidos na área de infraestrutura aterrissem em solo brasileiro, é preciso um ambiente regulatório seguro e organizado. 

O governo precisa parar de ofuscar suas próprias conquistas e passar a celebrá-las. Os dados econômicos, por exemplo, são promissores especialmente no tocante ao emprego, produção e juros. A arrecadação da Receita Federal foi a maior para um primeiro semestre desde 2014 — um incremento que ocorreu por meio do aumento de pagamento de impostos pelas empresas, ou seja, crescimento real da produção.

Os números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) mostram a geração de mais de 410 mil postos de trabalho com carteira assinada apenas no primeiro semestre deste ano, superando o número total de 2018. É o melhor resultado desde 2014.

Isso significa que o governo tem caminhado no rumo certo, se beneficiado das reformas realizadas no governo Temer, mas também asfaltado caminho para uma melhora econômica por meio de reformas.

Um governo inteligente consegue usar a comunicação de forma eficaz a seu favor, como forma de assegurar apoio às suas ações e programas. Qualquer governo, em um ambiente democrático, precisa aprender a lidar com a crítica e ao contraditório.

Nesse aspecto, a liderança é elemento essencial, seja como fonte inspiradora para os apoiadores ou como farol sinalizador das conquistas. A campanha acabou. É preciso ajustar o discurso. É tempo de inspirar e liderar a mudança.

Este artigo é de autoria de articulista do HuffPost Brasil e não representa ideias ou opiniões do veículo. Assine nossa newsletter e acompanhe por e-mail os melhores conteúdos de nosso site.