ENTRETENIMENTO
18/06/2019 18:13 -03 | Atualizado 19/06/2019 10:03 -03

'Bluesman', o curta do rapper Baco Exu do Blues que superou Beyoncé e Jay-Z no Cannes Lions

Filme que aborda questões de raça no Brasil faturou prêmio inédito para o País um dos principais festivais do mercado de publicidade.

Reprodução/Instagram
"Ver o rap brasileiro chegando, disputando com o rap estrangeiro e ganhando espaço entre eles é muito impactante”, comemora o rapper baiano Baco Exu do Blues.

O curta-metragem Bluesman, do rapper baiano Baco Exu do Blues, venceu o Gran Prix (grande prêmio) do Cannes Lions - Festival Internacional de Criatividade, um dos mais importantes do mercado de publicidade do mundo - cuja edição 2019 está sendo realizada nesta semana no sul da França.

Esse é um prêmio inédito para o Brasil na categoria Entertainment for Music (entretenimento para música). Neste ano, foram dois vencedores: o incômodo clipe de This is America, do rapper Childish Gambino (codinome de Donald Glover) também foi premiado. Ambos desbancaram o clipe de Apeshit , de Beyoncé e Jay-Z, gravado no Museu do Louvre, que também estava na disputa.

Bluesman tem 8 minutos de duração e reúne trechos de três músicas do segundo disco de Baco, homônimo, que foi lançado no final de 2018. Protagonizado pelo ator Kelson Succi e pelo veterano Hilton Cobra, o filme é fruto de uma parceria entre as empresas Coala.lab, AKQA, Stink e 999.

A direção do curta é de Douglas Ratzlaff Bernardt.

O enredo do filme aborda questões de raça no Brasil, incluindo o racismo estrutural que faz o espectador considerar de imediato como bandido um personagem negro correndo em vez de um cidadão atrasado para o trabalho.

“Nós escolhemos Bluesman como o Grand Prix do ano porque é brilhante, é um trabalho de arte e é feito com classe”, disse a presidente do júri da premiação, Paulette Long, informou o jornal Estadão. “O curta-metragem reverte a simbologia da dominação branca para combater o racismo institucionalizado.”

Em nota enviada ao jornal O Globo, Baco comemorou a vitória. “A primeira coisa que pensei quando soube da notícia foi sobre a importância disso para o rap nacional. Ver o rap brasileiro chegando, disputando com o rap estrangeiro e ganhando espaço entre eles é muito impactante”, destacou o rapper.

“Além disso, o fato de um filme com um discurso negro, com todo elenco negro e que retrata a fragilidade e a força negra conseguir conquistar um prêmio desse tamanho sendo rap brasileiro é muito doido”, finalizou.

“O Baco é um gênio, e o mundo precisa ouvir a música dele. O Brasil tem tantas coisas boas, mas está vivendo um momento pesado como nação, sem autoestima”, disse Diego Machado, fundador da Akqa, também ao jornal Estadão. “Ver um talento baiano ganhando holofotes no mundo dá esperança a muita gente”, completou. 

Disponível no YouTube, o curta-metragem Bluesman acumula até agora quase 1,5 milhão de visualizações. Assista ao filme no player abaixo: