NOTÍCIAS
30/07/2020 13:25 -03 | Atualizado 30/07/2020 13:28 -03

Após se curar de covid-19, Bolsonaro retoma tour e gera aglomeração na Bahia

Presidente tenta mobilizar apoio no Nordeste, onde perdeu para Haddad em 2018 e ainda tem pior avaliação: 'Vocês são pessoas iguais às outras 4 regiões do Brasil'.

Handout . / reuters
Antes de seguir para Campo Alegre de Lourdes (BA), Bolsonaro desceu no aeroporto de São Raimundo Nonato, no Piauí, onde montou um cavalo e usou chapéu de vaqueiro.

Em sua primeira viagem depois de três semanas de isolamento devido à infecção pelo novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro usou seu discurso para fazer acenos ao Congresso e à população do Nordeste, região onde perdeu para o petista Fernando Haddad na eleição de 2018 e ainda tem as piores avaliações em pesquisas de opinião.

“Ninguém esperava isso [pandemia], mas ela veio. E nós fizemos tudo possível para que os efeitos fossem minorados, mas fizemos isso tendo ao lado valorosos senadores e deputados”, disse Bolsonaro na cidade de Campo Alegre de Lourdes (BA), na inauguração de uma adutora da transposição do rio São Francisco.

“Ninguém governa sozinho”, destacou.

O presidente viveu algumas crises com o Congresso desde que assumiu o cargo em janeiro do ano passado, mas nos últimos meses se aproximou de políticos de partidos do chamado centrão ― formado por PP, PL e Republicanos, entre outros ― num esforço para formar uma base parlamentar de apoio sólida. Bolsonaro também aliviou nos últimos tempos críticas que fez diversas vezes ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“Já ouvi aqui de parlamentares problemas da região”, disse o presidente, que estava acompanhado do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, ex-deputado federal pelo Rio Grande do Norte.

“Esses problemas quem vai resolver não é o Jair Bolsonaro sozinho. Vai ser ele e o Parlamento brasileiro”, acrescentou.

Em seu discurso, Bolsonaro também tentou afagar a população da região, governada em sua grande maioria por políticos de oposição: “Vocês são pessoas iguais às outras quatro regiões do nosso Brasil”.

“Nós somos todos iguais, somos um só povo, uma só raça, temos um só objetivo: é o Brasil acima de todos.”

Em julho do ano passado, em uma fala com o ministro Onyx Lorenzoni captada sem querer pelos microfones da TV Brasil, Bolsonaro chamou os governadores da região de “governadores de paraíba”, o que causou indignação com o termo, considerado pejorativo.

O governador da Bahia, o petista Rui Costa, não compareceu à cerimônia.