ENTRETENIMENTO
01/05/2019 17:17 -03 | Atualizado 01/05/2019 17:27 -03

O dia em que 'Coisinha do Pai', famosa na voz de Beth Carvalho, foi tocada em Marte

♫ "Ô coisinha tão bonitinha do pai..." ♫

Getty Editorial

As músicas de Beth Carvalho, morta nesta terça-feira (30), aos 72 anos, conquistaram o Brasil e foram além, muito além. Em 1997, Coisinha do Pai, consagrada na voz da “Madrinha do Samba”, chegou a Marte. A canção foi usada para “acordar” um robô-jipinho chamado Soujorner, que integrava a missão Mars Pathfinder criada pela Nasa para explorar a superfície do planeta.

Coisinha do Pai foi composta por Jorge Aragão, Almir Guineto e Luís Carlos, e gravada pela cantora carioca em 1979, como parte do disco No Pagode. A faixa fez sucesso avassalador, se tornou um hino do samba e se multiplicou em novas gravações e interpretações por diferentes artistas desde então.

 

De acordo com reportagem da Folha de São Paulo da época, a engenheira carioca e funcionária da Nasa Jacqueline Lyra foi a responsável pelo feito.

Diferentes músicas, geralmente do gênero rock, eram enviadas diariamente, dos Estados Unidos a Marte, para alertar o robô sobre o início do dia de trabalho. Lyra escolheu a versão ao vivo do icônico samba feita por Elba Ramalho e Jair Rodrigues para o disco Casa do Samba.

O trecho escolhido pela engenheira representava o carinho que os cientistas tinham pelo robô: “Você vale ouro/todo o meu tesouro (…) Agradeço a Deus porque lhe fez/Ô coisinha tão bonitinha do pai”. Na época, ao saber da novidade, Beth Carvalho - com 30 anos de carreira - disse ao jornal O Estado de S. Paulo: “Eu sabia que era internacional, mas interplanetária é demais”.

 

Beth Carvalho morreu no Rio de Janeiro na tarde desta terça-feira (30). Há anos ela sofria de problemas da coluna. Beth estava internada no Hospital Pró-Cardíaco, em Botafogo, na zona sul da cidade, desde o início de 2019. 

A causa da morte foi uma infecção generalizada.

O velório da ocorreu no clube Botafogo de Futebol e Regatas, no bairro homônimo da zona sul do Rio. Músicos e fãs da cantora organizaram no local uma roda de samba em homenagem à cantora que responsável pela revelação de outros expoentes do samba, incluindo Zeca Pagodinho e Jorge Aragão.

O caixão foi levado pelo Corpo de Bombeiros para um cortejo pelas ruas do Rio até o crematório no Cemitério do Caju, na zona norte da cidade.