OPINIÃO
29/08/2019 05:00 -03 | Atualizado 29/08/2019 09:43 -03

Toda ação tem uma reação, e 'Bacurau' nos mostra que está na hora de revidar

Kleber Mendonça Filho e Juliano Dorneles utilizam o cinema de gênero para mostrar um Brasil com sede de vingança.

Divulgação
bacurau

Em pré-estreias, coletivas e debates para promover seu novo filme, os pernambucanos Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles insistem que não há uma “mensagem” em Bacurau. Que a produção, vencedora do prestigiado Prêmio do Júri da mostra competitiva do Festival de Cannes, é simplesmente um filme de gênero com “observações”.

Pois é, o diabo mora nos detalhes. 

Mesmo que por linhas tortas, o gênero sempre esteve presente no cinema de Mendonça Filho. Assim como o tema da luta entre invasores e invadidos, de um lado que impõe sua vontade goela abaixo de quem considera inferior. A diferença de Bacurau para O Som ao Redor (2012) e Aquarius (2016) é que, desta vez, o cinema de gênero é assumido de forma mais direta, sem subterfúgios. 

Uma jogada muito bem pensada pelo diretores, pois os tempos não estão propícios para sutilezas. Como Newton ensina desde o século 17: para toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade. E Bacurau é o revide de “igual intensidade” que estamos precisando. 

Divulgação
Silvero Pereira como Lunga, um cangaceiro moderno que parece ter saído direto do universo de Mad Max.

“Filmes de gênero são muito mais fortes e interessantes quando o mundo de alguma forma está alimentando ideias e realidades absurdas. As motivações dessa construção vêm desse mundo todo troncho e errado que a gente está cansado de viver. Ao mesmo tempo a gente gosta de cinema, quer se divertir fazendo cinema, quer ser feliz fazendo cinema. Então, às vezes a gente precisa ser um pouco cínico para lidar com certas coisas que estão nos agredindo, nos machucando, e jogar na tela uma resposta a isso”, explicou Dornelles em coletiva em São Paulo. 

Porém, mais do que um filme de gênero, Bacurau é um filme de gêneros. Ele é um western spaghetti/filme de cangaceiro com toques modernos, mas que não esquece as tradições seculares; é um Mad Max com repente, um Predador que cai na caatinga e se transforma na caça, um Assalto à 13ª DP de bacamartes contra fuzis AR-15...

Um tipo de cinema que fascina e une Mendonça Filho e Dornelles, em que a ação é uma reação ao mundo que os cerca. E não há nada mais revolucionário que isso.

Divulgação
A alemão Udo Kier é Michael, o agente do caos.

É bom não saber muitos detalhes sobre a trama de Bacurau. O fator surpresa é essencial para o máximo impacto da trama. Dito isso, o filme começa com a morte de Carmelita, uma ilustre moradora do pequeno vilarejo de Bacurau, no sertão nordestino. Pouco depois de os locais enterrarem sua matriarca, começam a perceber coisas estranhas. Bacurau não consta em mais nenhum mapa, os celulares não funcionam mais e até um disco voador é visto nas imediações. Até que uma dupla de motoqueiros chega como o prenúncio de algo terrível.

Bacurau, que estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (29), é o filme certo na hora certa. Sua violência com muito gore e poucas concessões pode chocar uma parte do público, mas, acredite, nada é mais impactante que as pequenas “observações” de Mendonça Filho e Dorneles. Dói ver a carapuça nos servindo. Mas é o banho de descarrego que o Brasil necessita.