MULHERES
28/08/2019 12:58 -03 | Atualizado 28/08/2019 15:05 -03

Após crise diplomática com Macron, Bolsonaro apaga comentário sobre primeira-dama da França

Presidente fez comentário sobre Brigitte Macron em rede social que foi classificado como 'extraordinariamente desrespeitoso'.

O presidente Jair Bolsonaro apagou um comentário feito em uma rede social sobre a primeira-dama francesa, Brigitte Macron, depois que o fato gerou uma crise diplomática com com o presidente da França, Emmanuel Macron. A informação foi divulgada pelo site Poder 360 e pela Folha de S. Paulo.

No último sábado (24), um seguidor fez um comentário em uma publicação do presidente utilizando imagem em que Michelle Bolsonaro e Brigitte Macron, são comparadas, que dizia: “Entende agora porque Macron persegue Bolsonaro?”

O seguidor postou a imagem nos comentários dizendo ”é inveja presidente do Macron, pode crê”. O ex-deputado respondeu, dizendo “não humilha cara. Kkkkkkk”, dando a entender que valida a sugestão de que a beleza de Michelle seria o motivo pelo qual o Macron o “perseguiria” durante o G7.

A postagem, feita no último sábado, estava no ar até esta terça-feira (27). Mas nesta quarta, porém, o comentário não estava mais disponível. Segundo o Poder 360, o Planalto não quis comentar o caso.

Reprodução
Bolsonaro/Comentário

O comentário repercutiu na imprensa francesa em reportagem do jornal Le Parisien, que criticou a fala do presidente e a classificou como machista.

Na campanha eleitoral, opositores de Macron também usaram a diferença de idade do presidente e de sua esposa, 24 anos mais velha. Na época, o francês respondeu que, se ele tivesse 20 anos a mais, “ninguém pensaria por um segundo que não poderíamos estar legitimamente juntos”.

Enquanto Brigitte é 24 anos mais velha que Macron, Michelle Bolsonaro é 27 anos mais jovem que o chefe do Planalto no Brasil.

O fato gerou crise diplomática com Macron que, na última segunda-feira (26), disse que o comentário foi “extraordinariamente desrespeitoso” e disse, ainda, que as mulheres brasileiras “têm, sem dúvida, vergonha” de seu presidente.

“O que eu posso dizer? É triste, é triste. Mas é triste, em primeiro lugar, para ele e para os brasileiros. Eu penso que as mulheres brasileiras têm, sem dúvida, vergonha de ler isso de seu presidente”, disse Macron, durante evento do G7.

POOL New / Reuters
French President Emmanuel Macron, his wife Brigitte Macron and German Chancellor Angela Merkel pose for a family photo during the G7 summit in Biarritz, France, August 25, 2019. Andrew Parsons/Pool via Reuters

“Creio que os brasileiros, que são um grande povo, têm também vergonha de ver esse comportamento ― eles esperam, quando se é presidente, que nos comportemos bem em relação aos outros”, completou o presidente Francês. “Como tenho uma grande amizade e respeito pelo povo brasileiro, espero que eles rapidamente tenham um presidente que se comporte à altura”.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo, Bolsonaro negou nesta terça-feira (27) ter ofendido a primeira-dama da França, Brigitte Macron.

O presidente se justificou dizendo que falou para o seguidor não “falar besteira” e destacou que não se mete em “questão pessoal”.

Indagado se pediria desculpas, o presidente disse que não a ofendeu e, irritado com a insistência dos repórteres, encerrou a entrevista, acrescentando que os jornalistas “não merecem a consideração”.

A reação das mulheres brasileiras

THOMAS SAMSON via Getty Images
Wife of French President Brigitte Macron welcomes with G7 World leaders' spouses for a visit on traditional Basque culture in Espelette, near Biarritz, as part of the G7 summit, on August 25, 2019. (Photo by Thomas SAMSON / AFP) (Photo credit should read THOMAS SAMSON/AFP/Getty Images)

Após repercussão do comentário de Bolsonaro, brasileiras manifestaram apoio à primeira-dama da França e criaram a hashtag #DesculpaBrigitte nas redes sociais. 

O movimento foi reforçado na última terça-feira (27), quando o jornal francês Le Parisien divulgou que as mensagens teriam chegado até Brigitte, que teria se emocionado com elas. De acordo com assessores da primeira-dama ouvidos pelo jornal, ela ficou sabendo da campanha depois de deixar evento do G7.

A hashtag #PardonBrigitte, em francês, também foi criada e difundida por brasileiros. A cantora e celebridade da internet Gretchen, e o escritor Paulo Coelho, outros internautas e celebridades se manifestaram dizendo que se sentem envergonhados pela fala do presidente, e que ele não os representa.

Além das manifestações em redes sociais, dois grupos de brasileiras que moram na França lançaram abaixo-assinados se solidarizando com Brigitte Macron.

O núcleo francês do “Grupo Mulheres do Brasil”, que tem cerca de 16 mil seguidores, publicou um manifesto que foi compartilhado nas mais de 40 páginas do movimento no Brasil e no mundo. O texto repudia a atitude do presidente brasileiro:

“Somos um coletivo de 40 mil mulheres brasileiras de todas as idades, raças, credos e classes sociais, de diferentes cidades do Brasil e do exterior”, pontua o texto do grupo, que se coloca à disposição do presidente para conversar sobre questões de gênero e violência contra a mulher.

“De forma suprapartidária e a favor do diálogo, nos colocamos à disposição do presidente Jair Bolsonaro para apresentar dados sobre desigualdade entre gêneros, violência contra a mulher e misoginia, e também para pontuar modelos de políticas públicas que contribuem para a redução das disparidades, do preconceito e das taxas recordes de feminicídio que o Brasil coleciona.”

Outro grupo, “Brasileiras de Paris”, que tem mais de 5 mil integrantes, publicou uma carta em francês endereçada à primeira-dama, em que exprimem “solidariedade e indignação”.

Galeria de Fotos 25 mulheres mais poderosas do mundo Veja Fotos