ENTRETENIMENTO
20/02/2019 07:39 -03 | Atualizado 20/02/2019 07:41 -03

Templo do jazz em NY, Blue Note abre filial na Avenida Paulista

Com estrutura e atmosfera intimistas, filial está localizada no 2ª andar do Conjunto Nacional.

Reprodução/Facebook/Blue Note SP
Toquinho tocou no Blue Note SP, no último domingo (17).

São Paulo acaba de ganhar uma filial de um dos clubes de jazz e blues mais tradicionais de Nova York, o Blue Note. Localizada no Conjunto Nacional, na esquina da avenida Paulista com a rua Augusta, a casa possui pouco menos de 350 lugares espalhados por 800 m², que reproduzem a estrutura e atmosfera intimistas do clube original inaugurado em 1981, notável por ter recebido shows de lendas como Dizzy Gillespie, Sarah Vaughan e Ray Charles.

Hoje o Blue Note tem unidades espalhadas por diversos países, incluindo Japão, Itália e China. A unidade paulistana é a segunda no Hemisfério Sul e sucede a abertura do Blue Note Rio, realizada em 2017.

Quem está por trás da empreitada na avenida mais famosa do País é a dupla de empresários Facundo Guerra, dono de casas como Lions, Yatch e Cine Joia, e Luiz Calainho, que foi vice-presidente da Sony nos anos 1990 e atualmente comanda a 21 Participações, empresa voltada para o mercado de cultura e arte.

A programação dos primeiros meses do Blue Note São Paulo será focada em música instrumental brasileira. Depois de Marcos Valle e Toquinho, estão previstos shows de João Bosco, César Camargo Mariano, João Donato, entre outros grandes nomes brasileiros. 

A casa, que terá funcionamento de quarta a domingo, também conta com uma banda residente liderada por Maurício Fleury, integrante da big band instrumental Bixiga 70, e composta por Fábio Sá (baixo), Mariá Portugal (bateria), Sintia Piccin (sax tenor e flauta) e Richard Firmino (saxofone e trompete). Nos próximos meses, o grupo vai revisitar o disco Kind of Blues, de Miles Davis, e a obra da diva Nina Simone - com vocais de Laylah Arruda.

Em algumas noites da semana, estão previstos dois shows seguidos, às 20h e às 22h30, para públicos diferentes. Quem estiver a fim de acompanhar um espetáculo musical terá que botar a mão – com bastante disposição – no bolso.

Shows de grandes estrelas devem custar em média R$ 180 (lounge) e R$ 250 (premium lounge). No entanto, estão previstos shows com preços mais acessíveis para artistas locais e gratuitos aos domingos, na rua, dia em que a avenida Paulista é fechada para carros e aberta para circulação de pedestres.

Além disso, o Blue Note São Paulo conta ainda com um restaurante comandado pela chef Daniela França Pinto, que serve petiscos e jantares durante os shows aos fins de semana e almoço executivo, de segunda a sexta, das 12h às 16h - e embalado por música ao vivo. Os ingressos e outras informações sobre a programação da casa estão disponíveis na bilheteria física (avenida Paulista, 2.073, 2º andar) e também no site www.tudus.com.br.