ENTRETENIMENTO
08/09/2019 13:53 -03 | Atualizado 08/09/2019 14:18 -03

Bárbara Paz conquista prêmio de Melhor Documentário no Festival de Veneza

Estreia de Paz na direção de um longa, "Babenco - Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou" acompanha os últimos anos do cineasta Hector Babenco.

Babenco - Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, primeiro longa dirigido por Bárbara Paz, ganhou neste sábado (7) o prêmio de melhor documentário sobre cinema no Festival de Veneza 2019.

O filme, que acompanha os últimos anos do cineasta Hector Babenco (1946-2016), já havia conquistado o troféu Bisato D’Oro, concedido por críticos independentes. A nova vitória ocorreu na mostra Venice Classics, criada em 2012, que exibe filmes que tem o cinema como temática.

“Este prêmio é muito importante para o meu país. Precisamos dizer não à censura: vida longa à liberdade de expressão!”, disse Paz em um dos trechos de seu discurso de agradecimento. “Estou muito emocionada e honrada. Hector dizia que fazer filmes era viver um dia a mais. Hector, obrigada por acreditar em mim. Amo-o para sempre”, completou. 

Acompanhe abaixo a fala de Paz:

Conheça a sinopse oficial do filme:

Divulgação

Hector Babenco a Bárbara Paz, ao perceber que não lhe restava muito tempo de vida. Ela aceitou a missão e realizou o último desejo do companheiro: ser protagonista de sua própria morte. Nesta imersão amorosa na vida do cineasta, ele se desnuda, consciente, em situações íntimas e dolorosas. Revela medos e ansiedades, mas também memórias, reflexões e fabulações, num confronto entre vigor intelectual e fragilidade física que marcou sua vida. Do primeiro câncer, aos 38 até a morte, aos 70 anos, Babenco fez do cinema remédio e alimento para continuar vivendo.  eÉ o primeiro filme de Bárbara Paz mas, também, de certa forma, a última obra de Hector – um filme sobre filmar para não morrer jamais.

Bárbara Paz foi casada com Hector Babenco de 2010 até a morte do cineasta, em 2016, por parada cardíaca. Ele tinha 70 anos e vinha de uma longa batalha contra um câncer.

Nascido em Mar del Plata, na Argentina, e naturalizado brasileiro, Babenco é lembrado por filmes premiados como Pixote: A Lei do Mais Fraco (1981) e Carandiru (2003) e O Passado (2007)

Antes de exibir seu filme e ser duplamente premiada no festival, Paz se manifestou em prol da Amazônia no tapete vermelho, posando com um cartaz onde se lia a mensagem “I am Amazônia”.