OPINIÃO
12/04/2019 11:28 -03 | Atualizado 12/04/2019 11:29 -03

BBB 19: Paula tem tudo para vencer edição que ninguém viu, mas que teve recorde de votos

Famosa por declarações de cunho racista, mineira pode conquistar prêmio de R$ 1,5 milhão por conta de um novo fenômeno no reality.

Reprodução/TV Globo

Ao que tudo indica, a mineira Paula von Sperling, de 28 anos, será  a campeã da edição de 2019 do Big Brother Brasil. Na final, que acontece nesta sexta-feira (12), ela enfrenta o catarinense Alan Possamai, de 26 anos.

Depois da expulsão da goiana Hariany Almeida, de 21, que empurrou a própria Paula - sua amiga e aliada desde o início da competição - depois de uma discussão em uma festa na madrugada da quinta (11), o caminho da mineira rumo ao prêmio de R$ 1,5 milhão parece livre de qualquer obstáculo.

Mas como explicar tamanha popularidade de uma concorrente que ficou conhecida por declarações de cunho racista e que foi tão criticada nas redes sociais? Ela chegou até a virar trending topic no Twitter com a hashtag “BBB protege racista” no dia 30 de janeiro.

Veja aqui algumas das declarações de Paula:

Segundo alguns colunistas especializados em TV, como Chico Barney, do Uol,  esse cenário pode ser explicado pela formação de “bolhas de sguidores”, ou seja, fã clubes de participantes do confinamento, que transformaram a disputa do reality show em uma competição de “fazendas de likes”.

 

Audiência em queda, votos em alta

Reprodução/TV Globo

Desde que estreou, em 15 de janeiro, o BBB 19 não emplacou, pelo menos no que diz respeito à audiência. De acordo com a colunista Patrícia Kogut, do jornal O Globo, na lista do Painel Nacional da Televisão (PNT) das atrações mais assistidas entre 25 e 31 de março, o BBB não apareceu no Top 10, algo incomum no histórico do programa.

Segundo Barney, na plataforma Google Trends, o pico de repercussão desta edição chegou a ser quase 10 vezes menor do que na temporada de 2017.

No entanto, enquanto cada vez menos pessoas assistiam ao programa na TV, o reality show batia recorde de votos. Só para se ter uma ideia, o 10º (e penúltimo) paredão, entre Carolina e Paula, registrou impressionantes 202.406.432 milhões de votos.

E essa não foi a única vez que esta edição registrou um número como esse.

A disputa entre Carolina, Paula e Danrley, no dia 19 de março, alcançou mais de 150 milhões de votos, ficando em 3º lugar no ranking desse quesito desde que o BBB estreou no Brasil, no distante dia 29 de janeiro de 2002.

Fenômeno parecido com o que ocorreu nas eleições presidenciais de 2018 -  quando a campanha via WhatsApp ganhou relevância nunca vista antes -, esse recorde de votos na contramão da audiência do reality show mostra que o público não assiste ao programa da forma como assistia antes.

As torcidas se definiram, não importa o que o participante faça ou fale. Eles se transformaram em mitos acima do bem e do mal, com grupos de fãs fanáticos que se digladiam via voto para eliminar seu “inimigo”.