ENTRETENIMENTO
30/05/2019 01:00 -03

Inspirado por 'Rocketman'? Conheça 7 biografias sobre estrelas da música

Elton John, Kurt Cobain, Mick Jagger… Descubra que as vidas de grandes astros não se resumem a sexo, drogas e rock'n'roll.

O recente sucesso de Bohemian Rhapsody e o lançamento de Rocketman, cinebiografia de Elton John que estreia no Brasil nesta quinta-feira (30), mostram o quanto a vida de grandes estrelas da música sempre gera muita curiosidade.

Muito além de sexo, drogas e rock’n’roll (não que esse trio não tenha seu peso), a história de muitos de nossos ídolos tem muito mais em comum com nós mesmos do que imaginamos. E biografias para expor esses aspectos mais mundanos e dramas pessoais pouco conhecidos de grandes nomes da música não faltam.

Inspirados por Rocketman, reunimos aqui 7 biografias sobre estrelas da música que você deveria ler:

 

Captain Fantastic (Editora Benvirá)

Divulgação

Escrito pelo jornalista musical Tom Doyle, colaborador de longa data das famosas revistas inglesas Mojo e Q., Captain Fantastic conta sobre a ascensão meteórica de Elton John da obscuridade à fama internacional no começo da década de 1970, emplacando um hit atrás do outro. Doyle narra, com riqueza de detalhes, o início da carreira de Elton – quando ainda era um jovem fora dos padrões estéticos e que poucos acreditavam que pudesse vir a ser famoso – até o explosivo sucesso. Ele revela os altos e baixos da trajetória do cantor ao longo de sua década mais criativa, do topo de seus sapatos de salto plataforma às profundezas da depressão e de seu crescente vício em álcool e cocaína. O livro mostra que, por trás dos óculos enormes e das roupas extravagantes, se escondia um homem muito tímido, em constante conflito com a fama e com sua sexualidade.

 

Mate-me, Por favor (Editora LP&M)

Divulgação

O livro escrito pela dupla de americanos Legs McNeil e Gillian McCain não é uma biografia de um artista específico, mas de uma cena que marcou a história do rock para sempre: o punk. Mate-me, Por favor narra desde o nascimento do que depois ganharia status de “movimento”, com a efervescência cultural da Factory de Andy Warhol e a lendária casa de shows Max’s Kansas City no final da década de 1960, até o auge do gênero que se transformou em estilo de vida no Reino Unido, já nos anos 1980. O mais legal do texto é que ele traz histórias deliciosas e surpreendentes sobre diversos nomes que fizeram parte dessa história, como Iggy Pop, Patti Smith, Dee Dee e Joey Ramone, Debbie Harry, Nico, entre MUITOS outros.

 

The Beatles: A Biografia (Editora Lafonte)

Divulgação

O tamanho do livro do biógrafo americano Bob Spitz pode assustar (são quase mil páginas), mas não se engane: você vai devorá-lo. Experiência no ramo musical não falta a Spitz, que, em uma parte de sua vida, chegou a ser empresário de Bruce Springsteen e Elton John. Até hoje, The Beatles: A Biografia é o livro mais completo sobre o quarteto de Liverpool, dando detalhes incríveis sobre a vida de John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Star desde antes do Quarrymen, a banda de escola formada por John, Paul e George, passando pelo auge da Beatlemania até a tumultuada separação da banda. Esqueça tudo o que você achava que sabia sobre o quarteto e surpreenda-se com as intrigas internas, os fantasmas internos, as inspirações e aspirações dos Fab Four.  

 

Kurt Cobain, Mais pesado que o Céu (Editora Globo)

Divulgação

Mesmo com todo o sucesso estrondoso que conseguiu à frente do Nirvana, Kurt Cobain possui uma trajetória das mais dramáticas, culminando em seu suicídio, em 1994. O crítico musical americano Charles R. Cross foi quem melhor conseguiu traduzir a densidade dessa personalidade que se transformou na principal voz jovem da década de 1990. O livro narra desde a difícil infância de Kurt, passando por sua adolescência cheia de frustrações e inspirações até a criação da banda que definiria um estilo musical/fenômeno cultural, o grunge. É um relato que por vezes é bem triste, mas que nos fala muito sobre o coração de um artista que entregou sua alma à música.

 

Eu sou Ozzy (Editora Benvirá)

Divulgação

Muitos conhecem Ozzy Osbourne como um tipo de tiozão lesado e simpático que ficou famoso com um reality show sobre sua vida em família, mas é sempre legal descobrir sua caminhada de uma infância bem pobre na Inglaterra até seu papel fundamental na formatação da banda que praticamente inventou o heavy metal, o Black Sabbath. Isso sem falar em sua bem-sucedida carreira solo. Tudo bem que Eu sou Ozzy é uma autobiografia, mas mesmo assim, ele não deixa de lado os muitos baixos na sua vida e seus excessos e tragédias. Ah, e a história sobre ele comer um morcego no palco não fica de fora.  

 

Vida, Keith Richards (Editora Globo)

Divulgação

Keith Richards, o famoso guitarrista dos Rolling Stones, não é um homem de meias palavras. Mesmo sendo uma autobiografia (escrita em parceria com o premiado escritor americano James Fox), o livro  expõe os muitos causos bizarros que o músico inglês acumulou na vida. Cru e feroz como os acordes de Richards, Vida revela os altos e baixos da trajetória de um roqueiro, o sucesso meteórico com os Stones, suas notórias prisões, casos amorosos e o vício em álcool e heroína. Richards nos mostra a jornada de um artista sem temores e sem limites. A bizarra história sobre o que fez com as cinzas de seu pai é apenas a ponta do iceberg.

 

Mick Jagger (Companhia Das Letras)

Divulgação

À primeira vista, Mick Jagger, o frontman dos Rolling Stones, parece ser a figura mais pública do mundo. Porém, ele consegue manter muitos aspectos de sua vida pessoal longe do conhecimento do público, que conhece mais sua persona dos palcos do que o verdadeiro Mick Jagger. Aqui, o experiente biógrafo inglês Philip Norman traz uma pesquisa detalhada e numerosas entrevistas para cobrir todos os aspectos da vida de Jagger, da infância aos tempos dos Stones, acompanhando cronologicamente a evolução da banda e mergulhando fundo em seus inúmeros envolvimentos amorosos, como o que teve com a brasileira Luciana Gimenes, em 1988. Hoje um “sir” e já um avô, Jagger ainda consegue manter sua transgressora aura de sex symbol intacta.