COMPORTAMENTO
29/11/2019 05:00 -03

Black Friday: O guia para encontrar as melhores ofertas (e se proteger das fraudes)

Evento deve movimentar cerca de R$ 3,5 bilhões. Saiba como garantir os melhores preços.

Andrew Kelly / Reuters

Chegou a Black Friday. Tradicional dia de descontos nos Estados Unidos, a última sexta-feira de novembro chegou ao comércio brasileiro há alguns anos e, desde então, ganhou uma certa má fama por descontos falsos e preços inflados. Porém, parece que este ano o brasileiro está mais atento do que nunca ― e tudo indica que os descontos estão bons e reais.

De acordo com a empresa de inteligência de mercado em e-commerce, Compre&Confie, a data deve apresentar um crescimento expressivo de faturamento. Entre os dias 28 e 29 de novembro deste ano, o e-commerce deve faturar R$  3,5 bilhões ― um crescimento nominal de 19% em relação ao mesmo período do ano passado.

Pensando em uma boa experiência de compras, o HuffPost Brasil fez um guia prático para você não cair em armadilhas e garantir os melhores descontos. 

Descontos reais, sem roubada

As tentações são muitas. Mas também a variação de preço entre os mesmos produtos. Um estudo da Proteste analisou a variação de preços de 800 produtos, em 42 lojas online, entre os meses de julho e outubro deste ano. O resultado foi assustador: os preços dos mesmos itens chegaram a ter 130% de diferença entre os e-commerces. 

Para não errar na hora da compra, confira se as promoções são reais em plataformas que comparam e rastreiam os preços de diversos sites, como o Zoom e Buscapé, ou instale extensões no seu browser, como o Mais Barato da Proteste, que avisa onde encontrar o menor preço enquanto você acessa as lojas virtuais. O plug-in gratuito também testa e aponta os cupons com o maior desconto na hora da compra. 

Uma dica do Procon-SP é fazer uma lista do que você precisa e ― principalmente ― do seu limite de gastos. Assim, você evita cair em tentação e fazer compras por impulso, uma vez que os descontos são bem chamativos. Esta e outros promoções causam um sentimento de urgência e a chance de você gastar mais do que deveria é grande. Lembre-se de seus boletos!

Outra recomendação do órgão de defesa do consumidor é evitar clicar em links e ofertas recebidas por e-mail ou redes sociais, já que eles podem conter virus. Em vez disso, consulte sempre a página oficial da loja e só compre em sites confiáveis.

O Procon-SP disponibiliza uma lista de 400 sites não confiáveis. Antes de se cadastrar ou finalizar uma compra, confira aqui se a empresa não está nesta lista.

Se você for fazer compras online, salve todos os documentos que demonstrem a oferta e a confirmação do pedido.  

Conheça seus direitos

Para não cair em golpes antes, durante e depois da compra, lembre-se que o Código de Defesa do Consumidor deve ser usado para assegurar seus direitos. 

Segundo o CDC, você tem um prazo de 30 dias para reclamar sobre problemas aparentes ou de fácil constatação em produtos não duráveis e 90 dias em itens duráveis, assim que o produto chegar ― isso inclui produtos importados. 

Nas compras feitas online, sempre verifique o preço total no carrinho virtual e o valor do frete. 

Ainda de acordo com o CDC, em compras feitas fora do estabelecimento, o consumidor tem 7 dias para se arrepender, cancelar, devolver o produto e pedir o dinheiro de volta (o prazo passa a contar da data da compra ou da entrega do produto).

Na hora da entrega, só assine o documento de recebimento após examinar o produto. Havendo qualquer irregularidade, você deve anotá-las ao justificar o não recebimento.

Se encontrar alguma irregularidade ou abuso aos direitos do consumidor, procure o Procon-SP ou o site da Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor).