POLÍTICA
25/01/2019 09:31 -02

Ex-governador Beto Richa é preso no Paraná pela segunda vez

Richa é investigado pela Justiça Federal na Operação Interligação, um desdobramento da Lava Jato.

Brazil Photo Press via Getty Images

O ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB) foi preso pela segunda vez na manhã desta sexta-feira (25). Ele é investigado pela Justiça Federal na Operação Interligação, um desdobramento da Lava Jato, que apura irregularidades na concessão de rodovias no estado. 

Pesa sob Richa a acusação de corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Além dele, foi alvo mandado de prisão preventiva Dirceu Pupo, contador da ex-primeira dama Fernanda Richa.

De acordo com a decisão judicial que embasou a operação desta sexta-feira, os dois atuaram para influenciar o conteúdo do depoimento de testemunhas na investigação. A ação, segundo o documento, envolveu corrupção sistêmica e lavagem de dinheiro.

Richa foi preso por 4 dias em setembro do ano passado em uma operação do Ministério Público do Paraná, que buscava esclarecer desvios em obras de abertura e manutenção de estradas rurais no Paraná. Na época, também foram presos Fernanda Richa, sua esposa, Deonilson Roldo, seu ex-chefe de gabinete, e Pepe Richa, seu irmão. 

No mesmo dia em que foi preso, ele foi alvo de um mandado de busca e apreensão da Operação Piloto na Bahia, outra fase da Lava Jato. A investigação apurava o envolvimento de funcionários públicos e empresários com a empreiteira Odebrecht, suspeitos de favorecimento na licitação para obras na rodovia estadual PR-323.

O ex-governador nega as acusações. Richa foi candidato ao Senado nas eleições do ano passado, mas não conseguiu se eleger.