MULHERES
08/06/2020 19:38 -03 | Atualizado 08/06/2020 19:53 -03

O poderoso discurso de Beyoncé sobre racismo e sexismo que todos precisam ouvir

A cantora falou no evento "Dear Class of 2020" do YouTube, ao lado do casal Obama, BTS e Taylor Swift neste fim de semana.

Pegue o seu melhor traje, porque Beyoncé fez um discurso emocionante para formandos da turma de 2020, nos Estados Unidos, mas que serve como lição de vida no que se refere à enfrentar o racismo e o sexismo no mundo.

A cantora se juntou ao evento “Dear Class of 2020” (Querida Classe de 2020, em tradução livre) do YouTube, assim como por Barack e Michelle Obama, e outros famosos, incluindo Lady Gaga, BTS, Taylor Swift e Alicia Keys, para transmitir o que foi chamado de “uma dose de sabedoria” a jovens que estão saindo da faculdade no contexto da pandemia do novo coronavírus

Por quase 10 minutos ininterruptos (realmente, o que fizemos para merecer?), Beyoncé destacou as lutas únicas que os estudantes enfrentam hoje, principalmente, nos Estados Unidos e traçou uma linha de pensamento com ênfase especial no poder da ação comunitária, especialmente no combate à injustiça racial. “Obrigado por usar sua voz coletiva e deixar o mundo saber que vidas negras importam”, disse Beyonce ao iniciar seu discurso.

“Os assassinatos de George Floyd, Ahmaud Arbery, Breonna Taylor e muitos outros nos deixaram quebrados”, continuou a cantora. “Eles deixaram o país inteiro em busca de respostas. Vimos que nossos corações coletivos, quando colocados em ação positiva, podem iniciar uma mudança. Mudanças reais começaram com você, essa nova geração de estudantes do ensino médio e superior que comemoramos hoje.”

Não havia mulheres negras sentadas à mesa. Então eu tive que cortar a madeira e construir minha própria mesa. Então, convidei o melhor para se sentar.Beyoncé, em discurso durante evento para formandos de 2020, nos Estados Unidos

Em tom de brincadeira, ela lamentou não ter uma experiência tradicional na faculdade para poder destacar o quão especial é o dia da formatura para os alunos - e para os muitos que vieram antes deles. “Você é a resposta para uma geração de orações”, disse, ao fazer menção especial àqueles que se sentem excluídos, implorando para que eles continuem apesar dos obstáculos.

“Sua delicadeza é linda, sua escuridão é linda. Sua compaixão, sua compreensão, sua luta por pessoas que podem ser diferentes de você são lindas”, disse. “Espero que você continue mostrando ao mundo que nunca deixará de ser você mesmo. Que é sua hora agora, faça com que eles vejam.”

Ser “deixada de lado” é algo com o qual a cantora disse que pode falar sobre, já que luta por independência e autodeterminação em toda sua carreira. “A indústria do entretenimento ainda é muito machista”, explicou. “Ela ainda é muito dominada por homens e não vi modelos femininos suficientes para enxergar a oportunidade de fazer o que eu sabia que precisava fazer: administrar minha empresa, dirigir meus clipes e produzir minhas turnês.”

Ela continuou: “Isso significava propriedade: possuir meus mestres, possuir minha arte, possuir meu futuro e escrever minha própria história. Não havia mulheres negras sentadas à mesa. Então, eu tive que cortar a madeira e construir minha própria mesa. Então, convidei o melhor para se sentar.”

Nunca se esqueça: podemos discordar de uma maneira que seja produtiva para chegar a decisões que promovam mudanças reais. E se você cometer um erro, tudo bem também.Beyoncé, em discurso durante evento para formandos de 2020, nos Estados Unidos

A cantora encerrou seu discurso incentivando os jovens a “colocar nesse trabalho”, no espírito de união e a desequilibrar as estruturas de poder, referenciando os protestos globais em andamento contra a brutalidade policial.

“Por favor, continue a ser uma voz para os que não têm voz”, disse. “Nunca se esqueça: podemos discordar de uma maneira que seja produtiva para chegar a decisões que promovam mudanças reais. E se você cometer um erro, tudo bem também. Mas todos temos a responsabilidade de nos responsabilizar e mudar. Seja qual for o mundo em 10, 20 anos, parte disso depende de você. Peço que você deixe que esse momento o leve a melhorar a si mesmo em todas as áreas da sua vida. ”

Beyoncé tem praticado o que ela diz. Desde falando com suas legiões de fãs sobre a pandemia do novo coronavírus pelas redes sociais até lançando luz sobre os assassinatos de jovens negros norte-americanos pela violência policial.

Recentemente, a cantora doou cerca de US $ 6 milhões para comunidades não-brancas impactadas pela crise sanitária global. Após a morte de George Floyd, ela também fez um chamado para que as pessoas assinem petições em seu site, que já acumulam milhões de assinaturas.

*Este texto foi originalmente publicado no HuffPost US e traduzido do inglês.