NOTÍCIAS
03/04/2020 12:16 -03

Residentes da saúde receberão R$ 667 para atuar em pandemia da covid-19

Benefício será pago por 6 meses por profissionais como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos, terapeutas ocupacionais e psicólogos.

Residentes de áreas da saúde receberão um adicional mensal de R$ 667, o equivalente a 20% do valor da bolsa, por atuarem na linha de frente no combate à pandemia do novo coronavírus. O benefício será pago por 6 meses e inclui profissionais como médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos, terapeutas ocupacionais e psicólogos.

O objetivo da medida, prevista em portaria do Ministério da Saúde publicada em 30 de março, é ampliar a cobertura do SUS (Sistema Único de Saúde) e reduzir o tempo de espera nos atendimentos aos pacientes de alto risco em unidades de pronto-atendimento e emergências hospitalares nos casos de infecção pela covid-19.

O número de casos confirmados do novo coronavírus no Brasil chegou a 7.910, de acordo com balanço divulgado pelo Ministério da Saúde nesta quinta-feira (2). O número de mortes é de 299.

Hoje os residentes recebem o valor bruto de R$ 3,3 mil, segundo o governo federal. O valor da bonificação será o mesmo para todas as categorias, e a estimativa é de que cerca de 80 mil pessoas sejam contempladas.

“É o momento de melhorar o valor da bolsa de residência que é muito pequeno diante da relevância da prestação de serviço que eles fazem à sociedade, mas é um incentivo. Acrescentamos um valor de 20% sobre o valor da bolsa que vai estar atrelado à comprovação de atuação no enfrentamento do coronavírus em todos os serviços do Brasil”, afirmou a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro.

A medida vale tanto para programas de residência financiados pelo Ministério da Saúde, quanto por outros órgãos ou entidades públicas federais, estaduais, distritais ou municipais, além de instituições sem fins lucrativos. 

ASSOCIATED PRESS
“É o momento de melhorar o valor da bolsa de residência que é muito pequeno diante da relevância da prestação de serviço que eles fazem à sociedade, mas é um incentivo", afirma Ministério da Saúde.

Convocação de médicos

O adicional na bolsa faz parte do programa “O Brasil Conta Comigo - Profissionais da Saúde”, que inclui um cadastro de profissionais de saúde e bolsa para estudantes de graduação. 

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, negou, nesta quinta-feira (2), que o governo federal tenha feito uma convocação para obrigar profissionais de saúde a atuarem na linha de frente da pandemia. Ele alertou, contudo, que existe essa possibilidade no futuro, caso seja necessário. “Se tiver necessidade, nós iremos convocar sim, mas por enquanto não há, não”, disse, em coletiva de imprensa.

portaria que regula o programa prevê um cadastro nacional que poderá ser usado por gestores dos estados e municípios, caso seja preciso um deslocamento dentro do País durante o estado de emergência de saúde pública decorrente da covid-19. Segundo a pasta, 5 milhões de pessoas serão cadastradas.

A norma inclui 14 áreas: serviço social, biologia, biomedicina, educação física, enfermagem farmácia, fisioterapia e terapia ocupacional, fonoaudiologia, medicina, medicina veterinária, nutrição, odontologia, psicologia e técnicos em radiologia.

De acordo com o documento, o profissional da área de saúde que preencher o formulário fará um curso de capacitação à distância sobre os protocolos oficiais de enfrentamento à pandemia. Segundo Mandetta, o conteúdo inclui, por exemplo, como usar os EPIs (equipamentos de proteção individual), como máscaras e luvas.

Nesta quarta (1º), o Ministério da Saúde lançou um edital para estudantes de instituições públicas e privadas de Ensino Superior, também voltado ao atendimento de casos da covid-19. Podem participar alunos do 5° e 6° ano de Medicina, do último ano dos cursos de graduação em Enfermagem, Fisioterapia e Farmácia. 

Eles terão direito a bolsa de acordo com a carga horária do estágio supervisionado, sendo R$ 1.045 para 40 horas e R$ 522,50 para 20 horas. Também receberão 10% de pontuação no ingresso em programa de residência do Ministério da Saúde.

Já alunos do 1° ao 4° ano dos cursos de Medicina e os do último ano de Farmácia, Fisioterapia e Enfermagem poderão obter desconto em mensalidade. “Esses alunos têm de vivenciar este momento. É um momento ímpar da vida. Nenhum desses alunos poderá participar sem estar supervisionado por profissional de saúde habilitado”, disse o ministro da Saúde, no dia.

Além dessa iniciativa, em 20 dias, a pasta recebeu mais de 3,7 mil inscrições de profissionais para o cadastro de voluntários da Força Nacional do Sistema Único de Saúde (FNS).