NOTÍCIAS
29/01/2019 11:54 -02

Após nova cirurgia, Bolsonaro agradece por sobreviver à facada

Presidente retirou bolsa de colostomia colocada após atentado em setembro.

Stringer . / Reuters

Quatro meses após ser vítima de um facada, o presidente Jair Bolsonaro agradeceu por ter sobrevivido ao episódio. Ele fez uma nova cirurgia na última segunda-feira (28), para retirar a bolsa de colostomia colocada após o ataque.

Em seu perfil no Twitter, o presidente se manifestou nesta terça-feira (29), pela primeira vez, após a nova operação e lembrou do ato de violência política.

O boletim médico do hospital Albert Einstein (São Paulo), onde Bolsonaro está internado, divulgado na manhã desta terça informa que o paciente tem “boa evolução clínico-cirúrgica após procedimento de reconstrução do trânsito intestinal e extensa lise de aderências”.

De acordo com o documento, Bolsonaro não apresentou sangramentos, febre ou qualquer outra complicação. Ele está em jejum oral, recebendo analgésicos para controle de dor, hidratação endovenosa e medidas de prevenção de trombose venosa.

A reintrodução da alimentação por via oral será avaliada diariamente e o paciente segue com visitas suspensas. Ele está internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

A expectativa é que Bolsonaro volte ao comando do País nesta quarta-feira (30). O porta-voz da Presidência da República, general Otávio do Rêgo Barros, disse que o presidente deverá ter alta médica em 10 dias.

Nesse período, ele irá despachar de um escritório montado para ele no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Bolsonaro usou uma bolsa de colostomia desde que foi alvo de um ataque em 6 de setembro, durante ato de campanha em Juiz de Fora. O agressor, Adélio Bispo de Oliveira, foi preso em flagrante e confessou o crime.

A bolsa funciona como um intestino externo e possibilita a recuperação do intestino grosso e delgado.

A facada atingiu o intestino do então candidato ao Palácio do Planalto, que foi submetido a 3 cirurgias, uma na Santa Casa de Juiz de Fora, cidade do atentado, e 2 no Hospital Albert Einstein. O ex-deputado passou 22 dias internado.