Artista come banana da 'obra de arte' vendida por US$ 120 mil

"Performance", eles disseram.

O artista americano David Datuna protagonizou um episódio inusitado neste domingo (8) durante a feira de arte contemporânea Art Basel de Miami. Ele comeu uma banana, que estava grudada na parede com fita adesiva.

A intervenção artística, batizada de “Comedian”, é do italiano Maurizio Cattelan e foi vendida a um colecionador francês por US$ 120 mil.

O episódio, considerado uma “performance artística” por Datuna, foi intitulado de “Hungry Artist” (“Artista com fome”, na tradução livre).

Em um vídeo publicado em seu Instagram, ele afirmou que aprecia o trabalho de seu colega italiano. “Performance minha. Adoro o trabalho de Maurizio Cattelan e realmente amei essa instalação. Estava uma delícia!’”, escreveu Datuna.

De acordo com o Lucien Terras, diretor de relações com os museus da Galerie Perrotin, Datuna não destruiu a obra de arte, porque “a banana é uma ideia”.

Segundo a imprensa local, a galeria não moverá nenhuma ação contra o visitante.

View this post on Instagram

Quem é mais maluco? Maurizio Cattelan, que numa das maiores feiras de arte do mundo, a @art_basel_miami, grudou na parede uma banana comprada num mercado local com silver tape e colocou à venda (sua primeira peça numa feira de arte depois de 15 anos sem querer participar); os três colecionadores que gastaram 120 mil dólares para levar uma edição da banana para casa; ou o artista que tirou a banana milionária da parede e comeu, dizendo que aquilo era uma performance intitulada “Artista com fome”? 🍌 O italiano Maurizio Cattelan sustenta uma das obras mais aclamadas hoje em ironia e tiração de sarro (explico tudo sobre ele na matéria do Bigorna - link na Bio). Para “Comediante”, a peça vendida em Basel, ele fez um manual “Como fazer uma banana valer 120 mil dólares”, ridicularizando - e se aproveitando - de temas como a autoria, o consumo, a originalidade, as selfies no mercado de arte (sim, ele estava pensando em tudo isso). O colecionador, por sua vez, não compra apenas uma banana, ele compra uma ideia e um certificado. Ele ficará trocando a banana quando apodrece, mas terá para sempre uma obra do Maurizio Cattelan na sua coleção. E mais do que isso: esse colecionador também atua como protagonista quando faz a aquisição e reitera que aquilo é uma obra de arte. Já o artista nova-iorquino David Datuna se aproveitou da situação para passar a fazer parte das manchetes dos jornais e entrou na brincadeira que o próprio Cattelan está jogando - o que um artista tem que engolir hoje em dia para receber atenção do mercado? Ah! A banana foi substituída e agora tem um segurança particular até o final da feira! . . . #cattelan #mauriziocattelan #artbaselmiami #artbaselmiamibeach #artworld #explainingart #artecontemporanea #bigornart #bigorna_art #perrotin #perrotingallery

A post shared by Bigorna por Julia Flamingo (@bigorna_art) on