NOTÍCIAS
27/06/2019 09:57 -03 | Atualizado 27/06/2019 15:21 -03

Bolsonaro rebate crítica sobre desmatamento e diz que a Alemanha tem muito a aprender com o Brasil

“O presidente do Brasil que está aqui (no G-20) não é como alguns anteriores, (que) vieram aqui para ser advertidos por outros países", disse Bolsonaro.

ASSOCIATED PRESS
No Japão para a cúpula do G20, Bolsonaro terá reuniões bilaterais com diversos líderes mundiais.

O presidente JairBolsonaro afirmou nesta quinta-feira (27), após desembarcar no Japão para reunião de cúpula do G20, que o Brasil não aceita mais ser advertido por outros países, e disse que o país tem exemplo a dar para a Alemanha, em resposta a comentário da chanceler alemã, Angela Merkel.

Questionado em entrevista coletiva na cidade japonesa de Osaka sobre comentários feitos na véspera por Merkel, que disse querer conversar com Bolsonaro sobre desmatamento, o presidente rebateu e disse que o país deveria aprender com o Brasil.

“A indústria deles continua sendo fóssil, de plástico, carvão, e a nossa não. Eles têm muito a aprender conosco”, disse Bolsonaro a jornalistas, acrescentando que o Brasil não aceita mais ser tratado como no passado.

“O presidente do Brasil que está aqui não é como alguns anteriores, (que) vieram aqui para ser advertidos por outros países. A situação aqui é de respeito para com o Brasil. Não aceitaremos tratamento como no passado”, afirmou.

Para o general Augusto Heleno, que faz parte da comitiva de Bolsonaro, ninguém tem moral para criticar a política ambiental brasileira.

“Este países que criticam? Vão procurar a sua turma”, afirmou o ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

Ainda, general Heleno afirmou que “não tem nenhuma dúvida” de que os outros países cobram do Brasil uma preservação do meio ambiente para que eles possam explorar as reservas no futuro.

“Está cheio de ONG por trás deles, ONG sabidamente a serviço de governos estrangeiros. Vocês têm que ler mais um pouco sobre isso, viu? Vocês estão muito mal informados”, disse aos jornalistas em Osaka.

A discussão sobre políticas ambientais marcará o encontro do G20.  

No encontro da cúpula, Bolsonaro terá reuniões bilaterais com diversos líderes mundiais, incluindo o presidente chinês, Xi Jinping ― será o primeiro encontro entre os dois, após Bolsonaro ter criticado a China durante a campanha eleitoral por estar “comprando” o Brasil

Bolsonaro mudou sua posição com relação ao maior parceiro comercial do Brasil desde que assumiu o cargo em janeiro e se encontrará com Xi por 40 minutos na manhã de sexta-feira, antes do início da cúpula que reunirá os líderes das maiores economias do mundo em Osaka.

(Com informações da Reuters.)