MULHERES
25/02/2020 11:01 -03 | Atualizado 03/03/2020 19:13 -03

BBB20: Internautas acusam Daniel de assédio e pedem sua expulsão

Na manhã de hoje, a hashtag #DanielExpulso é a mais comentada no Twitter.

O público do Big Brother Brasil pediu, na manhã desta terça-feira (25) a expulsão de Daniel.

Na madrugada de ontem, o brother deitou ao lado de Gizelly na área externa da casa e colocou a mão em sua perna e glúteos. A advogada, visivelmente incomodada, afastou sua mão. Em outro momento, Daniel abraça e apalpa as penas da colega de reality show. As cenas causaram revolta entre internautas, que pediram a expulsão de Daniel o acusando de assédio sexual.

 

Na manhã de hoje, a hashtag #DanielExpulso é a mais comentada no Twitter.

 

Usuários também criticaram a Rede Globo de não se pronunciar sobre o caso. 

 

Público relembrou, ainda, que esta não foi a primeira vez que Daniel assediou Gizelly e outras colegas da casa. 

Outros usuários também ironizaram o discurso do brother, que criticava as atitudes machistas de outros homens da casa. Agora, aparentemente, ele é o mais novo “cancelado” do Big Brother.

Desde o início desta edição do BBB, que é considerada “a casa mais vigiada do Brasil”, comportamentos dos homens, em especial, do ginasta Petrix Barbosa, 27 ― que foi eliminado com 80% dos votos ― causou mal-estar e desconforto, inicialmente, no público e, em seguida, às mulheres do reality.

Além dos casos envolvendo Petrix e Daniel, em outra festa, o hipnólogo Pyong Lee tentou beijar Marcela e apalpou Flayslane e Ivy; também nesta edição, participantes descobriram que os homens traçaram um“plano de sedução”.

A estratégia, montada por Hadson e Felipe, consistia em desestabilizar participantes que ou são casadas ou comprometidas, para que elas ficassem malvistas pelo público do reality e, portanto, seriam prejudicadas no jogo.

“Com essa situação, a gente consegue ver como os homens não só entendem a lógica dessa sociedade machista, de culpabilizar essa mulher, como ele usa essa lógica perversa a seu favor”, aponta Viviana Santiago, socióloga e especialista em educação pela UFPE (Universidade Federal de Pernambuco). “Em uma perspectiva de continuar de manipulando a vida das mulheres. Para mim, essa é a mais perfeita descrição de misoginia”, conclui.